Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Carne vermelha: Bom ou ruim para a saúde?

A carne vermelha contém numerosas vitaminas e minerais que são essenciais para uma dieta saudável e equilibrada. Nos últimos anos, no entanto, sua reputação foi severamente manchada, com estudos sugerindo que a ingestão de carne vermelha pode aumentar o risco de câncer e outras doenças. Mas isso é realmente ruim para nós?

A ingestão de carne vermelha nos EUA caiu drasticamente nas últimas 4 décadas.

A carne vermelha é definida como qualquer carne que venha do músculo mamífero, que inclui bovino, cordeiro, porco, cabra, vitela e carne de carneiro.

Para muitas famílias, a carne vermelha é considerada um alimento básico, em diferentes variações em uma base diária.

Ao longo dos últimos 10 anos, o consumo de carne vermelha caiu cerca de 10 libras por pessoa, no ano de 2014 houve o menor consumo de carne vermelha desde 1960.

Mas por que tantos de nós estão deixando de consumir carne vermelha?

De acordo com uma pesquisa em 2016, aproximadamente 8 milhões de adultos nos EUA são vegetarianos ou veganos, com preocupações sobre o bem-estar animal sendo o fator impulsionador.

No entanto, parece que milhões de pessoas estão optando por alimentos à base de plantas sobre produtos à base de carne porque acreditam que eles são mais saudáveis.

Esta pesquisa descobriu que 37% dos adultos dos EUA “sempre” ou “às vezes” comem refeições vegetarianas quando comem fora, com 36% destes citando razões de saúde para a sua escolha.

Uma série de estudos têm sugerido que, quando se trata de saúde, uma dieta baseada em plantas é o caminho a percorrer. Em dezembro de 2016, a Academia de Nutrição e Dietética alegou que uma dieta baseada em plantas pode diminuir o risco de diabetes tipo 2 em 62 por cento, bem como reduzir o risco de ataque cardíaco e acidente vascular encefálico (AVE).

“Se você puder encapsular uma receita baseada em plantas, ela se tornaria uma droga de grande sucesso da noite para o dia”, comentou a co-autora Susan Levin, do Comitê de Médicos para Medicina Responsável, em Washington, DC.

Não é só os benefícios para a saúde associados com dietas baseadas em plantas que estão orientando-nos longe de carne vermelha, mas os riscos para a saúde que possam surgir pelo consumo da carne vermelha.

Segue alguns desses riscos:

Câncer

Quando se trata de ingestão de carne vermelha, o câncer é talvez a implicação mais bem estabelecida na saúde.

Em outubro de 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório concluindo que a carne vermelha é “provavelmente cancerígena para os seres humanos”, significando que há alguma evidência de que pode aumentar o risco de câncer.

Além disso, a OMS concluiu que as carnes processadas – definidas como “carne que foi transformada através de salga, cura, fermentação, fumo ou outros processos para melhorar o sabor ou melhorar a preservação” – é “cancerígena para os seres humanos”, o que significa que há provas suficientes que a ingestão de carne processada aumenta o risco de câncer.

Para chegar a essas conclusões, o Grupo de Trabalho da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancer (IARC) da OMS analisou mais de 800 estudos que avaliaram os efeitos da carnes vermelhas e processadas sobre vários tipos de câncer.

Os pesquisadores descobriram que cada porção de 50 gramas de carne processada – que inclui principalmente carne de porco ou carne bovina – consumida diariamente aumenta o risco de câncer colorretal em 18%.

O IARC também descobriu evidências de uma ligação entre a ingestão de carne vermelha e aumento do risco de câncer colorretal, pancreático e câncer de próstata.

Pensa-se que cozinhar carnes vermelhas em altas temperaturas – por fritura ou churrasco, por exemplo – é o que contribui para um aumento do risco de câncer.

De acordo com o National Cancer Institute – uma parte dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) – cozinhar carnes em altas temperaturas pode levar à produção de aminas heterocíclicas (HCAs) e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP), que são produtos químicos que foram relacionados em aumentar o risco de câncer em modelos animais.

No entanto, o relatório da OMS concluiu que o papel das HCAs e HAPs no risco de câncer humano não é totalmente compreendido, e da sua revisão, não havia dados suficientes para determinar se a forma como a carne é cozida influencia o risco de câncer.

Falência renal

A insuficiência renal – condição em que os rins não são mais capazes de filtrar os resíduos de produtos e água do sangue – afeta mais de 661.000 pessoas nos Estados Unidos.

Diabetes e hipertensão estão entre as causas mais comuns de insuficiência renal. Entretanto, em julho de 2016, um estudo sugeriu que a ingestão de carne vermelha pode ser um fator de risco.

Publicado no Journal of American Society of Nephrology, o estudo relatou uma ligação dose-dependente entre o consumo de carne vermelha e o risco de insuficiência renal.

Por exemplo, os 25% dos participantes que mais consumiam carne vermelha mostraram ter um aumento de 40% de risco de insuficiência renal, em comparação com o risco dos 25% que menos consumiam esta proteína.

“Nossas descobertas sugerem que esses indivíduos ainda podem manter a ingestão de proteína, mas devem considerar mudar para fontes de plantas. E, ainda, se eles ainda optarem por comer carne branca (peixe, marisco e aves) são melhores alternativas para a carne vermelha”, diz co-autor do estudo Dr. Woon-Puay Koh, da Escola Médica Duke-NUS em Cingapura.

Doença cardíaca

A doença cardíaca continua a ser o maior risco nos EUA, responsável pelas mortes de cerca de 610.000 pessoas no país a cada ano.

Uma dieta insalubre, rica em gordura saturada e colesterol, é um fator de risco bem conhecido para doenças cardíacas. Uma série de estudos têm sugerido que a carne vermelha cai nessa categoria, aumentando o risco de doenças cardíacas e outras doenças cardiovasculares.

Um estudo de 2014 de mais de 37.000 homens da Suécia, por exemplo, descobriu que os homens que consumiam mais de 75 gramas de carne vermelha processada por dia mostraram um risco maior em 1,28 vezes de desenvolver insuficiência cardíaca do que aqueles que consumiram menos de 25 gramas diariamente.

Outro estudo, publicado em 2013, relatou uma associação entre a ingestão de carne vermelha e aumento do risco de doença cardíaca, mas esta ligação não foi atribuída ao alto teor de gordura saturada e colesterol da carne vermelha.

Os pesquisadores da Columbia University, em Nova York, descobriram que as bactérias intestinais digerem um composto de carne vermelha chamado L-carnitina, convertendo-o em um composto chamado trimetilamina-N-óxido (TMAO).

Em ratos, os pesquisadores descobriram que o TMAO levou ao desenvolvimento de aterosclerose – uma condição caracterizada pelo acúmulo de substâncias gordurosas nas artérias, o que pode levar a ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

 Embora existam numerosos estudos ligando a ingestão de carne vermelha à má saúde cardíaca, existem outros desafios de pesquisa desta associação.

Um estudo recente realizado por pesquisadores da Purdue University em West Lafayette, IN, por exemplo, descobriu que comer 85 gramas de carne vermelha três vezes por semana não levou a um aumento nos fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Diverticulite

Diverticulite é uma inflamação dos divertículos (bolsas) presentes no intestino grosso. Cerca de 95% dos divertículos encontram-se no cólon sigmoide (parte do intestino grosso).

Esta inflamação pode levar a uma série de complicações graves, incluindo abscessos, perfuração do cólon e peritonite (infecção e inchaço no revestimento do abdômen).

Embora as causas específicas de diverticulite não são claras, tem sido sugerido que uma dieta rica em fibras pode aumentar o risco de desenvolver a doença.

No início deste mês, um estudo publicado na revista Gut sugeriu que comer grandes quantidades de carne vermelha também pode aumentar a probabilidade de desenvolver diverticulite.

Em comparação com os homens que relataram comer baixas quantidades de carne vermelha, os que relataram comer as quantidades mais altas foram encontrados para ter um risco 58% maior de desenvolver diverticulite.

O risco foi mais forte com uma alta ingestão de carne vermelha não processada, descobriram os pesquisadores.

Quanto de carne vermelha devemos comer?

Apesar das evidências esmagadoras dos potenciais riscos para a saúde da ingestão de carne vermelha, é importante notar que a carne vermelha está cheia de nutrientes.

Como exemplo, uma porção de 100 gramas de carne moída cru contém cerca de 25% da dose diária recomendada de vitamina B3, e 32% da dose diária recomendada de zinco.

A carne vermelha também é alta em heme-ferro (que é absorvida melhor do que o ferro derivado de plantas) vitamina B6, selênio e outras vitaminas e minerais.

Ainda assim, com base nas evidências até o momento, as diretrizes de saúde pública recomendam limitar o consumo de carne vermelha.

O Instituto Americano de Pesquisa do Câncer, por exemplo, recomenda comer não mais de 510 gramas de carne vermelha cozida por semana para reduzir o risco de câncer, enquanto as carnes processadas devem ser evitadas completamente.

No entanto, enquanto as orientações dietéticas 2015-2020 para os americanos recomendam cortar o consumo de carne vermelha, eles não especificam um limite diário.

De acordo com o Dr. Christopher Wild, diretor do IARC, o relatório de 2015 que liga a ingestão de carne vermelha ao aumento do risco de câncer suporta as recomendações de saúde pública para limitar o consumo de carne vermelha.

No entanto, ele observa que a carne vermelha tem valor nutricional e que isso deve ser considerado em pesquisas futuras, “a fim de equilibrar os riscos e benefícios de comer carne vermelha e carne processada e fornecer as melhores recomendações dietéticas possíveis”.

Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/315449.php

Facebook
Twitter
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Parceiros