Olá pessoal, tudo bem? O nosso post de hoje irá falar sobre uma doença que afeta alguns indivíduos, conhecida como intolerância à lactose.

Mas, muita calma. O assunto é interessante, mas precisamos entender alguns conceitos antes.

A lactose é classificada como um carboidrato (açúcar) formada por outros dois carboidratos menores: a glicose e a galactose.

Quando ingerimos leite ou alimentos contendo leite e derivados, para que ocorra a digestão da lactose, no intestino, é necessário a presença e atuação de uma enzima conhecida como LACTASE, a qual é produzida no intestino delgado e tem a capacidade de quebrar a lactose em seus componentes primários (glicose e galactose).

No entanto, quando o indivíduo não tem a enzima, ou ela é produzida em pequenas quantidades ou não está atuante, a lactose não é quebrada, passando intacta pelo nosso intestino. Essa situação é conhecida como INTOLERÂNCIA À LACTOSE.

A Figura abaixo mostra a diferença entre a situação onde não há sintomas de intolerância à lactose e com os sintomas.

Figura 1: Ação da enzima lactase e suas consequências.
Fonte: Adaptado da internet.

Tipos

Há 3 (três) tipos de Intolerância à Lactose:

– Congênita: quando há ausência de lactase no nascimento devido a uma situação genética.

– Primária: há uma perda da capacidade de produção da enzima, de forma progressiva, a partir da adolescência até o final da vida.

– Secundária: há uma diminuição na produção da enzima em decorrência de doenças ou lesões intestinais como, por exemplo, devido à doença celíaca, gastroenterite e doença de Crohn. Nesse caso, a deficiência pode ser temporária e desaparecer com o tratamento da doença primária.

Sintomas

Os sintomas da Intolerância à Lactose, geralmente, se concentram no sistema digestório e se manifestam, entre alguns minutos a horas, após a ingestão de alimentos contendo a lactose. Dentre os sintomas, pode-se destacar:

– ​Diarreia;

​- Náuseas e às vezes vômitos;

– Desconforto abdominal;

– Distensão abdominal (Inchaço);

– Gases;

– Perda de peso e lentidão de crescimento em bebês e crianças portadoras da patologia.

A intensidade dos sintomas é variável, de acordo com a situação e o indivíduo.

Diagnóstico

Além da avaliação clínica, realizada pelo médico, o diagnóstico da Intolerância à Lactose se faz, também, através de:

– Teste de intolerância à lactose: Após a ingestão de uma solução rica em lactose, em jejum, coleta-se amostras de sangue para verificar a quantidade de glicose na corrente sanguínea, os quais permanecem inalterados em portadores da doença.

– Teste do hidrogênio expirado: Após a ingestão de uma solução rica em lactose, faz-se a coleta e quantificação do gás hidrogênio expelido.

– Teste da acidez nas fezes: Considera-se o grau de acidez através do exame de fezes, visto que lactose, quando não digerida, produz ácido láctico.

Tratamento

Para alguns profissionais da área da saúde, a Intolerância à Lactose não é considerada uma patologia, mas uma carência do organismo, que pode ser controlada através do uso de medicamentos e dieta.

Inicialmente, interrompe-se o consumo de alimentos contendo leite e derivados com o objetivo de aliviar os sintomas.

Posteriormente, os alimentos são reintroduzidos, de forma lenta e em pequenas quantidades, até se identificar a quantidade máxima que o organismo suporta sem manifestar os sintomas. O objetivo dessa conduta é manter a oferta de cálcio, através da alimentação, pois é um nutriente que, em associação com a vitamina D, é imprescindível para a formação de dentes e ossos.

Suplementos contendo lactase ou leites e derivados modificados com baixo teor de lactose são úteis para a manutenção da ingestão de cálcio, quando a quantidade de leite e derivados for insuficiente, entretanto, não se deve descartar a utilização da suplementação medicamentosa do cálcio e vitamina D.

Outras recomendações

– É importante que o portador de Intolerância à Lactose saiba que:

– Dentro do possível deve-se manter a ingestão de leite e seus derivados, para fornecimento do cálcio, através da dieta. Essa ingestão deverá ser avaliada pelo médico e nutricionista individualmente;

– Deve-se ler a lista de ingredientes apresentada nos rótulos dos alimentos e bebidas, além da bula dos medicamentos;

– Extratos “leitosos” de soja, arroz, aveia não contem lactose, mas, do ponto de vista nutricional, não se comparam com o leite e seus derivados.

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *