Um novo estudo sugere que alimentos com maior densidade de energia alimentar – geralmente alimentos processados ​​- podem aumentar o risco de câncer relacionado à obesidade em mulheres pós-menopáusicas, mesmo que estejam fisicamente ativas.

O excesso de peso é frequentemente associado a distúrbios graves adicionais, incluindo 13 tipos diferentes de câncer, dentre os quais câncer de endométrio, de rim, fígado e pâncreas.

Também, acredita-se que o câncer de mama pós-menopausa esteja associado à obesidade.

Esta conexão levou pesquisadores da Universidade de em Tucson, a concentrar seus esforços no estudo de quais práticas alimentares, são susceptíveis de levar a câncer em mulheres na pós-menopausa.

Surpreendentemente, eles descobriram que o que poderia colocar algumas mulheres maduras em risco de câncer relacionado à obesidade não é o peso corporal, mas a qualidade de sua alimentação. As descobertas foram publicadas na última edição do Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics.

Os pesquisadores observaram que a densidade de energia dietética (DED), que reflete a qualidade da nutrição, é o que se correlaciona com o risco de câncer nas mulheres maduras.

O DED mede a qualidade da dieta ao analisar a proporção de calorias, ou energia consumida, em relação aos nutrientes recebidos de um determinado alimento.

Por exemplo, os alimentos processados, como pizza e várias sobremesas açucaradas, têm uma alta densidade de energia, pois têm muitas calorias, mas não são ricas em nutrientes, o que significa que uma pessoa deve consumir quantidades maiores desses alimentos para obter nutrientes essenciais.

Por outro lado, alimentos integrais como frutas e vegetais tendem a ter níveis mais baixos de densidade de energia, o que significa que eles contêm menos calorias e são mais nutritivos.

O DED é calculado dividindo o número de calorias em um alimento pelo seu peso total.

Os dados foram coletados de uma coorte de 90.000 mulheres pós-menopáusicas que participaram do programa de Saúde da Mulher. Para determinar o impacto do DED sobre o risco de câncer entre os participantes, os pesquisadores pediram que preenchessem um questionário de frequência alimentar.

Desta forma, eles foram capazes de coletar dados sobre os hábitos alimentares dos participantes, incluindo a ingestão estimada de energia e a qualidade nutritiva dos alimentos que consumiram.

Os pesos de todos os alimentos foram retirados do banco de dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, permitindo aos pesquisadores calcular o DED.

Quanto aos resultados do câncer dos participantes, o Dr. Thomson explica que essa informação foi obtida dos registros médicos das mulheres e foi revisada por especialistas para confirmar os diagnósticos.

Verificou-se que as mulheres pós-menopáusicas em altas dietas de DED tinham um risco 10% de desenvolver uma forma de câncer relacionado à obesidade. Este resultado foi, surpreendentemente, limitado aos participantes que relataram um peso corporal normal na linha de base.

Entre as mulheres com peso normal, maior DED pode ser um fator contribuinte para os cânceres relacionados à obesidade. Importante, o DED é um fator de risco modificável.

As intervenções nutricionais voltadas para a densidade de energia, bem como outras abordagens preventivas contra o câncer relacionadas com a dieta, são garantidas para reduzir a carga de câncer Entre as mulheres na pós-menopáusicas.

Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/318981.php

Créditos imagem:

<a href=”http://www.freepik.com/free-photos-vectors/food”>Food vector created by Freepik</a>

 

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *