A doença de Parkinson (DP) ou Mal de Parkinson, é uma doença degenerativa, crônica progressiva, que acomete comumente idosos. Caracterizada  pela perda de neurônios do Sistema Nervoso Central (SNC) em uma região conhecida como substância negra (ou nigra). Os principais sintomas motores se manifestam por tremor, rigidez. O portador pode apresentar todos ou apenas alguns dos sintomas associados à doença de Parkinson.

Portadores da doença de Parkinson desenvolvem a doença de formas diferentes, que podem se apresentar em várias etapas com sinais e sintomas diferentes entre si.

Sendo a Doença de Parkinson de caráter progressivo, a velocidade de evolução deste agravo pode ser rápida (pacientes tornam-se incapacitados em 5 anos) e mais comumente, de evolução lenta e prolongada. Frequentemente a doença inicia-se com o tremor de repouso, aparecendo depois, a rigidez e a bradicinesia, levando a alterações posturais e dificuldades na postura e equilíbrio. Com o aumento da rigidez, a rotação do tronco é diminuída. Devido à lentidão e limitação dos movimentos, estes ficam difíceis de iniciar e cansativos.

Entretanto a doença de Parkinson evolui geralmente em cinco estágios.

Conhecer os estágios deste agravo auxilia profissionais da saúde e cuidadores a entender e abordar o portador da doença.

Estágio 1

Durante os estágios iniciais da doença de Parkinson, os sintomas geralmente não são graves. O portador, consegue realizar tarefas diárias, sem muita dificuldade.

Alguns sinais e sintomas desta etapa incluem mudanças na:

  • postura
  • expressões faciais
  • caminhada

Além disso, o portador pode apresentar tremores leves em um lado do corpo. Nesta fase podem ser prescritos medicamentos que ajudarão a controlar os sintomas.

Estágio 2

Tremores em repouso e rigidez que  afetam os dois lados do corpo no muito mais visíveis.

A rigidez pode ser severa o suficiente para atrasar as tarefas e o indivíduo terá  dificuldade em manter uma vida independente.

Os problemas na  caminhada, fala e postura são muitas vezes mais visíveis neste estágio do Parkinson.

Estágio 3

Neste estágio os sintomas estão acentuados. O portador apresentará os sintomas do estágio 2 e os sintomas a seguir:

  • problemas com o equilíbrio
  • movimentos lentos – bradicinesia
  • reflexos lentos

Neste estágio o portador tem uma maior probabilidade de quedas devido a problemas de coordenação. A capacidade de realizar tarefas e na promoção do autocuidado podem tornar-se mais difíceis.

O tratamento nesta fase geralmente envolve tanto medicação, fisioterapia e terapia ocupacional. Algumas pessoas respondem favoravelmente ao tratamento, enquanto outras podem não apresentar melhorias.

Estágio 4

Durante a fase 4 do Parkinson, as atividades diárias podem ser desafiadoras ou mesmo impossíveis. É provável que o indivíduo necessite de auxílio pra realização das AVDs – Atividades da Vida Diária, uma vez que a independência está seriamente comprometida.

Estágio 5

O estágio 5 é o último e mais debilitante estágio da doença de Parkinson. Nesta fase o portador já não conseguira ficar em pé ou movimentar-se devido a rigidez. Dependendo da idade e da saúde, o portador ficará acamado ou necessitar de cadeira de rodas para mobilidade.

Ao contrário dos estágios anteriores, será necessário um cuidador para auxiliar nas AVDs. Nesta fase também poderão surgir:

  • alucinações
  • delírios
  • resposta pobre à medicação
  • confusão mental
  • demência

Sinais e sintomas

 

Os principais sintomas da doença de Parkinson incluem:

  • movimento lento ou bradicinesia
  • tremores incontroláveis em repouso
  • membros rígidos
  • problemas com o equilíbrio
  • problemas em se manter em pé

É muito comum que as pessoas se concentrem nos sintomas físicos ou motores da Parkinson. No entanto, existem vários sintomas não motores associados à doença, também.

Os sintomas não motores incluem:

  • problemas com o olfato
  • ansiedade
  • depressão – comumente surge nesses pacientes chegando a uma incidência de 90%.
  • fadiga
  • insônia
  • prisão de ventre
  • problemas de visão
  • mudanças cognitivas, como perda de memória ou reflexão lenta
  • problemas com o discurso
  • dificuldade de deglutição

Os sintomas de Parkinson no início da doença, não interferem na realização das AVDs no início da doença, mas a medida que evolui, os sintomas vão interferindo na independência e autonomia do portador.

Fonte:

FERRAZ, Henrique Ballalai; BORGES, Vanderci. Doença de Parkinson. Rev Bras Med, v. 59, n. 4, p. 207-219, 2002.

MASSANO, João. DOENÇA DE PARKINSON. Acta Médica Portuguesa, v. 24, 2011.

DE PARKINSON, Associação Portuguesa de Doentes; CLÍNICAS, Manifestações. Doença de Parkinson.

CUNHA, Alexis Nicolau Santos et al. Doença de Parkinson. Seminários de Biomedicina do Univag, v. 1, 2017.

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/abstract”>Abstract vector created by Freepik</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *