As relações entre o envelhecimento populacional e os impactos causados no mercado de trabalho e no processo de aposentadoria de muitos idosos têm sido um tema de ampla discussão na atualidade.

O processo de aposentadoria pode ocasionar situações boas e ruins nas vidas dos indivíduos: Em um primeiro momento, a aposentadoria pode ocasionar uma agradável sensação de descanso. Entretanto, a mesma poderá também gerar disfunções psicológicas (depressão) nos indivíduos, devido a esses não mais se sentirem úteis à sociedade, particularmente, nos casos em que a aposentadoria é obrigatória. Nesse sentido, a aposentadoria tende impactar de maneira positiva e negativa à vida dos indivíduos. Em termos positivos, a aposentadoria poderá impulsionar a uma reestruturação da vida dos indivíduos, em função de lhes permitir exercer livremente, algumas atividades, tanto físicas quanto intelectuais, que os mesmos desejavam exercer, mais não podiam em função dos diversos compromissos que tinham quando estavam empregados. Já em termos negativos, a aposentadoria poderá influenciar a estrutura psíquica dos indivíduos, em função da sensação de inutilidade social, bem como, gerando também uma quebra de sua qualidade de vida, ocasionada pela redução de sua renda.

Cabe salientar também que, para muitos indivíduos, a aposentadoria pode ser apresentada como uma forma de continuidade de vida, a qual é marcada pelo início de uma nova fase de vida, que implica na necessidade de uma reorganização dos seus projetos de vida, possibilitando a realização de alguns sonhos, bem como a chance de se trabalhar em algo prazeroso e gratificante para suas vidas.

Dessa forma, hoje em dia, a fim de minimizar as possíveis perdas ocasionadas pela aposentadoria, bem como permanecerem economicamente ativos, muitos idosos estão optando pela sua reinserção no mercado de trabalho. Porém é sabido, que o mercado de trabalho não está devidamente preparado para recebê-los, seja por preconceitos relacionados com a questão etária, considerando-os inaptos para o desenvolvimento de certas atividades necessárias, e/ou por barreiras culturais relacionadas com as diferenças de opiniões e valores entre idosos e jovens (choque cultural).

Esse possível despreparo do mercado de trabalho para receber esses idosos, favoreça que o empreendedorismo na idade madura possa surgir como uma alternativa na busca por atividades que possam constituir uma fonte de renda extra para os idosos, além de representar uma maneira desses se manterem úteis e ocupados, demonstrando que envelhecer não significa improdutividade e dependência.

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *