A desidratação ocorre quando perdemos água e fluidos corporais em excesso. Mesmo a desidratação leve, pode causar dores de cabeça, letargia e prisão de ventre.

O corpo humano é composto de aproximadamente 75% de água. Sem água não conseguimos sobreviver. A água é encontrada dentro das células, dentro dos vasos sanguíneos, em todos os nossos tecidos.

Um sofisticado sistema de gerenciamento de água mantém nossos níveis de água e eletrólitos equilibrados, e o mecanismo de sede nos diz quando precisamos aumentar a ingestão de líquidos.

Embora a água seja constantemente perdida ao longo do dia à medida que respiramos, suamos, urinamos e defecamos, podemos reabastecer a água do nosso corpo através da ingestão de líquidos. O corpo também pode controla a distribuição de água para onde é mais necessário, se a desidratação começar a ocorrer.

A maioria dos casos de desidratação podem ser facilmente revertidos através do aumento da ingestão de líquidos, mas casos graves de requerem atenção médica imediata.

Sinais e sintomas

Os primeiros sintomas de desidratação incluem sede, urina mais escura e diminuição da produção de urina. De fato, a cor da urina é um dos melhores indicadores do nível de hidratação de uma pessoa – urina clara significa que se está bem hidratado e urina mais escura pode significar desidratação.

No entanto, é importante observar que, particularmente em idosos, a desidratação pode ocorrer sem sede. É por isso que é importante beber mais água quando estiver doente ou durante o verão.

À medida que desidratação progride podem aparecer outros sinais e sintomas, tais como:

  • boca seca
  • letargia
  • fraqueza muscular
  • dor de cabeça
  • tontura

A desidratação grave (perda de 10% à 15%  da água corporal) pode ser identificada pelos seguintes sinais e sintomas:

  • olhos fundos
  • pele seca e enrugada
  • hipotensão
  • aumento da frequência cardíaca
  • delírio
  • febre
  • inconsciência

Sintomas em crianças

  • em bebês – fontanela afundada
  • língua e boca secas
  • irritação
  • choro sem lágrimas
  • bochechas e / ou olhos afundados
  • ausência de diurese por mais de 3 horas

Causas

As causas da desidratação podem ser devido a perda extrema de água corporal, ausência de ingestão de água, bem como a junção destes dois fatores.

Fatores causais comuns de desidratação incluem:

Diarreia – a causa mais comum de desidratação e morte relacionada. O intestino grosso absorve a água dos alimentos e a diarreia impede que isso aconteça. O corpo excreta muita água, levando à desidratação.

Vômito – leva à perda de líquidos, não digeridos, á a forma mais comum de desidratação em crianças e a mais grave.

Transpiração – o mecanismo de resfriamento do corpo libera uma quantidade significativa de água. Clima quente e úmido e atividade física vigorosa podem aumentar ainda mais a perda de líquidos devido à transpiração. Da mesma forma, a febre pode causar aumento da transpiração e desidratar, principalmente se houver diarreia e vômito.

Diabetes – níveis elevados de açúcar no sangue causam aumento da micção e perda de líquidos.

Micção frequente – geralmente causada por diabetes não controlada , mas também pode ser causada por abuso de álcool e medicamentos como diuréticos, anti-histamínicos, pressão arterial e antipsicóticos.

Queimaduras – os vasos sanguíneos podem ser danificados, devido ao extravasamento de líquidos (plasma) nos tecidos circundantes.

Fonte:

ARAÚJO, Maria Lúcia Azevedo. A desidratação no idoso. 2013. Tese de Doutorado. [sn].

CHAIMOWICZ, Flávio. Saúde do idoso. 2013.

PICOLLI, Marcelo Loss; JUNIOR, Adalmir Luiz Bonomini. Hidratação, desidratação e atividade física. Revista Digital Buenos Aires, v. 16, n. 165, 2012.

Créditos de imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/water”>Water photo created by rawpixel.com – www.freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *