Muitos de nós estamos familiarizados com a importância da ingestão de ácido fólico para mulheres grávidas, na prevenção de defeitos do tubo neural em bebês.

Mas, um novo estudo em camundongos sugere que o excesso de ingestão de vitamina B9 poderia causar mudanças desfavoráveis sobre o sistema imunológico, diminuindo a capacidade do organismo em combater o câncer.

O estudo, publicado no Journal of Nutritional Biochemistry, foi conduzido por pesquisadores do Jean Mayer Human Nutrition Research Center on Aging (HNRCA) na Universidade Tufts, em Boston, MA.

Os baixos níveis de ácido fólico na gravidez são um importante fator de risco para defeitos do tubo neural em bebês, o governo dos EUA definiu a dose diária recomendada (RDA) para mulheres grávidas a 600 mg; sendo RDA normal para não grávidas e adultos de 400 ug.

O folato é encontrado naturalmente em muitos alimentos, incluindo folhas verdes e legumes, feijão, ovos, grãos e peixes. Além disso, muitos cereais são fortificados com ácido fólico, que é a forma sintética de folato.

O corpo usa o ácido fólico todos os dias para fazer novas células saudáveis ​​e, como tal, todo mundo precisa de ácido fólico.

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde americanos, cerca de 35% das pessoas nos EUA consomem ácido fólico através de suplementos dietéticos. No entanto, alguns grupos populacionais estão em risco de contrair o excesso de ácido fólico.

O relatório cita que as pessoas com idade superior a 50 anos que têm uma maior ingestão de ácido fólico, podem exceder o estabelecido tolerável que é a ingestão superior de 1.000 mg por dia.

Embora estudos anteriores tenham demonstrado uma ligação entre o consumo elevado de ácido fólico e a redução de defesas do sistema imunológico, os pesquisadores deste estudo recente querem avaliar se o excesso de ingestão pode causar mudanças negativas no sistema imunológico.

Já foi citado em um post anterior que o sistema imunológico diminui com a idade e para realizar a sua investigação, os pesquisadores usaram camundongos idosos para confirmar que as ligações anteriormente observadas em mulheres com mais de 60 anos de idade não “ocorreram por acaso.”

A equipe examinou especificamente células denominadas natural killers (também chamadas de células exterminadoras, são um tipo especifico de linfócitos – glóbulos brancos), um tipo específico de célula imunológica vital na defesa contra infecções virais e combate ao câncer, identificando e atacando as células infectadas ou cancerígenas.

O prejuízo na função destas células poderia levar a uma maior vulnerabilidade à doença. Em idosos, estas células são particularmente importantes, porque o sistema imunológico diminui com a idade, deixando-os mais abertos a infecções e câncer.

O estudo envolveu um grupo de ratos controle um nível de ácido fólico que foi equivalente ao normal para humanos. Enquanto isso, em outro grupo de ratos eles deram uma dose de ácido fólico 20 vezes maior do que a indicada.

O que se pode observar nesta relação causal que o excesso de ácido fólico e baixou atividade das células naturall killers.

Lembram as responsáveis por proteger o organismo de infecção e câncer…

Os resultados mostraram que, os ratinhos que foram alimentados com grandes quantidades de ácido fólico, no grupo de tratamento tinham concentrações mais elevadas de ácido fólico não metabolizado no seu sangue e concentrações de folato mais elevadas no plasma em comparação com os ratinhos do grupo de controle.

E, o mais surpreendente, os ratos no grupo de tratamento tinham reduzido a atividade das células natural killers, em comparação com os do grupo de controle; os pesquisadores dizem que estes resultados estabelecem uma relação causal entre o consumo excessivo de ácido fólico e a baixa atividade das células natural killers em camundongos envelhecidos.

O próximo passo deste estudo é determinar se o excesso de ácido fólico na verdade aumenta a suscetibilidade a infecções.

Os resultados baseiam-se em um estudo realizado pelo mesmo laboratório, que constatou que 78% das mulheres pós-menopáusicas saudáveis ​​tinham ácido fólico não metabolizado no plasma sanguíneo, indicando excesso de ácido fólico. Elas, também, apresentaram menor atividade das células natural killers.

Espero que tenham gostado…

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *