O cérebro é a central de controle do nosso corpo, repositório de memórias e emoções. Ao longo da história, os filósofos acreditavam que o cérebro poderia abrigar aquela essência intangível que nos torna humanos – a alma.

O principal componente do sistema nervoso humano, o cérebro administra a maioria das atividades e processa as informações recebidas de dentro e de fora do corpo é a sede das emoções e habilidades cognitivas, incluindo o pensamento, a longo e curto prazo memória e tomada de decisão.

A primeira menção desse órgão foi registrada em um tratado médico egípcio antigo conhecido como “papiro cirúrgico de Edwin Smith”, em homenagem ao homem que descobriu esse documento em 1800.

Desde então, nossa compreensão do cérebro expandiu-se imensamente, embora ainda enfrentemos muitos mistérios em torno desse órgão-chave.

Vamos então conhecer alguns dos fatos mais importantes sobre o cérebro – e alguns aspectos que ainda precisam ser entendidos.

  1. Qual o tamanho do cérebro?

O tamanho do cérebro varia muito para cada indivíduo, dependendo em grande parte da idade, sexo e massa corporal total. No entanto, estudos sugeriram que o cérebro masculino adulto pesa, em média, cerca de 1.336 gramas, enquanto o cérebro feminino adulto pesa cerca de 1.198 gramas.

Em termos de dimensões, o cérebro humano não é o maior. De todos os mamíferos, o cachalote – um habitante subaquático pesando umas impressionantes 35-45 toneladas – é conhecido por ter o maior cérebro.

Mas, de todos os animais da Terra, os cérebros humanos possuem o maior número de neurônios, que são células especializadas que armazenam e transmitem informações por sinais elétricos e químicos.

Acredita-se que o cérebro humano tenha aproximadamente 100 bilhões de neurônios, mas investigações recentes questionaram a veracidade desse número.

  1. Qual a função do cérebro?

O Encéfalo humano compõe, ao lado da medula espinhal, o sistema nervoso central e se divide em três partes:

  • Tronco encefálico, que, como a parte aérea de uma planta, é alongado, e que conecta o resto do cérebro com a medula espinhal. Localizado na parte inferior do encéfalo, o tronco encefálico conduz os impulsos nervosos do cérebro para a medula espinhal e vice-versa.
  • Cerebelo, que está localizado na parte de trás do cérebro e que está envolvido na regulação do movimento, no aprendizado motor e na manutenção do equilíbrio.
  • Cérebro que é a maior parte do Encéfalo e preenche a maior parte do crânio; abriga o córtex cerebral (que tem um hemisfério esquerdo e direito separado por um longo sulco) e outras estruturas menores, as quais são variavelmente responsáveis ​​pelo pensamento consciente, tomada de decisão, memória e processos de aprendizagem, comunicação e percepção de estímulos externos e internos.

O cérebro é composto de tecido mole, que inclui matéria cinzenta e branca, contendo as células nervosas – neurônios –  e pequenos vasos sanguíneos. Tem alto teor de água, bem como uma grande quantidade (quase 60%) de gordura.

O cérebro do homem moderno – Homo sapiens – é globular, ao contrário dos cérebros de outros primeiros hominídeos, que eram ligeiramente alongados nas costas. Essa forma sugerem alguns estudos, pode ter se desenvolvido no Homo sapiens há cerca de 40.000 a 50.000 anos.

  1. Como o cérebro se alimenta?

Apesar do cérebro humano não ser um órgão muito grande, seu funcionamento requer muita energia.

O cérebro [humano] pesa apenas 2% do corpo [massa], ele sozinho usa 25% de toda a energia que o corpo necessita para funcionar por dia.

E por que o cérebro precisa de tanto “combustível”? Com base em estudos de modelos de ratos, alguns cientistas levantaram a hipótese de que, embora a maior parte dessa energia seja gasta na manutenção de pensamentos e processos corporais em andamento, uma dela é provavelmente investida na manutenção da saúde das células cerebrais.

Mas, de acordo com alguns pesquisadores, à primeira vista, o cérebro, aparentemente inexplicavelmente, consome muita energia durante o que é conhecido como “estado de repouso”, quando não está envolvido em nenhuma atividade direcionada específica.

Isso pode ocorrer, pois, as redes correlacionadas de inatividade aparecem mesmo sob anestesia, e essas áreas têm taxas metabólicas muito altas, inclinando o orçamento de energia do cérebro para um grande investimento no organismo que não faz nada.

  1. Quanto utilizamos de nossa capacidade cerebral?

Um mito de longa circulação diz que os humanos normalmente usam apenas 10% de sua capacidade cerebral, sugerindo que, se soubéssemos como “invadir” os outros 90%, poderíamos ser capazes de desbloquear habilidades incríveis.

A ideia de que usamos apenas 10% do nosso cérebro é um mito. Na verdade, usamos a maioria do nosso cérebro praticamente o tempo todo.

Embora ainda não esteja claro exatamente onde esse mito se originou e como ele se espalhou tão rapidamente, a ideia de que poderíamos de alguma forma explorar o poder do cérebro ainda não reclamado é certamente muito atrativa.

Varreduras cerebrais mostraram que usamos praticamente toda área cerebral o tempo todo, mesmo quando estamos adormecidos – embora os padrões de atividade e a intensidade dessa atividade possam diferir dependendo do que estamos fazendo e do estado do cérebro.

  1. Qual lado do cérebro e mais importante – direito ou esquerdo?

Esta resposta tem implicações sobre a personalidade: supostamente, as pessoas de cérebro esquerdo devem ser mais matematicamente inclinadas e analíticas, enquanto as pessoas de cérebro direito são mais criativas.

Mas como isso é verdade? Mais uma vez a resposta, receio, se inclina “de maneira alguma”. Embora seja verdade que cada um dos nossos hemisférios tem papéis ligeiramente diferentes, os indivíduos não têm um lado cerebral “dominante” que governe sua personalidade e suas habilidades.

Em vez disso, a pesquisa revelou que as pessoas usam ambos os hemisférios do cérebro praticamente em igual medida.

No entanto, o que é verdade é que o hemisfério esquerdo do cérebro está mais preocupado com o uso da linguagem, enquanto o hemisfério direito é mais aplicado às complexidades da comunicação não-verbal.

  1. O cérebro envelhece?

À medida que envelhecemos, partes do cérebro começam a encolher naturalmente e começa a perder gradualmente os neurônios. O lobo frontal e o hipocampo – duas regiões-chave do cérebro na regulação dos processos cognitivos, incluindo a formação e recordação da memória – começam a encolher à partir dos 60 anos.

À medida que envelhecemos, começamos a perder neurônios. Mas novas pesquisas sugerem que cérebros adultos também podem gerar novas células.

Isso significa que podemos naturalmente começar a aprender coisas novas ou realizar várias tarefas ao mesmo tempo, mais desafiadoras do que antes.

Há boas notícias, também. Até pouco tempo atrás, os cientistas acreditavam que, uma vez que começássemos a perder neurônios, seria isso – não seríamos capazes de criar novas células cerebrais e teríamos que nos resignar a isso.

No entanto, acontece que isso não é verdade. A pesquisadora Sandrine Thuret, do King’s College de Londres, no Reino Unido, explicou que o hipocampo uma parte crucial do cérebro adulto pode sofre renovação celular em um processo denominado neurogênese as estimativas sugerem que um ser humano adulto médio irá produzir “700 novos neurônios por dia no hipocampo”.

  1. A percepção é “uma alucinação controlada?”

Um grande mistério do cérebro humano está ligado à consciência e à nossa percepção da realidade. O funcionamento da consciência fascinou cientistas e filósofos, e embora nos aproximemos lentamente de uma compreensão desse fenômeno, ainda há muito a aprender.

De acordo com pesquisadores esse processo intrigante se baseia em uma espécie de “alucinação controlada”, que nossos cérebros geram para fazer sentido do mundo.

A percepção – descobrir o que está lá – tem que ser um processo de adivinhação informada em que o cérebro combina esses sinais sensoriais com suas expectativas anteriores de crenças sobre a forma como o mundo é para formar a melhor suposição do que causou esses sinais.

Apesar dos muitos avanços em pesquisa e tecnologia clínica, muitas questões sobre o cérebro permanecem sem resposta. Por exemplo, ainda não entendemos como uma informação complexa é processada no cérebro.

Então, da próxima vez que você escolher uma flor e cheirar ou escolher uma maçã no  mercado, reserve um momento para reconhecer como é verdadeiramente maravilhoso cada uma de suas menores ações que são processadas pelo seu cérebro.

Créditos imagem:

<a href=”https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/fundo”>Fundo fotografia desenhado por Freepik</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *