O primeiro caso de Doença de Alzheimer foi descrito em 1906 pelo Dr. Alois Alzheimer, sendo hoje a forma mais comum de demência, representa cerca de 60-80% dos casos. Caracteriza-se por problemas de memória, pensamento e comportamento.

Seu início  ocorre mais comumente em  indivíduos com idades entre 65 e mais, embora as pessoas com 40 e 50 anos podem  apresentar a doença de  Alzheimer precoce.

A doença de Alzheimer é uma doença progressiva, que leva a perda de memória de curto prazo em seu início, mas que se agrava com o passar do tempo, fazendo com que os  indivíduos fiquem incapazes de manter um diálogo ou de interagir em seu ambiente.

Existem tratamentos que foram aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para a doença de Alzheimer. Por exemplo, os inibidores da colinesterase e a memantina podem ajudar a tratar problemas de memória e de pensamento.

Mas, essas drogas apenas ajudam a gerenciar os sintomas. Não há, atualmente, nenhuma cura para a doença.

Nos EUA, cerca de 5 milhões de pessoas com 65 anos ou mais vivem com a doença de Alzheimer, a maioria das quais mulheres. Esse número deverá quase triplicar para 16 milhões em 2050. As cifras são semelhantes em todo o mundo; Em 2050, mais de 115 milhões de pessoas deverão ter a doença.

A prevalência atual de Alzheimer nos Estados Unidos é a  6ª causa de morte, matando mais de meio milhão de idosos a cada ano. Para colocar isso em perspectiva, a doença de Alzheimer atualmente mata mais pessoas a cada ano do que o câncer de próstata e mama combinados.

Como com todas as doenças, saber o que causa a doença de Alzheimer é fundamental para identificar maneiras de prevenir e tratar esta condição.

Pesquisas anteriores indicaram que a doença de Alzheimer ocorre quando duas estruturas anormais do cérebro – placas senis e emaranhados neurofibrilares – danificam e matam as células nervosas, prejudicando a memória, o pensamento e levando a outros transtornos cognitivos associados à doença.

As placas senis são fragmentos de uma proteína denominada beta-amilóide, que se acumulam entre as células nervosas. Os emaranhados, são fibras retorcidas de uma proteína chamada tau, que se acumulam dentro das células cerebrais.

Embora ainda sejam desconhecidos o papel que que as placas senis e os emaranhados neurofibrilares desempenhem no desenvolvimento da doença de Alzheimer, estudos sugeriram que o acúmulo  dessas proteínas começam muito antes dos sintomas se desenvolverem.

Evidências sugerem que o processo da doença de Alzheimer começa mais de uma década antes dos sintomas clínicos aparecerem, sendo assim deve-se  intervir mais cedo para interferir no curso da doença, particularmente quando usam-se terapias destinadas a prevenir o desenvolvimento de proteínas anormais.

Outra pesquisa sugeriu que destruir essas estruturas anormais poderia curar a doença de Alzheimer. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Califórnia-Irvine, sugerem que  aumentar as conexões de células cerebrais, poderia reduzir o acúmulo de placas senis.

Se a acumulo de proteína beta amilóide é a principal causa da doença de Alzheimer, então as terapias que diminuem a produção de beta-amilóide ou aumentam sua degradação podem ser benéficas, especialmente se forem iniciadas precocemente.

Outros estudos afirmam que fatores como de estilo de vida podem predispor a ocorrência da Doença de Alzheimer.

Pesquisas da Universidade de Temple, em Filadélfia, sugerem que  a privação do sono pode levar a formação de estruturas cerebrais anormais.

Outro estudo sugere que o consumo de cafeína pode impedir a formação de emaranhados neurofibrilares, e um estudo realizado na Escala de Medicina de Monte Sinai em Nova York, afirma que comer carne grelhada pode aumentar a formação de placas senis.

Mais recentemente, os pesquisadores encontraram evidências de que os genes desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Estudos têm demonstrado que a maioria dos casos de início precoce de Alzheimer são herdadas – uma forma da condição conhecida como doença de Alzheimer familiar (DAF).

O DAF pode ser causado por um conjunto de mutações genéticas encontradas nos cromossomos 21, 14 e 1. Os pesquisadores descobriram que essas mutações no gene podem levar ao desenvolvimento de proteínas anormais no cérebro. Por exemplo, as mutações no cromossomo 21 podem causar a formação de proteína precursora amilóide anormal (APP).

De acordo com o Instituto Nacional sobre o Envelhecimento (NIA), tais descobertas até agora têm ajudado os pesquisadores a entender melhor como as anormalidades cerebrais se formam no início da doença de Alzheimer.

Eles também levaram ao desenvolvimento de testes de imagem que podem mostrar como as proteínas anormais se acumulam no cérebro vivo.

Quando se trata de Alzheimer de início tardio, estudos têm associado um gene chamado apolipoproteína E (APOE) ao seu desenvolvimento. Uma forma do gene em particular – APOE E4 – tem sido associada a um risco aumentado da doença.

Mais recentemente, um estudo afirma que as mulheres com uma variante deste gene são propensas a desenvolver Alzheimer do que os homens.

Outro estudo publicado na Nature Genetics revelou a descoberta de 11 genes que podem aumentar o risco de uma pessoa de Alzheimer.

Como esses genes aumentam o risco de Alzheimer ainda não é compreendido. Mas, cada gene que está ligado ao Alzheimer,  pode aumentar a compreensão dos pesquisadores,  de como a doença se desenvolve, aumentando assim a probabilidade de encontrar maneiras de prevenir e tratar a doença.

Os últimos 20 anos tem se buscado a descoberta do papel que as proteínas beta-amilóide e tau desempenham no Alzheimer, a aprovação pela FDA da primeira droga de Alzheimer para memória e sintomas cognitivos, os testes são feitos em ratos, e podem ser a esperança para a cura da doença.

Como resultado da pesquisa de Alzheimer, há uma série de drogas em desenvolvimento, que os cientistas acreditam ter grande potencial para tratar eficazmente a doença.

“Muitos pesquisadores acreditam que o tratamento bem sucedido acabará por envolver um coquetel de medicamentos voltados para vários alvos, semelhante aos atuais tratamentos de última geração para muitos cânceres e AIDS”.

Os avanços na imagem atuais permitem ver a doença de Alzheimer no cérebro vivo, e ao longo dos últimos anos, os estudos de associação genoma-larga identificaram variantes de genes que parecem desempenhar um papel na doença e pode ser alvo de intervenções.

Embora tenha havido bons progressos no campo de pesquisa de Alzheimer, as organizações acreditam que muito mais precisa ser feito, especialmente quando se trata de financiamento.

James Pickett, chefe de pesquisa da Sociedade de Alzheimer do Reino Unido , afirma:

“A demência é o maior desafio de saúde e assistência social desta  geração, mas a pesquisa sobre esta condição tem sido muito insuficiente, a falta de financiamento dificultou o progresso e também restringiu o número de cientistas e clínicos que trabalham no campo da demência”.

Nos EUA, por exemplo, a pesquisa de Alzheimer recebeu US $ 504 milhões em financiamento dos Institutos Nacionais de Saúde no ano passado, enquanto o câncer recebeu mais de US $ 5 bilhões. O câncer de mama sozinho recebeu até mais financiamento do que o de Alzheimer.

Snyder disse Medical News Hoje que esta falta de financiamento é algo que precisa ser superado, a fim de desenvolver novas estratégias de tratamento e prevenção para a doença de Alzheimer.

Outras doenças têm demonstrado que o investimento aplicado na investigação pode melhorar a qualidade de vida do portador, reduzir as taxas de mortalidade e, finalmente, produzir tratamentos eficazes e prevenir sua ocorrência, existem as ferramentas e talento dos cientistas para alcançar avanços na doença de Alzheimer, mas é necessário recursos para torná-lo realidade.

Outro fator que interfere na descoberta da cura e prevenção da doença é  a falta de voluntários para a pesquisa de Alzheimer que é  uma barreira para a descoberta do cura.

Voluntários que se oferecem para ensaios clínicos, contribuem para o desenvolvimento de pesquisas, que em um futuro próximo poderão prevenir e tratar esta doença tão arrasadora para seu portador e sua família a Doença de Alzheimer.

Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/281331.php

Credito Imagem:

<a href=’http://www.freepik.com/free-vector/geometrical-brain-background-in-yellow-color_880855.htm’>Designed by Freepik</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *