Um estudo, que acompanhou indivíduos que meditavam regularmente por mais de sete anos, encontrou evidencia que a prática de  meditação pode melhorar as habilidades mentais e proteger contra o declínio cognitivo relacionado à idade.

À medida que envelhecemos, a capacidade cognitiva declina lentamente. Os déficits resultantes podem afetar o raciocínio, a memória e a velocidade de processamento. Também pode afetar a capacidade de concentração e foco.

As pessoas estão vivendo vidas mais longas, e pesquisadores estão ansiosos em encontrar maneiras de manter o cérebro saudável ​​e alerta por mais tempo, e para isso tentam encontrar possíveis intervenções que possam contribuir – incluindo programas de treinamento cognitivo com base em computador e mudanças no estilo de vida.

E uma prática da meditação, demonstrou-se promissora como forma de intervenção.  Acredita-se que a meditação pode impulsionar uma série de habilidades cognitivas, como a clareza mental, estabilidade e criatividade, aumentando o tempo de atenção.

É importante ressaltar que a meditação pode ser praticada em casa, é relativamente econômica e causa mínimos efeitos colaterais.

Vários estudos investigaram intervenções conscientes e testemunharam certos benefícios, como a redução da preguiça mental. No entanto, poucos avaliaram se os benefícios da meditação podem durar por longos períodos.

Meditação a longo prazo

Cientistas do Centro de Mente e Cérebro da Universidade da Califórnia em Davis (UC Davis) acompanhou um grupo de pessoas que participaram de um curso de meditação por 7 anos.

Esse estudo foi publicado recentemente no Jounal of Cogntive Enhancement.

O “Projeto Shamatha” foi liderado por Anthony Zanesco, pesquisador de pós-doutorado da Universidade de Miami, Flórida, que iniciou o projeto antes de iniciar o doutorado. em psicologia na UC Davis.

O projeto acompanhou, 60 meditadores experientes, que participaram de dois retiros de meditação realizados no Shambhala Mountain Center em Red Feather Lakes, CO.

Os participantes foram instruídos por um estudioso budista, professor e autor chamado B. Alan Wallace, do Instituto Santa Barbara para Estudos da Consciência, na Califórnia.

Durante os retiros, os participantes tiveram duas sessões de meditação em grupo todos os dias e, durante o resto de seus dias, meditaram por uma média de 6,75 horas adicionais.

Os benefícios da meditação

Os participantes foram avaliados antes, durante e logo após o retiro. Em seguida, eles foram acompanhados em 6 meses, 18 meses até completar 7 anos.

Ao final do estudo, 40 participantes estavam envolvidos, e todos relataram que continuaram a usar a meditação de alguma forma por uma média de 1 hora por dia.

Logo após o retiro, os participantes foram comparados com um grupo controle que havia viajado para Santa Bárbara, mas não fazia parte do curso. Os meditadores demonstraram melhorias no bem-estar psicológico geral, e na capacidade de lidar com o estresse e manter a atenção.

Sete anos depois, os ganhos de atenção ainda estavam presentes em algum grau – particularmente entre os membros mais velhos do grupo que praticavam meditação com mais frequência. Essas pessoas, não demostraram os níveis esperados de declínio relacionado à idade na atenção sustentada.

Os autores concluem que “estas descobertas fornecem evidências iniciais, mas provocativas, de que a prática continuada de meditação pode estar associada a uma moderação do declínio relacionado à idade em componentes atencionais conhecidos por serem sensíveis ao envelhecimento”.

Este estudo é o primeiro a oferecer evidências, de que a prática de meditação intensiva e contínua está associada, a melhorias duradouras na atenção sustentada e inibição de resposta, com o potencial de alterar trajetórias longitudinais de mudança cognitiva ao longo da vida de uma pessoa.”

Como os benefícios baseados na meditação pareciam se estabilizar logo após os retiros, o pesquisador chefe acredita que isso poderia informar sobre a influência que a meditação pode ter na cognição.

Cuidados e possíveis problemas

Embora este seja o maior e mais longo estudo do gênero mais pesquisas precisam ser feitas, pois há ainda uma série de variáveis ​​potencialmente confusas a serem consideradas. Nesse estágio, ainda não se pode concluir definitivamente que a meditação foi a responsável pelos benefícios mensurados no estudo.

Como exemplo, alguém que frequenta um retiro de meditação e continua a meditar provavelmente terá outras diferenças de estilo de vida, como uma dieta mais saudável. Eles também são mais propensos a ler sobre meditação e textos relacionados à atenção plena, que podem ter impacto na capacidade cognitiva e na visão geral da vida.

Como os autores escrevem em seu artigo de estudo, “a citação não pode ser atribuída à moderação do declínio relacionado ao envelhecimento com a prática contínua de meditação em nossa amostra. Portanto, é essencial que mais pesquisas sejam realizadas antes de concluir definitivamente que a prática da meditação como uma intervenção. envelhecimento cognitivo “.

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/321424.php

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background image created by Kjpargeter – Freepik.com</a>

 

 

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *