Aromaterapia é uma terapia complementar. Não proporciona cura sozinha para doenças,  mas pode ser utilizada como tratamento adjuvante várias condições clínicas. A aromaterapia é uma prática que se utiliza de concentrados voláteis, conhecidos como óleos essenciais. Estes são compostos orgânicos de origem vegetal,formados por moléculas químicas de alta complexidade,que apresentam várias funções químicas, como alcoóis,aldeídos, ésteres, fenóis e hidrocarbonetos, havendo sempre a prevalência de uma ou duas delas e, assim caracterizarão seus aromas. São extraídos das plantas aromáticas pelo processo de destilação ou prensagem de partes desses vegetais, como flores, folhas, sementes, frutos ou raízes e diluídos em diversas concentrações, que dependem da intenção do uso.

O óleo essencial (OE) ativa o sistema do olfato pelo bulbo e nervos olfativos, que propiciam uma ligação direta com o Sistema Nervoso Central, levando o estímulo ao Sistema Límbico, responsável pelo controle da memória, emoção, sexualidade, impulsos e reações instintivas. O restante da quantidade inalada trafega pelo sistema respiratório e chega à corrente sanguínea. Quando a atuação das moléculas ocorre por via cutânea, o óleo essencial é absorvido e transportado pela circulação sanguínea, sendo conduzido até os órgãos e tecidos do corpo. E, finalmente, quando ingeridos, as moléculas dos óleos essenciais são absorvidas pelo intestino e levadas aos diversos tecidos corporais.
As Terapias Complementares são também denominadas Terapias Naturais ou Alternativas e reconhecidas  pela Lei Municipal de São Paulo 13.717, implementada em 2004, como “todas as práticas de promoção de saúde e prevenção de doenças que utilizem basicamente recursos naturais”.São consideradas práticas Alternativas, quando usadas em substituição da Medicina Convencional ou Complementares quando aliadas à técnica médica alopática.

Seu uso tem sido efetivo na redução de:

  • Náuseas
  • Dor e dores no corpo
  • Ansiedade, agitação, estresse e depressão
  • Fadiga e insônia
  • Dores musculares
  • Dores de cabeça
  • Problemas circulatórios
  • Problemas menstruais
  • Problemas da menopausa
  • Alopecia – perda de cabelo

Problemas digestivos podem se beneficiar do óleo de hortelã-pimenta, mas não devem ser ingeridos.

A dor de dente e as feridas na boca podem ser aliviadas pelo óleo de cravo, mas isso também deve ser aplicado topicamente e não ingerido.

– EFEITOS DOS ÓLEOS ESSENCIAIS

  • óleo essencial de manjericão é usado para melhorar a concentração e aliviar alguns dos sintomas da depressão. Pode aliviar dores de cabeça e enxaquecas. Deve ser evitado durante a gravidez.
  • óleo essencial da berinjela é útil para o trato urinário e para o trato digestivo. Quando combinado com óleo de eucalipto pode ajudar a aliviar problemas de pele, incluindo os causados por estresse.
  • óleo essencial de pimenta preta é comumente utilizado para estimular a circulação, dores musculares e contusões. Combinado com óleo essencial de gengibre , é usado para reduzir a dor artrítica e melhorar a flexibilidade.
  • Óleo essencial de camomila indicado para o tratamento de eczemas.
  • óleo essencial de citronela é um parente de citrinos e atua como repelente de insetos
  • óleo essencial de cravo é um analgésico tópico,  que é comumente usado para dor de dente. Também é indicado como antiemético antiespasmódico, para prevenir vômitos e náuseas, e como carminativo, diminuindo a produção de gazes intestinais. Tem propriedades antimicrobianas, antioxidantes e antifúngicas.
  • óleo essencial de eucalipto pode ajudar a aliviar a obstrução das vias aéreas durante um resfriado ou gripe. Pode ser combinado com menta. Algumas pessoas são alérgicas a eucaliptos, por isso cautela em seu uso.
  • Oóleo essencial de gerânio é indicado para problemas de pele, para reduzir o estresse e como repelente de mosquito.
  • óleo essencial de jasmim foi descrito como um afrodisíaco. Embora existam evidências científicas, que demonstraram que o odor do jasmim aumenta as ondas beta, que estão ligadas ao alerta. Como estimulante, pode aumentar o fluxo de sangue peniano.
  • óleo essencial de lavanda é usado como antisséptico para pequenos cortes e queimaduras e para relaxar durante o   Diz-se que alivia a dor de cabeça e sintomas de enxaqueca.
  • óleo essencial de limão é indicado para melhorar o humor e para aliviar os sintomas de estresse e depressão.
  • óleo essencial de alecrim pode promover o crescimento do cabelo, aumentar a memória, prevenir espasmos musculares e apoiar os sistemas circulatório e nervoso.
  • óleo essencial de sândalo acredita-se  ter qualidades afrodisíacas.
  • óleo essencial de tomilho ajuda a reduzir a fadiga, nervosismo e estresse.
  • óleo essencial de Yarrow é usado para tratar sintomas de resfriado e gripe, e para ajudar a reduzir inflamação de articulações .

O óleo pode ser misturado com um “óleo transportador” que dilui o óleo e fornece lubrificação.

Aromaterapia envolve uma abordagem holística, e pode ser indicado para vários fins. Os tratamentos serão direcionados às necessidades físicas e mentais de cada indivíduo. Com base nessas necessidades, o aromaterapeuta pode recomendar um único óleo ou uma mistura.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (NCI), os produtos de aromaterapia não necessitam de aprovação da FDA, desde que não haja alegação de tratamento de uma doença específica.

Cuidados e riscos

Cada óleo essencial tem sua própria composição química e razão para o uso, por isso é importante falar com um aromaterapeuta antes de aplicar ou usar um óleo para fins de tratamento.

Um profissional  pode recomendar e ensinar a usar cada produto, dando instruções apropriadas sobre aplicação ou diluição.

Alguns produtos de beleza e de uso doméstico, como loções, maquiagem e velas, podem ter produtos que podem parecer óleos essenciais, mas são realmente fragrâncias sintéticas.

Como medicamentos, os óleos essenciais devem ser tratados com respeito. É importante procurar conselhos profissionais e seguir as instruções cuidadosamente.

Riscos no uso de óleos essenciais

Uma vez que os óleos essenciais causam reações no corpo, nem todos os óleos podem ser benéficos. Os compostos químicos nos óleos essenciais podem produzir efeitos adversos quando combinados com medicamentos. Eles podem reduzir a eficácia das drogas convencionais, ou podem exacerbar as condições de saúde no indivíduo.

Uma pessoa com pressão alta, por exemplo, deve evitar estimulantes, como o alecrim. Alguns compostos, como o erva-doce, o anis e a sálvia, agem de forma semelhante ao estrogênio, de modo que uma pessoa com tumor de mama ou ovário dependente de estrogênio deve evitá-los.

Os produtos concentrados podem ser venenosos antes da diluição e devem ser manuseados com cuidado. Recomenda-se uma concentração máxima de 5%.

Alguns óleos produzem toxinas que podem causar danos ao fígado, rins e sistema nervoso, especialmente se tomadas internamente. A ingestão de óleos essenciais pode ser perigosa e fatal em alguns casos.

Indivíduos com qualquer umas das seguintes condições devem ser extremamente cuidadosas ao usar aromaterapia:

  • Alergia
  • Asma
  • Eczema ou psoríase

Pessoas com as seguintes condições devem ser extremamente cautelosas:   

Epilepsia

Pressão alta

Se o óleo deve ser misturado com um transportador, o indivíduo deve informar o aromaterapeuta sobre qualquer alergia a eles, porque os óleos transportadores geralmente são obtidos de nozes e sementes.

A aromaterapia pode ter efeitos colaterais, mas estes geralmente são leves e não duram muito.

Eles incluem:

  • Náuseas
  • Dores de cabeça
  • Algumas reações alérgicas

O uso de aroma terapia por mães grávidas ou lactantes não é recomendado.

Durante o primeiro trimestre de gravidez, a aromaterapia pode representar um risco para o desenvolvimento do feto. As mulheres que estão amamentando devem evitar o óleo essencial de menta, pois pode ser transportado no leite materno.

Os óleos essenciais derivados de citros podem tornar a pele mais sensível à luz ultravioleta, aumentando o risco de queimaduras solares.

Alguns óleos podem afetar a função de medicamentos convencionais, para que pessoas que estejam usando sua indicação.

Ao armazenar óleos essenciais, é importante estar ciente de que a luz, o calor e o oxigênio podem afetar a integridade do óleo. Os produtos devem vir de uma fonte respeitada e confiável, para ter certeza da qualidade.

Aromaterapia pode ajudar a aliviar algumas condições, mas deve ser usada corretamente, sob a supervisão de um profissional qualificado.

Fonte:

São Paulo (Cidade). Lei Municipal nº 13.717, de 08 de Janeiro de 2004. Dispõe sobre a implantação das Terapias Naturais na Secretaria Municipal de Saúde, e dá outras providências [Internet]. São Paulo; 2004.
Tisserand R. A arte da aromaterapia. São Paulo: Roca; 1993.
PRICE, SHIRLEY. Aromaterapia para doenças comuns. Editora Manole Ltda, 1999.
KNAAK, Neiva; FIUZA, Lidia Mariana. Potencial dos óleos essenciais de plantas no controle de insetos e microrganismos. Neotropical Biology & Conservation, v. 5, n. 2, 2010.

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background image created by Valeria_aksakova – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *