Alguns fatores são comumente associados com a doença de Alzheimer – alguns deles não são encontrados em indivíduos sãos. Esses fatores podem, ter alguma conexão direta com a doença.

Alguns fatores são evitáveis ​​ou modificáveis ​​(por exemplo, reduzindo o risco de diabetes ou doença cardíaca pode por sua vez reduzir o risco de demência).

Se os cientistas puderem ter uma compreensão dos fatores de risco, ou cientificamente provar qualquer relação “causa” para a doença de Alzheimer, isso poderá ajudar a encontrar maneiras de evitar a doença e propor tratamentos específicos.

Os fatores de risco associados à doença de Alzheimer incluem:

Fatores de risco inevitáveis

  • Idade – a doença é mais provável em pessoas mais velhas, denominada doença idade dependente;
  • A história familiar (herança genética) – Ter um familiar com doença de Alzheimer na família está associado com um risco mais elevado de desenvolver o agravo. Este é o segundo maior fator de risco após a idade.
  • A presença do gene ( apolipoproteína E ou gene ApoE) que aumenta o risco de desenvolver a doença de 3 a 8 vezes mais.

Fatores potencialmente evitáveis ​​ou modificáveis

  • Fatores que causam prejuízo vascular- incluindo diabetes, colesterol alto e pressão arterial elevada. (Estes também aumentam o risco de acidente vascular cerebral, que por sua vez pode levar a outro tipo de demência.- Demência Vascular). Pesquisas apontam que se eles forem controlados podem retardar o aparecimento da doença.
  • Baixo nível educacional e ocupacional.
  • Traumatismo craniano prévio. embora uma lesão cerebral traumática não conduza necessariamente à doença de Alzheimer.
  • Estresse e depressão, embora nem todos os pesquisadores concordem com estes fatores. A doença de Alzheimer não é simples de se diagnosticar – não há nenhum teste para detecção. Por esta razão, o primeiro passo em busca do diagnóstico é descartar outros problemas antes de confirmar se os sinais e sintomas mentais são graves o suficiente para ser uma espécie de demência ou algo parecido. Sendo assim na dúvida procure um profissional habilitado, que possa lhe ajudar somente ele poderá lhe proporcionar uma terapêutica específica para o seu caso.​

22/05/2016

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *