O colesterol é encontrado em todas as células do corpo e tem funções naturais importantes quando se trata de digerir alimentos, produção de hormônios, e na produção de vitamina D.

Existem dois tipos de colesterol; LDL (lipoproteínas de baixa densidade, conhecido como colesterol ruim) e HDL (lipoproteínas de alta densidade, o colesterol bom).O colesterol é uma substância essencial para nosso equilíbrio corporal é produzida pelo organismo, mas também é ingerida a partir de alimentos derivados de animais.

Os maiores fatores de risco para colesterol alto são escolhas de estilo de vida modificáveis ​​- dieta e exercício físico. Infelizmente o colesterol alto geralmente não produz sintomas.

Fatores que podem causar aumento de colesterol

O colesterol alto é um importante fator de risco para aumento do risco cardiovascular, que pode levar a ocorrência de AVE (Acidente Vascular Encefálico) e infarto  . Reduzir os níveis de lipídios no sangue pode reduzir o risco cardiovascular.

O acúmulo de colesterol é parte do processo que estreita as artérias, denominado aterosclerose , onde placas se formam e causam a restrição do fluxo sanguíneo.

1- Ingestão de alimentos contendo:

– Gordura saturada – encontrada em algumas carnes, produtos lácteos, chocolate, produtos cozidos, fritos e alimentos processados. Gorduras trans – encontradas em alguns alimentos fritos e processados.

– O excesso de peso ou obesidade também pode levar a maiores níveis de LDL no sangue.

2- A genética pode contribuir para o colesterol alto – níveis muito elevados de LDL são encontrados na condição hereditária hipercolesterolemia familiar.

3- Os níveis anormais de colesterol também podem surgir devido a outras condições, incluindo:

  • Doença hepática ou renal
  • Diabetes
  • Síndrome dos ovários policísticos
  • Gravidez e outras condições que aumentam os níveis de hormônios femininos
  • Hipotireoidismo
  • Uso de drogas que aumentam o colesterol LDL e diminuem o colesterol HDL (progestágenos, esteróides anabolizantes e corticosteróides)

Sintomas de colesterol elevado

Infelizmente o portador de hipercolesterolemia não apresenta sintomas. A menos que seja testado rotineiramente através de exames de sangue regulares, níveis elevados de colesterol passarão despercebidos e poderão apresentar uma ameaça silenciosa de ataque cardíaco ou AVE.

Um relatório da Harvard Health identificou alguns alimentos que podem diminuir os valores de colesterol se adicionados a dieta:

  • aveia
  • Cevada e grãos integrais
  • feijões
  • berinjela e quiabo
  • nozes
  • Óleo vegetal (milho, girassol)
  • frutas (principalmente maçãs, uvas, morangos e citrinos)
  • Alimentos à base de soja
  • peixe ricos em Ômega 3 (particularmente salmão, atum e sardinha)
  • Alimentos ricos em fibras

Adicionando estes a uma dieta equilibrada pode ajudar a manter o colesterol sob controle. O mesmo relatório também lista alimentos que são ruins para os níveis de colesterol, incluindo:

  • carne vermelha
  • lácteo gorduroso (queijos, manteigas)
  • Margarina
  • Óleos hidrogenados
  • embutidos

Como prevenir hipercolesterolemia e controlar o colesterol

Mudanças no estilo de vida são recomendadas para todas as pessoas com colesterol elevado ou que desejam garantir que seus níveis permaneçam normais. Essas mudanças reduzirão o risco de doença cardíaca coronária e ataque cardíaco:

  • Ingestão de dieta equilibrada
  • exercício regular
  • evite fumar
  • alcançar e manter um peso saudável

Terapia medicamentosa para redução de colesterol

O tratamento medicamentoso para um indivíduo com hipercolesterolemia dependerá do seu nível de colesterol e de outros fatores de risco.

Dieta e exercício são as primeiras abordagens utilizadas para reduzir os níveis de colesterol.

O tratamento com estatinas é normalmente prescrito para pessoas com maior risco de ataque cardíaco.

As estatinas são o principal grupo de drogas que reduzem o colesterol; outros incluem inibidores seletivos de absorção de colesterol, resinas, fibratos e niacina.

  • fluvastatina (Lescol)
  • artovastatina (Lipitor)
  • Lovastatina (Mevacor, Altoprev)
  • Pravastatina (Pravachol)
  • Rosuvastatina cálcica (Crestor, Trezor)
  • sinvastatina (Zocor)

Divergências no uso das estatinas

A prescrição de estatinas causou um debate considerável. Embora muitos pacientes se beneficiem muito com o uso de estatinas para reduzir o colesterol e reduzir o risco de ataque cardíaco, um número significativo de pacientes também experimentam efeitos adversos das estatinas.

Os efeitos secundários podem incluir:

  • – miopatia induzida por estatina (uma doença do tecido muscular)
  • fadiga
  • – um risco maior de diabetes e complicações do diabetes.

Alternar para um tipo de estatina diferente, ou aumentar os esforços para reduzir o colesterol através de mudanças de estilo de vida pode ajudar a aliviar a miopatia induzida por estatinas e outros efeitos indesejáveis ​​dessas drogas.

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/9152.php?sr

MOREIRA, Rodrigo O. et al. Perfil lipídico de pacientes com alto risco para eventos cardiovasculares na prática clínica diária. Arq Bras Endocrinol Metabol, p. 481-489, 2006.

CABRERA, Marcos AS; JACOB FILHO, Wilson. Obesidade em idosos: prevalência, distribuição e associação com hábitos e co-morbidades. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 45, n. 5, p. 494-501, 2001.

FORNES, Nélida Schmid de et al. Escores de consumo alimentar e níveis lipêmicos em população de São Paulo, Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 36, p. 12-18, 2002.

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/food”>Food image created by Freepik</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *