Queratose acnítica é uma mancha pequena e áspera que pode ocorrer na pele exposta ao sol, sendo também conhecidas como queratoses solares. Estas manchas ocorrem mais comumente em pessoas de pele clara após anos de exposição ao sol.

Locais comuns para queratoses actínicas são face, couro cabeludo, orelhas, parte de trás do pescoço, parte superior do tórax, bem como o dorso das mãos e antebraços.

Estas manchas são lesões superficiais muito finas que não penetraram nas camadas mais profundas da pele; e sua presença podem aumentar o risco de câncer de pele.

Estas lesões displásicas de queratinócitos ficam confinadas à epiderme. A sua apresentação clínica consiste caracteristicamente em máculas, pápulas ou placas de superfície rugosa, descamativa e com base eritematosa difusa presentes em áreas mais expostas ao sol.

A queratose actínica pode ser diagnosticada pelo exame físico. O principal fator de risco para o desenvolvimento de QA é a exposição solar cumulativa, razão pela qual a distribuição destas lesões está geralmente confinada a locais foto expostos. São fatores de risco igualmente importantes a idade avançada (> 40 anos), sexo masculino, exposição a arsénio, exposição a radiação ionizante, inflamação cutânea crónica, proximidade ao equador e imunossupressão crônica, entre outros.

Por ser cumulativos os efeitos da radiação UV indivíduos idosos mais são as mais suscetíveis a desenvolver queratoses actínicas, no entanto em  casos raros, podem acometer pessoas mais jovens que têm propensão a desenvolver queratose, como indivíduos com sistema imunológico enfraquecido por quimioterapia, AIDS, transplantes ou por exposição excessiva à radiação solar.

A ceratose actínica, em geral, se apresenta como uma lesão avermelhada e áspera localizada frequentemente no rosto, nas orelhas, nos lábios, no dorso das mãos, no antebraço, nos ombros, no colo e no couro cabeludo de pessoas calvas ou em outras áreas do corpo expostas ao sol. As lesões na maioria das vezes tem tamanho pequeno e podem ser múltiplas, são mais palpáveis que visíveis e podemos percebê-las passando suavemente as mãos nas áreas expostas ao sol e perceber alguns pontos ásperos ao toque. Algumas são similares às verrugas e podem apresentar diferentes aspectos, dependendo da localização. As queratoses actínicas geralmente variam em tamanho entre 2-6 mm de diâmetro (entre o tamanho de uma ponta de lápis e a de uma borracha). Eles são geralmente de cor avermelhada, com uma textura áspera e muitas vezes têm uma escala branca ou amarelada no topo, em alguns casos pode apresentar dor quando tocada.

Tratamento

O melhor tratamento para queratose actínica é a prevenção. Para indivíduos de pele clara, deve-se minimizar a exposição ao sol. No momento em que as queratoses actínicas se desenvolvem, no entanto, a radiação ultravioleta relevante é frequentemente tão antiga que as medidas preventivas prudentes desempenham um papel relativamente pequeno. Felizmente, os métodos de tratamento geralmente são simples e diretos como a:

– Criocirurgia : Congelamento das lesões com nitrogênio líquido

– Laser de dióxido de carbono (CO) ou érbio: granada de ítrio-alumínio.

– Cremes à base de 5-fluorouracil (5-FU) : Os cremes que contêm este medicamento fazem com a queratose  se tornem vermelha e inflamada antes de caír. Embora eficaz, esse método geralmente produz uma pele estranha e desconfortável por um período de semanas, tornando-se impraticável para muitos pacientes. Este método é melhor para os pacientes que têm uma grande quantidade de danos causados ​​pelo sol e muitas queratoses.. Uma vez que a pele cicatriza, muitas vezes parece muito mais suave e uniforme.

– Imiquimod (Aldara) : Este estimulador imunológico que atua  estimulando o sistema imune para produzir interferon, um agente químico que destrói lesões pré-cancerosas e alguns cânceres de pele superficiais. Algumas pessoas podem apresentar vermelhidão, ulcerações e dor durante o tratamento, geralmente as lesões cicatrizam de forma espontânea, ou em alguns casos com auxílio de outros medicamentos.

– Ingenol mebutate (Picato) : É derivado da seiva de uma planta do gênero Euphorbia , que está relacionada com as plantas de poinsétia que são populares na época do Natal.   É uma opção terapêutica que tem efeito citotóxico sobre as células neoplásicas. É útil no tratamento de pequenas áreas, mas causa irritação significativa.

– Terapia fotodinâmica (TFD) : Esta terapia envolve a aplicação de um agente (ácido aminolevulínico [Levulan] ou ALA) que sensibiliza a pele à luz, deixando-a por cerca de uma hora e, em seguida, expondo a pele à luz que ativa a substância. Esta luz azul é absorvida pelo composto, liberando a energia como o calor que se acredita destruir as queratoses actínicas. Como o 5-FU e o imiquimod, a terapia fotodinâmica funciona melhor para pacientes com muitas queratoses. Os pacientes precisam evitar a exposição ao sol ou à luz fluorescente intensa por dois dias após o tratamento para evitar a descamação de pele contínua.

– Peelings químicos superficiais usando ácido tricloroacético (TCA) também podem ser eficazes. Este procedimento é realizado no consultório do médico.

Fonte:
  1. MENEZES, Nuno. Evidências clínicas de campo de cancerização associado às queratoses actínicas-Dados da microscopia confocal. Revista da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia, v. 73, n. 2, p. 237-244, 2015.
  2. RSTOM, Silvia Arroyo et al. Avaliação da ação de creme contendo fotolíase em lipossomas e filtro solar FPS 100 na queratose actínica da face: estudo clínico, dermatoscópico e por microscopia confocal. Surg Cosmet Dermatol, v. 6, p. 226-231, 2014.
  3. CHUNG, Man-Chin et al. Latentiation and advanced drug transport forms. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 41, n. 2, p. 155-180, 2005.

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *