Um grupo de pesquisadores – relataram suas descobertas no periódico Quality of Life Research – os mesmos estudaram o efeito de 9 meses de treinamento de resistência no funcionamento psicológico em um grupo de idosos não muito ativos. Neste grupo foram aplicados exercícios de fortalecimento muscular que usam pesos e bandas de resistência – no bem-estar psicológico em oposição ao físico nesta faixa etária.

Estudos afirmam que pessoas maduras fisicamente ativas tendem a viver mais tempo e têm taxas mais baixas de muitas doenças não transmissíveis, como a diabetes tipos 2, hipertensão arterial doenças cardíacas e alguns tipos de câncer. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), idosos fisicamente ativos têm níveis mais elevados de aptidão física e uma composição corporal mais saudável.

A OMS recomenda que pessoas saudáveis de 65 anos ou mais tenham pelo menos 150 minutos por semana de atividade física aeróbica moderada, em episódios de pelo menos 10 minutos de cada vez e se possível em 2 ou mais dias por semana, se engajar em fortalecimento muscular ou treinamento de resistência, que envolve os principais grupos musculares.

O estudo acima investigou o efeito de 9 meses de treinamento de resistência freqüente – isto é, exercícios de fortalecimento muscular que usam pesos e bandas de resistência – no bem-estar psicológico em oposição ao físico nesta faixa etária.

A importância do treinamento de resistência para a força muscular e o funcionamento físico em adultos maduros é bem conhecida de acordo com a pesquisadora  doutora Tiia Kekäläinen.

A equipe de pesquisadores recrutou 106 pessoas saudáveis entre 65 e 75 anos, cujo nível de atividade física aeróbica era abaixo do recomendado pela OMS. Nenhum deles havia treinado fortalecimento muscular antes.

Eles atribuíram aleatoriamente aos participantes de quatro grupos: três grupos de treinamento de resistência e um grupo não treinador (que foi chamado de controle). Todos os grupos de treinamento foram submetidos à familiarização e prática no treinamento de resistência duas vezes por semana durante 3 meses.

Após o período de familiarização, os três grupos de treinamento continuaram com treinamento de resistência progressiva por mais 6 meses. Um grupo praticou isso uma vez por semana, outro duas vezes por semana e o terceiro, três vezes por semana.

Os participantes forma então submetidos a avaliações do funcionamento psicológico três vezes ao longo do estudo que durou 9 meses: na linha de base (mês 0), após a conclusão de 3 meses de familiarização no treinamento de resistência (mês 3) e no final de 6 meses de treinamento de resistência progressiva ( mês 9).

Os sujeitos forneceram informações sobre seus níveis de atividade física aeróbia nestes momentos e foram submetidos a avaliações de força física.

As avaliações do funcionamento psicológico incluíram medidas de: qualidade de vida (utilizando um questionário da OMS); senso de coerência (usando uma escala Antonovsky); e sintomas de depressão (usando o questionário de depressão Beck).

Ao utilizar o questionário de qualidade de vida indivíduos foi questionado, como os participantes percebem sua posição na vida em relação às suas expectativas, objetivos, preocupações e padrões no contexto de seu sistema de cultura e valores.

Neste questionário foram avaliados quatro domínios de qualidade de vida: físico, psicológico, social e ambiental. Destes domínios, observaram os pesquisadores, especialmente o domínio físico tende a diminuir com a idade”.

Já o sentido da coerência é um conceito que originalmente foi proposto pelo sociólogo Aaron Antonovsky várias décadas atrás. A teoria da salutogênese define a saúde como sendo mais do que apenas a ausência de doença. Ele propõe que a saúde seja uma posição em um espectro que tenha “facilidade” em uma extremidade, e “desilusão” na outra.

De acordo com Antonovsky, o sentido de coerência é uma “orientação para a vida” que reflete a forma como as pessoas se veem capazes de tornar suas vidas “significativas, gerenciáveis e compreensíveis”.

Os pesquisadores neste novo estudo sugerem que a sensação de coerência pode, portanto, “ser vista como um recurso de saúde, porque revela como as pessoas percebem a vida e usam seus recursos para lidar com estressores”.

O domínio ambiental no questionário sobre qualidade de vida busca medir a satisfação das pessoas com seu ambiente, segurança física e a facilidade com que podem “acessar diferentes serviços”, como “atividades de lazer, serviços de saúde e transporte público”.

Os resultados da pesquisa mostraram que, no mês 3, a qualidade de vida ambiental melhorou nos grupos de treinamento de resistência em comparação com o grupo de controle (não treinamento).

No final dos 3 meses de treinamento de resistência, houve uma ligeira melhoria no sentido da coerência nos grupos de treinamento em comparação com os controles. No entanto, isso não foi estatisticamente significante.

O que foi significativo foi a melhora no sentido de coerência após 9 meses de treinamento de resistência, embora isso tenha sido visto apenas no grupo que treinou duas vezes por semana.

A equipe sugere que talvez a sensação de coerência demore mais a desenvolver e que o treinamento de resistência tenha um efeito neste domínio precisa ser maior do que 3 meses.

Os resultados sugerem que a capacidade dos idosos para gerenciar seu meio ambiente e vida pode ser melhorada pelo treinamento de resistência.

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/320161.php

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People image created by Pressfoto – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *