Há muito tempo, acredita-se que algumas pessoas têm genes diferenciados, o que as predispõe a viver vidas mais longas. Um grande novo estudo, no entanto, questiona a precisão dessa teoria.

Cientistas da Calico Life Sciences, uma empresa de pesquisa e desenvolvimento – em colaboração com colegas da Ancestry, um recurso de genealogia online – analisaram, recentemente dados de milhões de pessoas para determinar se a composição genética realmente tem um papel crucial na longevidade.

A equipe de pesquisadores, analisou as árvores genealógicas de mais de 400 milhões de pessoas, e descobriram que os genes têm um impacto menor em no tempo uma pessoa pode esperar viver, do que os cientistas acreditavam anteriormente.

As descobertas aparecem agora no GENETICS , o jornal da Sociedade Americana de Genética.

Os pesquisadores usaram dados do site da Ancestry e focaram na hereditariedade, que mede até que ponto as especificidades genéticas explicam as diferenças nas características individuais das pessoas.

Eles queriam avaliar a herdabilidade da expectativa de vida humana – ou seja, se o fato de os pais de uma pessoa ter vida longa poderia influenciar a própria vida dela.

Além disso, os cientistas queriam ver se as previsões de longevidade dependeriam predominantemente da composição genética ou de outros fatores.

A parceria com a Ancestry permitiu que este novo estudo obtivesse insights mais profundos usando um conjunto de dados muito maior do que qualquer estudo anterior de longevidade.

Segundo a equipe, estimativas anteriores indicaram que a herdabilidade da vida humana variou entre 15 e 30%.

Depois de olhar para um conjunto cuidadosamente selecionado de árvores genealógicas e informações relevantes coletadas de mais de 400 milhões de pessoas pesquisadas pela Ancestry – a maioria das quais era descendente de europeus moradora nos Estados Unidos – os investigadores identificaram uma história diferente.

Os cientistas combinaram modelagem matemática e estatística e analisaram os dados de parentes nascidos ao longo do século XIX e início do século XX. Eles viram que os irmãos e primos de primeiro grau mostraram as mesmas estimativas de herdabilidade que os estudos anteriores haviam dado.

No entanto, os pesquisadores também viram, que o tempo de vida dos cônjuges era muito mais semelhante do que os dos irmãos de diferentes sexos biológicos. Isso levou a equipe a acreditar, que pode ser, devido ao fato de que os cônjuges compartilham ambientes e muitos hábitos de vida.

No entanto, a descoberta mais intrigante foi a seguinte: os esposos e esposas de irmãos e primos também tinham uma expectativa de vida muito semelhante, apesar do fato de não serem relacionados por sangue com esse indivíduo e não morarem com eles.

Então, qual é a causa dessa semelhança aparentemente improvável na expectativa de vida entre uma pessoa e seus parentes de parentesco? Após análises posteriores, os pesquisadores concluíram que poderia ser devido a um conceito chamado acasalamento seletivo.

O que o acasalamento seletivo significa aqui, é que os fatores que são importantes para a vida útil tendem a ser muito semelhantes entre os parceiros.

Essencialmente, quando procuramos um parceiro, é provável que escolhamos alguém com quem compartilhemos traços muito semelhantes como renda, economia, classe social, cultural, entre outros – e isso inclui aqueles que provavelmente afetam a expectativa de vida.

Então, quando eles explicaram os efeitos do acasalamento seletivo, os pesquisadores concluíram que a herdabilidade de vida é algo em torno de 7%, e possivelmente menor.

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/323611.php

09

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background vector created by Rawpixel.com – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *