Um estudo recente buscou identificar o efeito do exercício na capacidade cognitiva (funções mentais como memória, capacidade de realizar tarefas, compreensão entre outros) baseado em estudos anteriores que haviam se demonstrado inconclusivos.

No entanto, este estudo publicado no British Journal of Sports Medicine  foram analisados estudos relacionados a exercícios aeróbicos, treinamentos com pesos, tai chi e yoga.

Para avaliar o impacto dessas intervenções, os pesquisadores analisaram uma série de parâmetros cognitivos, entre eles:

– Capacidade cerebral – cognição global

– Atenção – Vigilância contínua, incluindo a velocidade de processamento da informação.

– Função executiva – incluindo comportamentos orientados a metas

– Memória – armazenamento e recuperação

– Memória de trabalho – a parte da memória de curto prazo que lida com a percepção consciente imediata e processamento de linguagem

A análise da equipe mostrou que o exercício melhorou o poder cerebral de pessoas com 50 anos ou mais, independentemente da sua saúde cerebral no momento do estudo.

Os resultados sugerem que o exercício aeróbio melhorou as habilidades cognitivas, enquanto o treinamento de resistência teve uma influência positiva na função executiva, na memória e na memória de trabalho.

Segundo os pesquisadores, os resultados são fortes o suficiente para recomendar ambos os tipos de exercícios para reforçar a saúde do cerebral em indivíduos de 50 anos ou mais.

De acordo com a análise, uma sessão de intensidade moderada a vigorosa, com duração entre 45 e 60 minutos, é benéfica para a saúde cerebral.

“Os resultados sugerem que um programa de exercícios com componentes de treinamento aeróbio e tipo resistência, de pelo menos intensidade moderada e pelo menos 45 minutos por sessão, em alguns dias por semana, o quanto possível, é benéfico para a função cognitiva em adultos com idade superior a 50 anos.”

Curiosamente, tai chi também foi associado à melhora  da capacidade cognitiva. Isso é fato importante porque, como é  um exercício de baixo impacto, pode ser realizado por pessoas que não poderiam fisicamente lidar com exercícios mais intensos.

No entanto, os autores apontam que esta conclusão foi baseada em apenas um pequeno número de estudos, tornando o achado menos robusto.

Embora haja um grande debate sobre este tema, os cientistas acreditam que há uma série de maneiras que o exercício pode ajudar na prevenção de demências  e outras condições neurológicas degenerativas.

De acordo com os autores do estudo, estes incluem a promoção da neurogênese (crescimento de novo tecido nervoso), angiogênese (crescimento de novos vasos sanguíneos), plasticidade sináptica (a capacidade de sinapses para fortalecer ou enfraquecer ao longo do tempo), diminuição do processo inflamatório, e reduzir  processos, e danos celulares devido à oxidação celular.

Embora os resultados sejam amplamente anunciados como positivos, os autores observam certas limitações ao estudo. Por exemplo, a análise foi limitada a estudos que analisaram o exercício supervisionado, e apenas aqueles que foram publicados na língua inglesa.

Se o exercício físico realmente pode evitar o declínio cognitivo, beneficiará a população em geral.

Este tipo de intervenção pode, naturalmente, ser rentável ou mesmo livre. Se ele tem benefícios em grande escala, poderia ser uma maneira simples de melhorar a vida de milhões de pessoas maduras.

Mesmo que os benefícios cognitivos possam ser pequenos, os benefícios físicos do exercício estão bem estabelecidos – tornando esta prática benéfica para estes indivíduos.

Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/317087.php

Crédito imagem:

<a href=”http://www.freepik.com/free-photos-vectors/sport”>Sport image created by Senivpetro – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *