A capacidade funcional é uma ferramenta utilizada para medir o grau de autonomia e independência da pessoa idosa nas atividades básicas de vida diária (AVD) e atividade de vida instrumental (AIVD), além de considerar os aspectos subjetivos.

Neste contexto, as AVDs incluem basicamente as atividade de auto cuidado, que compreendem: tomar banho, realizar a higiene pessoal, alimentar-se, capacidade para se vestir,  manter a continência, andar ou executar a transferência. E as AIVDs são as atividades mais complexas, abrangem: manuseio de dinheiro, utilização de meios de transporte, efetuar ligações telefônicas, pagar contas, realizar compras, preparar refeições e executar reparos domésticos.

Muitos idosos em determinados momentos de vida, em maior ou menor escala, podem apresentar uma queda na capacidade de realizar atividades cotidianas, no Brasil estamos observando um aumento considerável do numero de idosos, existe uma estimativa que em 2025 o país será o sexto maior em numero de idosos do planeta.

Tendo em vista esse aumento do numero de idosos e os avanços da medicina, atualmente uma pessoa saudável e ativa pode conviver com as patologias se realizar o seguimento adequado em saúde.

Desta maneira, a avaliação da capacidade funcional contribui para olhar ampliado do idoso, pois o processo de envelhecimento saudável não significa ausência de doenças e sim condições oportunas para ter uma vida ativa e satisfatória.

Consideramos processo de envelhecimento saudável, o idoso que se sente satisfeito com a sua vida, que tem sua autonomia e independência preservada, boas condições físicas e mentais e possui rede de apoio social.

Por outro lado a capacidade funcional também nos indica quando o idoso está no processo de envelhecimento patológico, nestes casos os idosos não tem o sentimento de satisfação perante a vida, estão numa condição de dependência para as atividades cotidianas, com limitações físicas e mentais, sem rede de apoio e com grande possibilidade de institucionalização.

Os objetivos da avaliação da capacidade funcional são – verificar indicativos de saúde, manutenção da independência e auxiliar a identificar risco de perda.

A avaliação funcional é um compilado de instrumentos validados que avaliam os mais diversos contextos do ser humano, seu alcance é bio pisco social. Comtemplam testes de rastreio cognitivo, funcional, social e psicológico.

Importante ressaltar que estes testes são apenas indicativos, é necessário posteriormente a realização avalições e intervenções mais dirigidas.

A abordagem com idosos requer uma equipe multiprofissional com propriedade para exercer a clinica ampliada e  olhar para singularidade, subjetividade e também para os variados contextos que o idoso está inserido.

Referências:

AYKAWA, A.C, Neri, L.A.  Capacidade funcional In: _ Palavras chaves em gerontologia, 2ed, Campinas, 2005, p. 29-32.

RAMOS, L. R. Saúde publica e envelhecimento: o paradigma da capacidade funcional. Envelhecimento e saúde . São Paulo, n47, p. 40-41, Jul 2009.

SILVA, T.B.L, NEVES, G.S, ALMEIDA, E.B, SANTOS, F.S. Envelhecimento demográfico e cognitivo e a funcionalidade da população brasileira In: Estimulação cognitiva para idosos, 2 ed, São Paulo, 2018, p 1-8.

Por:

Suhaila A Harati das Neves

CREFITO 9224

Terapeuta Ocupacional

Mestre em gerontologia pela PUC-SP

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People image created by Bearfotos – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *