Nova pesquisa publicada no Journal of Neurolinguistics sugere que os idosos que foram bilíngües há anos, usam seus recursos cerebrais mais eficiente e economicamente do que as pessoas monolíngües.

Pesquisadores da Universidade de Montréal no Canadá chegaram a esta conclusão após estudar conexões cerebrais em pessoas mais maduras com a ajuda de imagens cerebrais.

A autora principal Ana Inés Ansaldo, cujo laboratório investiga os efeitos do processamento da linguagem e envelhecimento da plasticidade cerebral, diz:

“Depois de anos de prática diária gerenciando a interferência entre duas línguas, os bilíngües tornam-se especialistas na seleção de informações relevantes e ignoram informações que podem os distrair de uma tarefa”.

Quando estamos envolvidos em uma tarefa, nossos cérebros recrutam redes diferentes, dependendo da natureza da tarefa.

A professora Ansaldo e seus colegas descobriram que ao realizar uma tarefa que requer concentração em uma parte específica de informação, o cérebro de idosos monolíngues recrutou um grande circuito com várias conexões. No entanto, o cérebro de idosos bilíngües recrutou um circuito menor que era mais relevante para as informações necessárias.

‘Reagir à cor do objeto, mas não à posição’

Quando se concentra em um objeto, o cérebro usa circuitos que lidam com função visual (cor, por exemplo) e função motora (como informações de espaço).

Para o estudo, a equipe convidou dois grupos de idosos, 10 monolíngües e 10 bilíngües, para realizar uma tarefa durante a qual eles tiveram que se concentrar na cor de um objeto, ignorando sua posição.

A tarefa envolveu responder a uma tela em que os quadrados amarelos ou azuis apareceram um de cada vez e aleatoriamente, tanto à esquerda como à direita.

Os participantes foram instruídos a pressionar uma tecla à esquerda se eles vissem um quadrado amarelo e uma chave à direita se viessem um azul – independentemente da posição do objeto na tela.

A tarefa testa o “controle de interferência”, pois o participante é desafiado a não pressionar uma tecla apenas porque corresponde à posição do objeto.

É semelhante ao desafio de aprender a reverter um reboque – para fazer o reboque ir para a esquerda no sentido inverso, você tem que girar o volante para a direita (e vice-versa).

Todos os participantes (10 falantes de francês e 10 falantes de francês e inglês) nasceram e cresceram em Montreal e variaram na idade de 63-84 anos. A idade em que os bilíngues adquiriram sua segunda língua variou de 8-30 anos.

Como os participantes realizaram a tarefa, os pesquisadores monitoraram sua atividade cerebral através de equipamento de ressonância magnética. Isso permitiu que eles comparassem conexões cerebrais funcionais em diferentes áreas do cérebro.

Os cérebros bilíngües são “mais eficientes e econômicos”

Os resultados mostraram que os cérebros dos bilíngües tinham maior conectividade entre as áreas de processamento visual situadas na parte posterior do cérebro. Os pesquisadores observam que:

“Essas descobertas suportam a noção de que o cérebro bilíngüe é capaz de lidar com a interferência alocando recursos cada vez mais específicos de tarefas”.

Em contraste, o cérebro das pessoas monolíngues parece confiar em “uma rede maior e multifuncional que inclui um amplo conjunto de nós de processamento dedicados ao processamento executivo”, acrescentam eles.

A professora Ansaldo, que também é pesquisadora do Instituto Universitário de Gériatria de Montreal, um centro especialmente dedicado aos idosos, diz que “o cérebro bilíngüe é mais eficiente e econômico, pois recruta menos regiões e regiões especializadas”.

Para resumir, a equipe sugere que ser bilíngüe pode beneficiar o cérebro de duas maneiras.

Em primeiro lugar, conserva os recursos por ter conexões mais centralizadas e especializadas. E, em segundo lugar, enquanto o cérebro monolíngüe utiliza diversas conexões cerebrais, o cérebro bilíngüe alcança o mesmo resultado sem o uso das regiões frontais, que são vulneráveis ​​ao envelhecimento.

Talvez, isso pode explicar por que o cérebro bilíngüe parece mais capaz de resistir aos sinais de envelhecimento cognitivo ou demência.

“Observamos que o bilinguismo tem um impacto concreto na função cerebral e que isso pode ter um impacto positivo no envelhecimento cognitivo. Agora precisamos estudar como essa função se traduz na vida cotidiana, por exemplo, quando se concentra em uma fonte de informação em vez de outra, que é algo que temos que fazer todos os dias. E ainda temos de descobrir todos os benefícios do bilinguismo”, afirma a Profa. Ana Inés Ansaldo.

Fonte:

http://www.medicalnewstoday.com/articles/315260.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *