Embora as vacinas COVID-19 emergentes possam eventualmente ajudar a reduzir o número de mortes, a implementação relativamente lenta em muitos países gerou preocupações de que os efeitos significativos levariam tempo.

O Instituto Nacional de Saúde americano recomenda que todas as pessoas hospitalizadas para tratamento com COVID-19, exceto as grávidas, recebam anticoagulantes profiláticos.

Recentemente, uma equipe de pesquisadores no Reino Unido e nos EUA publicou dados de um estudo de coorte observacional. Eles descobriram, que a terapia anticoagulante foi associada a um número significativamente menor de mortes, entre as pessoas internadas no hospital com COVID-19.

Os resultados, fornecem evidências sólidas do mundo real para apoiar as diretrizes que recomendam o uso de anticoagulação profilática como tratamento inicial para pacientes com COVID-19 na admissão hospitalar, de acordo com os pesquisadores.

Os resultados do estudo foram publicados recentemente no BMJ jornal.

Os pesquisadores relatam que a administração de anticoagulantes à base de heparina para pacientes com COVID-19 nas primeiras 24 horas após a admissão hospitalar reduziu o risco de morte.

Também observaram um risco reduzido de 27% de mortalidade em 30 dias entre os pacientes que receberam anticoagulantes.

O sangramento grave que exigiu uma transfusão de sangue ocorreu em 4,6% dos pacientes e não foi significativamente relacionado com a intervenção precoce para prevenir a coagulação.

Saiba mais lendo o artigo no link abaixo:

https://www.bmj.com/content/372/bmj.n311

RENTSCH, Christopher T. et al. Early initiation of prophylactic anticoagulation for prevention of coronavirus disease 2019 mortality in patients admitted to hospital in the United States: cohort study. bmj, v. 372, 2021.

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *