O consumo de álcool e de drogas prescritas é uma realidade que vem se agravando a cada ano. Neste sentido, vamos ver algumas estatísticas:

– Há 2,5 milhões de idosos com um problema com álcool ou drogas.

– De 6 a 11% das internações hospitalares de idosos são resultado de problemas com álcool ou drogas

– Viúvos com mais de 75 anos têm a maior taxa de alcoolismo nos Estados Unidos da América (EUA)

– Quase 50% dos residentes em casas de repouso têm problemas relacionados com álcool.

– Os idosos são hospitalizados com ataques cardíacos relacionados aos problemas alcoólicos.

– Anualmente, quase 17 milhões das prescrições de tranquilizantes são para os idosos. Os benzodiazepínicos, um tipo de droga tranquilizante, são as drogas mais comumente usadas ​​de forma abusiva. (Saiba mais sobre os Benzodiazepínicos clicando aqui)

Problemas com álcool e drogas, particularmente abuso de drogas que são prescritas pelos médicos, entre os idosos é um dos problemas de saúde que mais cresce nos países. No entanto, nossa consciência, compreensão e resposta a este problema de saúde é inadequada.

Razões pelas quais os idosos podem recorrer ao abuso de álcool ou de outras drogas

– O fato das suas “crianças” crescerem e saírem de casa.

– O fato de ter que desistir de um emprego ou mudar-se para uma casa menor.

– O fato do número de amigos ser cada vez menor.

– Problemas com a saúde física.

– O(a) parceiro(a) de muitos anos fica doente ou morre.

– Ter tido um problema por um longo tempo que continuou a piorar ao longo dos anos.

Estas e outras dificuldades muito reais no processo de envelhecimento podem, facilmente, estimular os idosos a consumirem álcool ou drogas.

Devemos ter em mente que o processo de amadurecimento traz muitas mudanças: na saúde, estilo de vida, obrigações familiares, funções de trabalho e fontes de apoio. E, este processo também pode trazer dor física, estresse, solidão e perda de mobilidade.

Não surpreendentemente, os sinais de alcoolismo e dependência de drogas são diferentes em idosos e em pessoas mais jovens. Abuso de drogas entre as pessoas mais velhas é muitas vezes escondido, negligenciado e não diagnosticado.

No entanto, existem alguns sinais que podem indicar um problema de álcool ou drogas, tais como:

– A atitude de beber solitário ou escondido.

– Um ritual de beber antes ou depois do jantar.

– A perda de interesse em hobbies ou atividades prazerosas.

– Beber apesar das etiquetas de advertência em drogas da prescrição.

– Uso imediato e frequente de tranquilizantes.

– Fala arrastada, garrafas de bebidas alcoólicas vazias, cheiro de álcool na respiração, mudança na aparência pessoal.

– Queixas de saúde crônicas e sem suporte.

– Hostilidade ou depressão.

– Perda de memória e confusão.

O fato é que, embora o abuso de álcool e drogas seja prejudicial em qualquer idade, nos idosos é mais prejudicial quando comparado as outras idades.

O impacto das lesões relacionadas a álcool e drogas é muito mais grave, o risco de interações medicamentosas prejudiciais é muito maior, e os efeitos físicos gerais do álcool e drogas são mais debilitantes nos idosos.

Medicamentos e Idosos

Embora, os idosos compreendam apenas 13% da população, eles respondem por quase 30% de todos os medicamentos prescritos nos Estados Unidos, segundo pesquisas.

Como resultado, os idosos estão em risco significativo para o abuso de drogas de prescrição e, consequentemente, a dependência a estas substâncias.

Além de medicamentos que foram prescritos, muitos idosos também usam medicamentos sem receita médica e suplementos dietéticos, e ainda acabam compartilhando-os com os seus amigos.

Devido ao aumento da taxa de doença, as mudanças na capacidade do corpo para processar medicamentos e o potencial de interações medicamentosas, os idosos são mais propensos a terem efeitos indesejáveis provocados pelos medicamentos. (Para saber mais sobre os efeitos das drogas nos idosos, CLIQUE AQUI)

Por que o abuso de drogas em idosos é mal diagnosticado?

Devido ao conhecimento insuficiente, à limitação dos dados fornecidos pelos pacientes e às poucas visitas feitas aos pacientes; os profissionais de saúde frequentemente ignoram o uso indevido de álcool e drogas entre os idosos.

O diagnóstico pode ser difícil porque os sintomas de alcoolismo e dependência de drogas em indivíduos mais velhos às vezes imitam sintomas de outras doenças médicas e comportamentais comuns nesta população, como diabetes, demência e depressão.

Além disso, muitos pacientes não são adequadamente diagnosticados devido a falta de treinamento por parte dos médicos ou, então, pelo fato da crença de que o alcoolismo e a dependência de drogas não valem a pena tratar nesta população.

Outros fatores responsáveis ​​pela falta de atenção ao alcoolismo e dependência de drogas entre os idosos incluem estigma e vergonha sobre o uso e o abuso destas substâncias, juntamente com uma relutância em procurar ajuda profissional, porque muitos nesta faixa etária consideram um assunto privado.

Muitos parentes de idosos com alcoolismo e dependência de drogas, particularmente seus filhos adultos, também têm vergonha do problema e optam por não o abordar fora do ambiente familiar.

Em muitos lugares há crença de que não vale a pena tratar os idosos por transtornos causados pelo uso destas substâncias. Comportamento, este, considerado um problema em adultos mais jovens, mas que não inspira a mesma urgência para cuidados entre os idosos.

Junto com a impressão de que álcool ou problemas de abuso de substâncias não podem ser tratados com sucesso em idosos, há a suposição de que o tratamento para esta população é um desperdício dos recursos destinados a saúde.

Tratamento para o abuso de substâncias dos idosos

Uma vez que este problema é identificado há uma série de opções de tratamento que podem ajudar os idosos a escapar do abuso de substâncias.

As linhas de tratamento devem se concentrar na comunicação com esses pacientes de forma empática e respeitosa, com ênfase em comunicações simples e claras que levem em conta as mudanças cognitivas associadas ao envelhecimento, normais e anormais.

Os idosos podem não estar cientes do risco que estão expostos pela utilização destas substâncias. Eles podem apenas estar usando essas substâncias como sempre fizeram e não perceberam que os riscos aumentaram. Também pode haver uma falta de conhecimento sobre os perigos de misturar o álcool com certos medicamentos prescritos.

Os grupos de apoio aos dependentes químicos podem ajudar as pessoas mais velhas a construir uma vida longe do abuso de substâncias, onde podem encontrar companheirismo e apoio de outras pessoas que lidam com as mesmas dificuldades.

Terapeutas também podem ser benéficos para aqueles que estão lutando contra o uso destas drogas, ajudando o indivíduo a examinar as causas do problema e orientá-los para uma solução.

Ou ainda, tentar a reabilitação pode ser uma outra opção para os idosos que estão tratando as desordens devido ao abuso das substâncias.

Fonte:

https://www.ncadd.org/about-addiction/seniors/alcohol-drug-dependence-and-seniors

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *