A tireoidite de Hashimoto, é um distúrbio autoimune onde ocorre inflamação da glândula tireoide e é a causa mais comum de hipotireoidismo – baixos níveis de hormônio tireoidianos no sangue.

Os sintomas e sinais da tireoidite de Hashimoto geralmente se assemelham aos do hipotireoidismo e costumam ser sutis. Eles não são específicos (o que significa que podem imitar os sintomas de muitas outras condições) e são frequentemente atribuídos ao envelhecimento.  Pacientes com hipotireoidismo leve podem não apresentar sinais ou sintomas. Os sintomas geralmente se tornam mais evidentes à medida que a condição se agrava, e a maioria dessas queixas está relacionada a uma desaceleração metabólica do corpo. .Os sinais e sintomas da tireoidite de Hashimoto são os mesmos do hipotireoidismo e incluem

    • Sensação de frio
    • Depressão
    • Pele seca
    • Depressão
    • Obstipação intestinal
    • Aumento de colesterol
    • Fadiga
    • Sonolência
    • Ganho de peso

A tireoidite de Hashimoto é diagnosticada por exames de sangue que medem a função da glândula tireoide e na identificação de  anticorpos contra proteínas encontradas na glândula tireoide.

Como a tireoidite de Hashimoto é um distúrbio autoimune, não pode ser prevenida, o corpo promove uma reação imunológica contra o tecido da glândula tireoide, levando à inflamação da glândula (tireoidite). A tireoide é uma glândula em forma de borboleta localizada na parte inferior do pescoço, abaixo do pomo de Adão. A glândula tireoide envolve a traqueia e tem uma forma semelhante a uma borboleta – formada por duas asas ou lóbulos (lóbulos) e é fixada por uma parte do meio.

O prognóstico para alguém com tireoidite de Hashimoto é excelente com o tratamento adequado.

A condição foi nomeada após o Dr. Hakaru Hashimoto, o médico que a descreveu em 1912.

À medida que o hipotireoidismo se torna mais grave, pode haver inchaço ao redor dos olhos, diminuição da frequência cardíaca, queda da temperatura corporal e insuficiência cardíaca. Na forma mais grave da doença, o hipotireoidismo pode evoluir ao coma mixedematoso uma condição grave que pode levar a morte.  Esta condição requer hospitalização e tratamento imediato com hormônio tireoidiano.

As pessoas com tireoidite de Hashimoto frequentemente experimentam inicialmente uma fase hipertireoidiana (excesso de hormônio tireoidiano), chamada de hashitoxicose, pois o hormônio tireóideo sai da glândula danificada quando é destruído. Eventualmente, eles se tornam hipotireoideanos.

Outros sintomas e sinais incluem:
  • Inchaço da glândula tireoide (devido à inflamação), que pode causar uma sensação de aperto ou plenitude na garganta
  • Um dema da glândula tireoide que fica aumentada chamada bócio
  • Dificuldade de deglutição de sólidos ou líquidos devido ao aumento da glândula tireoide com compressão do esôfago.
Diagnóstico

É feito através da avaliação dos sintomas e as queixas comumente observadas no hipotireoidismo, exame cuidadoso do pescoço para procurar o aumento da glândula tireoide além de um histórico detalhado dos membros da família. Os exames de sangue são essenciais para diagnosticar a tireoidite de Hashimoto. Exames de sangue específicos determinam o nível da função tireoidiana.

Durante o estágio inicial da tireoidite, os níveis dos hormônios tireoidianos (T3 e T4) podem estar normais. Com o hipotireoidismo crônico, os níveis do hormônio tireoidiano caem e o nível do hormônio estimulante da tireóide (TSH) se torna alto.

Tratamento

Não há cura para a tireoidite de Hashimoto. O período de tempo que o processo autoimune e a inflamação continuarão não é previsível. Na grande maioria dos pacientes, o hipotireoidismo resulta do processo inflamatório.

O tratamento de escolha para a tireoidite de Hashimoto é tipicamente T4 sintético ou tiroxina (levotiroxina) mais conhecidos como Synthride, Levothroid e Levoxyl. A medicação será utilizada  por toda a vida, e o tratamento bem sucedido alivia os sintomas e sinais de hipotireoidismo. Sem medicação, há muito pouca chance de a tireoide ser capaz de manter os níveis hormonais dentro da faixa normal, e os sintomas e sinais de hipotireoidismo irão voltar e poder complicar A dose de levotiroxina pode precisar ser modificada após a verificação dos níveis de TSH uma vez por ano.

Fonte:

CAMBOIM, Denise Cruz et al. Carcinoma papilífero da tireoide associado à tireoidite de Hashimoto: frequência e aspectos histopatológicos. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 45, n. 1, p. 75-82, 2009.

HÖFLING, Danilo Bianchini et al. Importância da ecogenicidade da tireóide no diagnóstico da tireoidite crônica auto-imune. Radiologia Brasileira, v. 41, n. 6, p. 409-417, 2008.

SILVA, Regina do Carmo. Importância da avaliação da função tireoidiana em pacientes com diabetes mellitus. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 49, n. 2, p. 180-182, 2005.

Créditos imagem

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People image created by Bearfotos – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *