O lítio é um medicamento estabilizador do humor usado para tratar pacientes com transtorno bipolar. Mas de acordo com um novo estudo, ele também pode abrir caminho para retardar o envelhecimento.

Um estudo publicado na revista CELL revela estudos efetuados com moscas de frutas que receberam baixa dose de lítio em laboratório viveram mais do que um grupo de controle.

Para chegar a suas conclusões, o pesquisador principal, Dr. Jorge Iván Castillo-Quan – que foi baseado no Instituto de Envelhecimento Saudável na Universidade do Reino Unido College London (UCL) – foram administradas diferentes doses de cloreto de lítio a 160 moscas da fruta adultas.

A mosca da fruta, Drosophila melanogaster ou, é um modelo ideal para o estudo da genética humana, tal como os insetos partilham 75% dos mesmos genes que causam doença em seres humanos.

A equipe descobriu que, quando foram dadas baixas quantidades de lítio na idade o, elas viveram uma média de 16-18% mais do que as moscas que receberam cloreto de sódio, independentemente da composição genética dos insetos.

Os efeitos de aumento da expectativa de vida foram mais fortes com doses de curto prazo e pontuais da droga, de acordo com os investigadores; moscas que receberam uma dose única de lítio na vida mais tarde viveram uma média de 13% mais tempo, enquanto que as moscas mais jovens que foram tratados com o fármaco durante 15 dias antes de receber uma droga de controle também tinha uma vida útil mais longa.

Nenhum efeito adverso foi identificado com baixas doses de lítio e a equipe pode notar que as moscas da fruta alimentadas normalmente e produziram uma prole saudável.

Doses mais elevadas do fármaco, no entanto, reduziram o tempo de vida das moscas.

Ao investigar como lítio aumentou o tempo de vida de moscas da fruta, a equipe encontrou neste fármaco a atividade de uma droga que bloqueia uma molécula chamada de glicogênio sintase quinase-3 (GSK-3).

A GSK-3 tinha sido anteriormente relacionada ao desenvolvimento de doenças relacionadas com a idade, tais como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson.

Os investigadores descobriram também que impedindo a GSK-3, o litio promoveu a atividade de uma molécula de fator nuclear chamado (derivado de eritróide 2) -like 2 (NCR-2), que está envolvida na proteção das células contra estresse oxidativo – uma peça chave no processo de envelhecimento

Com base nas suas conclusões, os pesquisadores sugerem que a segmentação GSK-3 poderia ser uma droga promissora na luta contra o envelhecimento.

Falando das potenciais implicações destes resultados, o Dr. Castillo-Quan diz:

“Para melhorar a nossa qualidade e duração de vida devemos retardar o aparecimento de doenças relacionadas com a idade, aumentando o período mais saudável de nossas vidas. A identificação de uma droga alvo para retardar o envelhecimento é um passo crucial para alcançar isso e através d segmentação por GSK-3, que pudemos descobrir novas maneiras de controlar o processo de envelhecimento em mamíferos, incluindo seres humanos”.

Claire Bale, chefe de comunicações de pesquisa no Reino Unido de Parkinson – que ajudou a financiar o estudo – descreve as descobertas como “encorajadoras”, observando que elas podem trazer-nos mais perto de estratégias de combate as doenças relacionadas ao processo de envelhecimento.

Esta pesquisa tem o potencial para não só ajudar a criar uma geração de idosos mais saudáveis, mas também proporcionar retornos significativos em como poderíamos potencialmente tratar ou mesmo prevenir doenças do envelhecimento como Parkinson.

De acordo com o Prof. Dame Linda Partridge – investigador principal do estudo e diretor do Instituto de UCL do Envelhecimento Saudável e do Instituto Max Planck de Biologia e Envelhecimento na Alemanha – diz que o próximo passo é alvo GSK-3 em animais mais complexos, com o objetivo de desenvolver um medicamento que pode ser testado em humanos.

Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/308830.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *