Quem já não ficou confinado em casa por dias, ou mesmo semanas, por uma temida gripe ou outro tipo de doença. Quando finalmente podemos sair, a sensação de bem estar é maravilhosa. E para indivíduos idosos, esse ato aparentemente simples pode salvar vidas.

Uma nova pesquisa, descobriu que pessoas idosas saem de casa todos os dias, são mais propensas a viver mais do que aquelas que permanecem em ambientes fechados, independentemente do estado de saúde ou da capacidade funcional.

O autor principal do estudo, o Dr. Jeremy Jacobs, do Hadassah Hebrew-University Medical Center em Israel, e colaboradores recentemente relataram essas descobertas no Journal of the American Geriatrics Society .

De acordo com o estudo, cerca de 2 milhões idosos Estados Unidos raramente ou nunca deixam suas casas, principalmente devido a dificuldades funcionais.

Não só isso tem implicações para a sua saúde física – por falta de exercício, por exemplo -, mas também pode prejudicar a saúde psicológica. Este estudo mostrou que pessoas confinadas em suas casas são mais propensas a desenvolver depressão, ansiedade e outras doenças mentais.

Para o estudo, o Dr. Jacobs e colaboradores decidiram investigar se a frequência com que o idoso deixa sua casa pode estar associada à mortalidade.

Ficar dentro de casa ligado a um maior risco de morte

A pesquisa teve uma amostra de 3.375 adidosos entre 70 e 90 anos. Todos os matriculados no Estudo Longitudinal de Jerusalém de 1990-2015.

Como parte do estudo, os participantes preencheram questionários sobre a frequência com que deixaram suas casas a cada semana. Eles foram divididos em três grupos, com base em suas respostas: diariamente (seis a sete vezes por semana), muitas vezes (duas a cinco vezes por semana) e raramente (menos de uma vez por semana).

A mortalidade entre os participantes foi avaliada entre os anos de 2010 a 2015.

Os pesquisadores descobriram que os idosos que deixaram suas casas diariamente estavam com o menor risco de morte, enquanto aqueles que raramente deixavam suas casas apresentaram maior risco de mortalidade.

O que é interessante é que a sobrevivência melhorada associada à saída da casa frequentemente também foi observada entre pessoas com baixos níveis de atividade física e até com mobilidade reduzida. Os indivíduos resilientes permanecem envolvidos, independentemente de suas limitações físicas”.

Essas descobertas também permaneceram após o reconhecimento do status social dos participantes e outras condições médicas, incluindo deficiência visual, diabetes, doença cardíaca, hipertensão arterial, e doença renal crônica.

Embora os motivos precisos por trás dessas descobertas não tenham sido explorados no estudo, os cientistas observam que sair da casa frequentemente dá aos adultos mais velhos a chance de se envolver com o mundo exterior.

Estudos anteriores mostraram que as pessoas que passam mais tempo ao ar livre – particularmente em ambientes naturais – podem sofrer níveis mais baixos de estresse e melhorar a saúde física e mental.

E o melhor estar ao ar livre proporciona maiores oportunidades de interação social, e melhor saúde geral e bem-estar em idosos.

Então, parece que simplesmente sair para conversar com o vizinho ou fazer uma rápida viagem ao supermercado local poderia fazer muito bem para a saúde na maturidade.

 

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/320158.php

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People image created by Daviles – Freepik.com</a>

 

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *