Enfisema é uma doença pulmonar obstrutiva crônica, onde os alvéolos pulmonares são danificados e perdem a sua elasticidade, resultando em tosse crônica e dificuldade para respirar.

Não há cura, mas parar de fumar pode impedir que o enfisema piore. O fator etiológico mais importante é o tabagismo, que exibe seus efeitos de inúmeras maneiras. Além do fumo, outros poluentes inalados também podem ser responsáveis, como o cloreto de cádmio, óxidos de nitrogênio e fosfigênio. A injeção intravenosa de tabletes de metilfenidato, segundo relatos, provoca enfisema com distribuição nas porções caudais dos pulmões.

Os pulmões são responsáveis por múltiplas funções, sendo a principal servir de local de encontro entre o ar fresco que é inalado e o sangue venoso misto, de modo que a quantidade necessária de oxigênio possa deixar o ar e passar para o sangue e a quantidade apropriada de dióxido de carbono possa se deslocar do sangue venoso para o ar.

No interior dos pulmões, o local onde ocorre o encontro entre ar e sangue, é a membrana alveolocapilar, que é uma estrutura muito delgada (menos de 0,1 micrômetro de espessura) com vasta área de superfície (aproximadamente 70 m2 no adulto) e que permite a passagem dos gases.

A “quantidade apropriada” de trocas gasosas (oxigênio e dióxido de carbono) requer, um intricado mecanismo sensorial que detecta a necessidade de mais ou de menos ar e envia ao cérebro mensagens para aumentar ou diminuir a ventilação, visando adequá-la às necessidades do organismo.

Curiosidades sobre enfisema
  • A maioria dos casos de enfisema se deve ao tabagismo.
  • Falta de ar e tosse são os principais sintomas do enfisema.
  • Os médicos diagnosticam DPOC e enfisema com testes de função pulmonar que medem a capacidade pulmonar.
  • O tratamento inclui medicamentos, uso de inalador, assistência respiratória e possivelmente cirurgia.
  • O tratamento não interrompe ou reverte os danos nos pulmões, mas pode aliviar os sintomas e prevenir ataques.
  • As vacinas podem ajudar a prevenir doenças adicionais que podem se tornar perigosas paralelamente ao enfisema.
O que é enfisema?

Enfisema é um tipo de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Envolve a perda de elasticidade e o aumento dos sacos aéreos no pulmão.

Os alvéolos no final dos bronquíolos do pulmão ficam aumentados porque suas paredes se quebram ou os sacos aéreos são destruídos, estreitados, colapsados, sem elasticidade e inflados demais.

Ter menos alvéolos e os restantes encontrarem-se danificados, faz com que ocorra redução área de superfície para a troca de oxigênio enviado para o sangue.

O dano é permanente, e a capacidade de respirar corretamente não pode ser totalmente recuperada.

Sintomas

Os principais sintomas do enfisema são falta de ar e tosse crônica que aparecem nos estágios iniciais.

O indivíduo  com falta de ar sente-se incapaz de recuperar o fôlego, o que pode começar apenas durante o esforço físico, mas à medida que a doença progride, acontece também durante o repouso.

O enfisema e a DPOC desenvolvem-se ao longo de vários anos.

Nos estágios posteriores da doença pode ocorrer:

  • infecções pulmonares frequentes
  • secreção traqueobrônquica
  • chiado
  • redução do apetite e perda de peso
  • fadiga
  • mucosas azuladas (cianose) e leitos de unhas, devido à falta de oxigênio
  • ansiedade de depressão
  • problemas de sono
  • dor de cabeça matutinadevido à falta de oxigênio.
  • Dificuldade em dormir à noite
Tratamento

O tratamento da DPOC e enfisema visa estabilizar a condição e prevenir complicações através do uso de medicação e terapia de suporte.

A terapia de suporte inclui oxigenoterapia e ajuda na cessação do tabagismo.

Terapia medicamentosa

O principal tipo de medicamento utilizado para a DPOC e enfisema são broncodilatadores inalatórios para alivio dos sintomas.

Ajudam relaxando e abrindo as passagens de ar nos pulmões. Os mais utilizados são:

– Beta-agonistas, que relaxam a musculatura lisa do brônquio e aumentam a depuração mucociliar

  • Anticolinérgicos, ou antimuscarínicos, que relaxam o músculo liso brônquico.

Essas drogas são igualmente eficazes quando usadas regularmente para melhorar a função pulmonar e aumentar a capacidade de exercício.

Existem drogas de ação curta e de longa ação, e estas podem ser combinadas.

A escolha depende de fatores individuais, preferências e sintomas. Drogas corticosteróides, como a fluticasona, também podem ajudar. Os esteróides são inalados como um spray de aerossol. Eles podem ajudar a aliviar os sintomas de enfisema.

Os corticosteróides podem ajudar as pessoas com sintomas mal controlados que experimentam exacerbações regularmente, apesar de usarem um broncodilatador.

– Beta 2 agonistas de curta duração – Salbutamol,  Fenoterol e Terbutalina, indicados nos estágios iniciais da doença.

Os pacientes que continuam a fumar, os corticosteroides não alteram o curso da doença, mas podem aliviar os sintomas e melhorar a função pulmonar a curto prazo em alguns pacientes.

Usados ​​juntamente com broncodilatadores, podem reduzir a frequência de ataques.

No entanto, há um risco a longo prazo de efeitos colaterais que incluem osteoporose e o desenvolvimento de catarata.

Oxigenoterapia

À medida que o enfisema progride e a função respiratória diminui, a respiração independente torna-se mais difícil.

Oxigenoterapia melhora a entrega de oxigênio para os pulmões. O oxigênio pode ser suplementado usando uma variedade de dispositivos, alguns deles para uso doméstico.

A oxigenoterapia pode ser administrada 24 horas por dia ou 12 horas à noite.

Ela prolonga a vida das pessoas com DPOC avançada e enfisema.

Os pacientes serão monitorados quanto à saturação de oxigênio para evitar a toxicidade do oxigênio.

As viagens aéreas podem criar a necessidade de oxigênio suplementar devido à pressão de ar da cabine de voo inferior.

Cirurgia

Pessoas com enfisema grave às vezes são submetidas a cirurgia para reduzir o volume pulmonar ou realizar um transplante de pulmão.

Cirurgia de redução do volume do pulmão remove pequenas cunhas do tecido pulmonar enfisematoso danificado.

O transplante de pulmão melhora a qualidade de vida, mas não a expectativa de vida, para pessoas com enfisema grave.

A terapia medicamentosa ao longo da vida é necessária para evitar que o sistema imunológico rejeite o novo tecido. Um ou ambos os pulmões podem ser transplantados.

Tratamento de exacerbações

As complicações podem ser gerenciadas usando drogas e oxigenoterapia. Antibióticos podem ser indicados em casos de infecção bacteriana.

A maioria das exacerbações é tratada com corticoides, como a prednisona e a oxigenoterapia.

Drogas opioides, podem aliviar a tosse intensa e a dor decorrente da tosse.

Reabilitação pulmonar e gestão do estilo de vida

A reabilitação pulmonar é um programa de atendimento para pessoas com enfisema.

O objetivo é ajudar as pessoas a melhorar seu estilo de vida parando de fumar, seguindo uma dieta saudável e fazendo algum exercício.

Beber muita água pode ajudar a manter as vias aéreas limpas, liberando o muco.

No inverno evitar exposição ao frio, para prevenir espasmos musculares. Um lenço ao redor da boca ou uma máscara facial de ar frio pode ajudar.

Essas mudanças podem não alterar o curso geral da doença, mas podem ajudar as pessoas a viver com a doença e melhorar a capacidade de exercício e a qualidade de vida.

Causas

O tabagismo é responsável por pelo menos 85% dos casos de enfisema e DPOC.

No entanto, nem todos os fumantes irão desenvolvê-lo, apenas aqueles que são geneticamente suscetíveis.

Outras toxinas inaladas que podem levar ao enfisema e à DPOC incluem as relacionadas ao trabalho. Em alguns países, a fumaça da cozinha e do aquecimento é a principal causa.

Outros fatores de risco que contribuem para sua ocorrência incluem:

  • Baixo peso corporal
  • poluição do ar
  • poeira ocupacional, como pó mineral ou pó de algodão
  • produtos químicos inalados, incluindo carvão, grãos, isocianatos, cádmio
  • distúrbios respiratórios da infância, seja uma infecção viral ou possivelmente asma

A exposição à fumaça de cigarro passiva é considerada um contribuinte menor.

Algumas pessoas têm uma deficiência de uma proteína, α1-antitripsina. Este é um fator genético que pode levar a uma forma rara de enfisema.

A α1-antitripsina protege os pulmões contra a destruição do tecido alveolar pela elastase neutrofílica.

Essa deficiência é congênita. As pessoas nascem com isso. Esses indivíduos podem desenvolver enfisema em uma idade relativamente precoce, sem nunca ter fumado.

Fumar, no entanto, acelera enfisema em pessoas que são geneticamente suscetíveis.

Enfisema não é contagioso. Uma pessoa não pode pegar de outra.

Tipos

O enfisema é um tipo de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), e pode ser classificado em diferentes tipos dependendo de qual parte dos pulmões é afetada.

Os diferentes tipos são:

  • parasseptal
  • centilobular, afetando principalmente os lobos superiores; isso é mais comum em fumantes
  • panlobular, afetando as áreas parasseptal e centrolobular
Estágios

Os estágios são baseados no Volume Expiratório Forçado no primeiro segundo (VEF1), que é o volume de ar exalado no primeiro segundo a partir do ponto de máxima inspiração. Os valores médios dependem do sexo e da idade da pessoa. Valores entre 80 e 120% da média são considerados normais.

  • Muito leve ou Fase 1: o VEF1 é cerca de 80% do normal
  • Moderado ou Estágio 2: o VEF1 está entre 50 e 80% do normal
  • Grave ou Fase 3: o VEF1 está entre 30 e 50% do normal
  • Muito grave ou Estágio 4: o VEF1 é menor que no Estágio 3, ou o mesmo do Estágio 3, mas com baixos níveis de oxigênio no sangue

Os estágios ajudam a descrever a condição, mas não conseguem prever por quanto tempo uma pessoa sobreviverá. Seu médico, poderá realizar testes para saber mais sobre a gravidade da condição.

Diagnóstico

Se o paciente nunca fumou, um teste pode ser realizado para verificar se há suspeita deficiência de α1-antitripsina.

Testes de função pulmonar

Os testes de função pulmonar são usados ​​para confirmar o diagnóstico de enfisema, para monitorar a progressão da doença e para avaliar a resposta ao tratamento.

Eles medem a capacidade dos pulmões de trocar gases respiratórios e incluem a espirometria.

A espirometria avalia a obstrução ao fluxo aéreo. São necessárias medidas de acordo com a redução do volume expiratório forçado após o tratamento com broncodilatador.

Neste teste, os pacientes sopram o mais rápido e o mais forte possível em um tubo. O tubo está ligado a uma máquina que mede o volume e a velocidade do ar expelido.

O volume expiratório forçado no primeiro segundo é abreviado para VEF.

Os quatro estágios da DPOC, de leve a grave, são determinados pelo VEF.

Outros testes

Outros testes usados ​​ processo de diagnóstico de DPOC e enfisema incluem:

  • imagem, como radiografia de tórax ou tomografia computadorizada dos pulmões;
  • análise de gases sanguíneos arteriais para avaliar a troca de oxigênio.
Prevenção

Evitar ou parar de fumar é a melhor maneira de prevenir o enfisema ou impedir que ele piore.

Vacinação

A vacinação pode ajudar a evitar que a DPOC e o enfisema piorem. É necessária a imunização anual contra a gripe.

Nutrição

Uma dieta saudável com muitas frutas frescas, vegetais e cereais integrais e uma baixa ingestão de gordura e açúcar é importante.

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People image created by Kjpargeter – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *