O Xantelasma caracteriza-se por lesões amarelas nos cantos internos das pálpebras, estas lesões são formadas comumente  por colesterol que se acumulam em forma de bolsas sob a pele. Eles não são prejudiciais a saúde, mas interferem na estética corporal.

O xantelasma ou xantoma plano é um tumor benigno, de origem conjuntival, resultante da infiltração na derme e no corpo papilar de células xantomatosas. Em grande parte dos casos, o tratamento para este tipo de lesão está associado a fatores estéticos, sendo a remoção cirúrgica o meio mais utilizado. Há relatos, também, do uso de probucol, que pode ser utilizado como prevenção, pois esta substância é utilizada no tratamento da hipercolesterolemia primária, estando associada à regressão do xantelasma e à prevenção de sua recorrência

A lesão é indolor mas pode ser um sinal distúrbio cardíaco. . Portanto, não deve ser ignorado.

A condição é rara, e decorrente de altos níveis de colesterol ou de outras gorduras no sangue. No entanto pode estar presente em pessoas com níveis de colesterol normais.

Sua ocorrência é mais comum em idosos e mais frequente em mulheres do que em homens, na sua ocorrência valores de colesterol devem ser mensurados. Sua ocorrência é mais comum em diabéticos.

O que o causa?

  • Colesterol elevado
  • Cirrose biliar primária

É mais comum em asiáticos ou habitantes em regiões do mediterrâneo.

Como é tratado?

O xantelasma não desaparece sozinho, caso sua presença incomode  portador um profissional especialista – dermatologista – poderá indicar um tratamento mais apropriado para o seu caso. Entre os tratamentos recomendados incluem:

  • Dissolver o xantelasma com medicamentos
  • Congelar o xantelasma com frio intenso (ele chamará essa criocirurgia)
  • Remoção com laser
  • Remoção com cirurgia
  • Tratamento com agulha elétrica (electrodesiccação)

Esses tratamentos funcionam bem, mas pode haver efeitos colaterais como:

  • Cicatrizes
  • Mudanças na cor da pele
  • Pálpebra descolorida

O xantelasma palpebral ocorre frequentemente na pele, no canto medial superior ou inferior da pálpebra, e provoca uma elevação da gordura.

Os xantelasmas podem reaparecer após o tratamento,  caso os valores de colesterol permaneçam elevados.

Fonte:

MIRANDA, André Henrique; YAMASHITA, Seizo; MANTOANELLI, Daniel. Xantelasma: relato de um caso. Radiologia Brasileira, p. 117-118, 2001.

BAGATIN, Ediléia et al. Xantelasma: experiência no tratamento de 40 pacientes. An. bras. dermatol, v. 75, n. 6, p. 705-713, 2000.

BAGATIN, Ediléia et al. Xantelasma: experiência no tratamento de 40 pacientes. An. bras. dermatol, v. 75, n. 6, p. 705-713, 2000.

PORTELA, Poliana Santin; DA CRUZ OLIVEIRA, Felipe José; FERREIRA, Daniel Fabiano. Tratamento cirúrgico do xantelasma com técnica de blefaroplastia. Surgical & Cosmetic Dermatology, v. 4, n. 4, p. 341-343, 2012.

Créditos imagem:

 

https://www.healthline.com/health/xanthelasma

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *