O envelhecimento da pele é fruto de alterações biomoleculares que ocorrem em nosso organismo à medida que o tempo passa. O dano às fibras colágenas está intimamente envolvido nesse contexto.

Os fibroblastos são responsáveis pelo metabolismo do colágeno, sintetizando o pro-colágeno-I, um importante componente da matriz extracelular. Com a idade, ocorre desorganização no metabolismo do colágeno, reduzindo, sua produção e aumentando sua degradação do mesmo.

A exposição solar, devido à radiação ultravioleta, intensifica o envelhecimento da pele, processo chamado de foto envelhecimento. E, o envelhecimento da pele depende de dois fatores intrínsecos ( cronológico) e extrínseco (exposição solar).

O efeito solar sobre a pele é a hiperpigmentação da mesma com atraso na formação de melanina, mas esse efeito é reversível se não for constante.

No entanto, a exposição solar prolongada e recorrente pode causar alterações definitivas na quantidade e distribuição de melanina na pele.

A deposição desta melanina de forma descontrolada na derme papilar, no lugar de tecido conectivo, é o principal elemento na diferenciação de envelhecimento cronológico e fotoenvelhecimento.

Os raios ultravioletas UVA e UVB são danosos a pele a exposição a esses raios por tempo prolongado e sem proteção podem prejudicar a textura da pele provocando rugas, manchas e até mesmo câncer de pele.

Em caso de exposição aos raios UVB observa-se vermelhidão na pele, pois este raio atinge a camada mais superficial da pele. Este efeito é mais percebido em pessoas de pele clara. Este raio predomina entre as 10h e 16h, do dia.

A radiação UVA é mais intensa do que a radiação ultravioleta B (UVB), que é a principal causa de queimaduras solares.

No entanto, UVA penetra mais profundamente na pele do que UVB pois atinge a derme, e é considerado o raio de bronzeamento dominante .Esse raio é o principal responsável pelo envelhecimento da pele.

A radiação UVA – se dá por exposição prolongada a luz solar ou em cabines de bronzeamento e – penetra as células na camada dérmica da pele, danificando as fibras de colágeno, o que contribui para rugas e manchas na pele.

Os raios UVA também danificam o DNA da pele, o que pode provocar mutações que levam ao câncer de pele. Estes raios tem uma concentração maior antes das 10h e após as 16h.

Os raios UVA estimulam a produção de radicais livres pelas mitocôndrias estruturas que produzem energia para as células.

Os radicais livres são elétrons reativos de oxigênio (ROS), que causam danos aos componentes celulares – incluindo DNA e proteínas – e aumentando o risco de morte celular, envelhecimento e câncer de pele.

O papel dos danos causados pelos radicais livres, induzidos por exposição das células da pele aos raios UVA tem sido subestimada por muitos anos.

Para uma proteção eficaz contra essas substâncias oxidantes induzida pela exposição dos raios UVA na pele, seria necessário um agente quelante (inativam ions prejudiciais ao organismo) forte que neutralizasse seus efeitos.

Enquanto isso não ocorre, é fundamental o uso de protetor solar, que atuam como uma barreira química que absorve os raios UV impedindo que os mesmos danifiquem a pele. Eles formam uma camada de proteção que reflete a luz solar.

A melhor forma de combater o fotoenvelhecimento e suas consequências é a prevenção. O número de rugas da pele está fortemente associado às horas de exposição solar durante a vida.

Pode-se, então, usar esse sinal clínico como marcador preditivo de risco de se desenvolver câncer de pele, uma vez que a quantidade de rugas pode ser marcador da exposição solar durante a vida.

O método mais efetivo de prevenir o foto envelhecimento e suas malignidades é evitar a exposição direta aos raios ultravioleta, fazendo uso de barreiras físicas como chapéu e vestuário adequado, principalmente nas populações que trabalham diretamente expostas ao sol, muito comum em nosso país.

A conscientização do uso diário do filtro solar é alvo de campanhas da Sociedade Brasileira de Dermatologia e, sem dúvida, é o principal caminho para evitar os efeitos danosos da radiação não só no retardo da instalação do foto envelhecimento, mas, principalmente, na prevenção de seu efeito mais nocivo, o câncer da pele.

Sendo assim alguns cuidados são fundamentais à fim de evitar o envelhecimento precoce da pele:

– Uso de filtro solar com filtros com proteção UVA e UVB que devem ser aplicados de 20 à 30 minutos antes da exposição ao sol, no mínimo FPS 15 para pessoas de pele escura e FPS 30 para peles claras este fator de proteção bloqueia 93% dos raios UVA e UVB;

– Pode aplicar o filtro solar com abundancia, não faça economia neste item;

– Uso de chapéu e guarda sol em caso de exposição prolongada;

– Uso de óculos de sol;

– Hidrate-se com constância;

– Evitar exposição solar prolongada das 10 da manhã às 15 horas da tarde.

No entanto é importante saber que a Vitamina D é quase que totalmente produzida pelo nosso organismo, mas para que ela seja metabolizada é necessário a exposição ao sol pelo menos 15 ou 20 minutos no mínimo 3 vezes por semana. E, para isso é necessário uma considerável área de exposição para que este metabolismo ocorra.

A falta desta vitamina pode aumentar o risco de desenvolver osteoporose, reumatismo, artrite e artrose. Então não esqueça o melhor horário para exposição ao sol é antes das 10 da manhã e após as 16 hs.

Espero que tenham gostado deste post e fiquem em paz.

Fonte:

Popim, Regina Célia, et al. “Câncer de pele: uso de medidas preventivas e perfil demográfico de um grupo de risco na cidade de Botucatu.” Ciência & Saúde Coletiva (2008): 1331-1336.

Sgardi, Flávia Celina, Eliane Dias do Carmo, and Luiz Fernando Blumer Rosa. “Radiação ultravioleta e carcinogênese.” Revista de Ciencias Medicas16.4/6 (2012).

http://www.medicinamitoseverdades.com.br/blog/diferenca-dos-raios-uva-e-uvb

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *