Um estudo recente, sugere que o sódio – presente no sal ingerido diariamente e em alguns produtos industrializados – pode aumentar o risco de diabetes tipo II em adultos e de diabetes autoimune latente.

Diabetes é uma doença que afeta mais de 29 milhões de pessoas, somente nos Estados Unidos, sendo a Diabetes tipo II  responsável por mais aproximadamente 95% de todos os casos diagnosticados e caracteriza-se por níveis elevados de açúcar no sangue.

O diabetes tipo II,  é geralmente diagnosticada na idade madura, sendo que  a outra condição metabólica denominada Diabete Latente Auto Imune (DLAI) – doença progressiva lenta que não necessita de tratamento com insulina –  comumente diagnosticada de forma errônea como diabetes tipo II e também aparece após os 50 anos.

No entanto, um estudo realizado em Estocolmo na Suécia, no Instituto de Medicina Ambiental, analisou à relação da ingestão de sódio e o risco de diabetes tipo II e DLAI. Os pesquisadores apresentaram sua descoberta recentemente,  em um encontro em Lisboa – Portugal, da Associação Europeia para o Estudo do Diabetes.

A equipe de pesquisadores, explica que o sódio afeta a resistência do corpo à insulina, além de aumentar o risco de desenvolver hipertensão arterial sistêmica. De acordo com o estudo acredita-se que um alto teor de sal na dieta, pode acelerar a imunidade e desempenhar um importante papel na patogênese do desenvolvimento da DLAI.

A equipe de pesquisadores analisou os dados de 355 pessoas diagnosticadas com diabete autoimune e 1136 indivíduos com diabetes tipo II, que foram comparados com os achados de 1.379 indivíduos saudáveis (amostra controle).

Foram utilizados questionários para a coleta de informações sobre a dieta diária dos participantes, que permitiram que a equipe calculasse a ingestão diária de calorias, nutrientes e sódio de cada indivíduo.

Foram também avaliados,  os fatores genéticos de risco para diabetes, sendo então os participantes divididos em categorias de “alto risco” e “outras” dependendo de seu perfil genético.

As  variáveis relacionadas a idade, sexo, IMC, tabagismo, atividade física e consumo de álcool e drogas foram ajustadas para este estudo. Os pesquisadores então dividiram os participantes do estudo em três grupos onde foi controlado a ingestão de sal. Os grupos relacionados a ingestão de sal foram;  “ baixo consumo” – menos de 2,4 gramas diárias de sódio, ou até 6 gramas por dia de sal, “médio consumo” – ingestão de 2,4 à 7,9 gramas de sal, e “alto consumo” – mais de 7,9 gramas de sal por dia.

Observou-se que as pessoas que consumiam alto consumo de sal apresentavam um risco de 58% maior de desenvolver diabetes tipo II, que indivíduos do grupo com baixo consumo. Indivíduos com alto risco genético para diabetes e que ingeriram alto consumo de sódio, tiveram quatro vezes mais chances de desenvolver diabetes autoimune, que pessoas com baixa ingestão de sódio.

Foi também relatado neste estudo que cada grama extra de sal ingerido diariamente, foi associado a um risco 43% maior para diabetes tipo II e 73% para diabetes autoimune.

Segundo os cientistas, mais estudos devem ser feitos nesta área, afim de verificar os malefícios do sal na dieta e sua relação com outras doenças metabólicas. Espero que tenham gostado deste post e até a próxima.

Fonte:

www.medicalnewstoday.com/articles/319434.php

Créditos imagem:

<a href=”http://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background image created by Asier_relampagoestudio – Freepik.com</a>

 

 

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *