O portador da síndrome do por do sol apresenta episódios exacerbados de confusão, agitação e atividade à medida que o dia avança para a noite (à partir das 18 horas). Pode haver mudanças de comportamento e personalidade, e agitação psicomotora, os quais são muito diferentes do comportamento normal.

Isso pode ser assustador para o portador e para as pessoas que convivem com o mesmo.

Enquanto a maioria das pessoas estão relaxando com o final do dia, os portadores desta síndrome costumam ficar agitados com o início da noite.

A síndrome do por do sol é, frequentemente, associada à demência, uma condição que afeta a memória, personalidade e capacidade de raciocínio de uma pessoa.

No entanto, pode ser comum em idosos internados ou que são submetidos à mudança de ambiente. Em casos de idosos internados em unidades de terapia intensiva é, comumente, encontrada em pacientes com delirium.

Como o dia continua, atividades regulares podem tornar-se cansativas para uma pessoa com demência. No final da tarde, a pessoa vai ficando exausta que vai acentuando-se com o avançar da noite.

No entanto pessoas com demência podem encarar a chegada da tarde e da noite um momento particularmente difícil.

A demência pode levar a confusão e dificuldades com o processamento de informações e raciocínio. Também pode afetar o relógio interno do corpo, que reconhece quando é dia e noite e, portanto, quando ele está alterado, o corpo não reconhece o tempo para dormir.

Neste sentido, se o relógio do corpo não estiver funcionando adequadamente, os padrões de sono e de vigília podem ser interrompidos e causar confusão e exaustão que caracterizam a síndrome do por do sol.

Causas da síndrome do por do sol

– Hospitalização ou mudança de ambiente;

– Medicamentos indutores do sono, se ingeridos durante o dia;

– Trocar o dia pela noite;

– Alterações hormonais no climatério e menopausa.

Fatores de risco

Alguns fatores de risco têm sido associados com a síndrome do por do sol:

– Entre eles a doença de Alzheimer, onde cerca de 20% dos portadores podem apresentar sintomas clássicos desta síndrome.

– Indivíduos com história de consumo álcool ou abuso de substâncias ilícitas também tem uma chance maior apresentar esta síndrome e geralmente com sintomas mais graves.

– Aumento do estresse, que pode ocorrer depois de visitar um lugar desconhecido ou ir à uma consulta médica;

– Baixa iluminação do ambiente e sombras que podem aumentar a paranoia e o medo em pessoas que moram sozinhas;

– Apresentar dificuldades em separar sonhos da realidade;

Sintomas da síndrome do por do sol

– Os sintomas tipicamente ocorrem entre as 18:30 da tarde e 11:00 da noite.

– Confusão em relação ao ambiente e mudança de comportamento;

– Confusão mental com perda de raciocínio;

– Paranoia

– Distúrbios do sono, tais como incapacidade de dormir à noite, acarretando sono excessivo durante o dia;

– Alterações bruscas de comportamento inexplicáveis;

– Dificuldades em se expressar com clareza, fala descoordenada;

– Alucinações visuais recorrentes;

– Vagância;

– Agressividade e agitação psicomotora.

– Portadores da síndrome do por do sol geralmente têm sido diagnosticados com alguma forma de demência, como a doença de Alzheimer. No entanto, nem todos com doença de Alzheimer ou outro tipo de demência terão síndrome do por do sol.

Complicações

Esta síndrome pode aumentar a probabilidade de acidente e lesão física em uma pessoa com demência. Aumenta o risco de cair ou remover um dispositivo médico necessário.

Às vezes, seu portador pode tornar-se violento ou altamente agitado, o que pode resultar em prejuízo para si ou para os outros a sua volta.

Pesquisa publicada na revista Psychiatry Investigation sugere que a síndrome do por do sol pode acelerar o declínio na função mental em uma pessoa com doença de Alzheimer.

Em uma pessoa idosa a ocorrência de infecção subjacente, tal como uma infecção do trato urinário, pode causar sintomas semelhantes aos da síndrome do por do sol.

Uso de certos de medicamentos ou mudanças bruscas de dosagens ou adição de novas drogas podem causar a síndrome da por do sol.

Sendo assim, caso reconheça estes sintomas em seu familiar ou paciente, deve-se procurar auxílio médico imediatamente, a fim de preservar a integridade física de seu portado e iniciar o tratamento da causa o mais precocemente possível.


Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/314685.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *