VÔMITOS

O ato de vomitar é um processo complexo e envolve atividade coordenada dos músculos respiratórios e abdominais, bem como dos músculos do trato gastrintestinal (estômago e intestino).

As causas determinantes do vômito (ou êmese) são várias: estado emotivo, nervosismo, depressão, inicio da gravidez, cinetose, presença de tumores encefálicos ou efeito colateral de muitos medicamentos.

Mecanismo reflexo do vômito

A regulação cerebral do vomito é realizada em duas unidades separadas do sistema nervoso central – centro do vomito e zona de gatilho quimiorreceptora (ZGQ).

A ZGQ é sensível a estímulos químicos e constitui o local de ação de certas drogas que estimulam o vomito, e está localizado no cérebro.

Os sinais vindos da ZGQ passam para o centro do vômito (tambem localizado no cérebro), que controla e integra as atividades de certos locais no organismo envolvidos no vômito.

O vomito pode ser desencadeado por uma variedade de neurotransmissores (substâncias químicas que conduzem impulsos nervosos no nosso organismo) e, os principais são a acetilcolina, histamina, serotonina e dopamina.

A identificação dos diferentes neurotransmissores envolvidos no vômito permitiu o desenvolvimento de grupos distintos de drogas antieméticas que possuem afinidade por vários receptores.

Com frequencia, são utlizadas associações de fármacos antieméticos com diferentes maneiras de agir.

FÁRMACOS ANTIEMÉTICOS

São utilizados diferentes agentes antieméticos para condições diferentes, sendo eles importantes como adjuvantes na quimioterapia do câncer a fim de combater as náuseas e vômitos provocados por numerosas drogas utilizadas para combater esta doença.

A maioria dos antieméticos agem diminuindo a atividade do centro do vômito (localizado no cérebro), através de diferentes maneiras.

1- Antagonistas (bloqueadores) dos receptores H1 ou Anti-histamínicos

Os anti-histamínicos H1 são eficazes contra alguns tipos de vômitos, devendo ser administrados cerca de 30 minutos antes da condição determinante do vômito, como cinetoses (enjoo provocado por viagens).

Estas drogas exercem pouca ou nenhuma atividade contra os vômitos produzidos por substâncias que atuam diretamente sobre a ZGQ, porém são eficazes na cinetose e contra vômitos causados por substâncias que atuam localmente no estômago.

Os fármacos pertencentes a esta classe são: prometazina (Fenergan®), meclizina (Meclin®), dimenidrinato (Dramin®), difenidramina (Notuss®) e clorfeniramina (Polaramine®).

Como efeitos colaterais podemos citar tonturas, tinido (zumbido nos ouvidos) e fadiga.

A administração de doses excessivas pode causar excitação e produzir convulsões em crianças.

Outros efeitos que podem aparecer são ressecamento da boca, visão embaçada, constipação intestinal e retenção urinária.

2- Antagonistas de receptor dopaminérgico

Estes fármacos atuam na ZGQ, impedindo que agentes químicos determinantes dos estados nauseantes exerçam sua ação.

Estes fármacos inibem os receptores de dopamina presentes no sistema nervoso central, no centro do vomito e na ZGQ, onde produzem o seu efeito antiemético.

Os fármacos representantes deste grupo são: metoclopramida (Plasil®), flufenazina, bromoprida (Digesan®) e domperidona (Motilium®).

Os efeitos colaterais destas drogas estão relacionados com o bloqueio dos receptores da dopamina em outras areas do sistema nervoso central.

Este bloqueio resulta em distúrbios de movimento, sonolência e fadiga. Entretanto, em outros pacientes é provocado agitação, torcicolo e crises oculógiras (movimentos involuntários rápidos dos olhos).

A metoclopramida estimula a liberação de prolactina, podendo causar galactorréia (secreção de leite) e distúrbios de menstruação. Além disso, este fármaco tambem aumenta a motilidade do estômago e intestino, o que contribui para seu efeito antiemetico, mas pode causar diarréia no indivíduo.

3- Antagonistas dos receptores de serotonina

Nos últimos anos grupo de compostos conhecidos como antagonistas dos receptores da serotonina, trouxe avanços importantes no tratamento da êmese associada a quimioterapia, radioterapia e vômito pós-operatório.

Os receptores da serotonina estão localizados na ZGQ e em células especializadas no trato gastrintestinal, tendo um papel importante na indução de náuseas e vômitos.

A provável maneira de agir destes fármacos é o bloqueio dos receptores da serotonina localizados na ZGQ.

Estes fármacos são muito utilizados para o tratamento de êmese induzida pela quimioterapia antineoplásica. Eles também são muito eficazes contra êmese da gravidez e no alívio da náusea pós-operatória.

Os fármacos pertencentes a esta classe são: ondansetron (Zofran®, Vonal®), granisetron, dolasetron, palonesetron, ramosetron e tropisetron.

Como efeitos colaterais podemos considerar cefaléia, diarréia, constipação e sedação.

Espero que tenham gostado desta pequena informação…

Abraços medicinais…

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *