5

A Doença Inflamatória Intestinal – DII – é um termo genérico para várias condições que caracterizam a inflamação crônica do trato digestivo. Os tipos mais comuns de DII são a colite ulcerativa e a doença de Crohn.

Os sintomas comuns de DII incluem:

  • diarreia persistente
  • dor de estômago
  • sangramento retal ou fezes com sangue
  • perda de peso inexplicável
  • fadiga

Pesquisas anteriores em animais descobriram que uma dieta rica em frutose pode danificar o cólon e causar inflamação. Este achado, sugere que uma maior ingestão de frutose, pode ter desempenhado um papel no aumento da incidência de DII nas últimas décadas.

Os pesquisadores deste estudo recente,  também testaram a ideia de que mudanças na comunidade de microrganismos que vivem no intestino, conhecidas como sua “microbiota”, medeiam os efeitos inflamatórios da frutose.

As descobertas fornecem evidências,  de uma ligação direta entre a frutose alimentar e a DII e apoiam o conceito de que o alto consumo de frutose pode piorar a doença em pessoas com DII. Isso é importante porque tem o potencial de fornecer orientação sobre escolhas de dieta para pacientes com DII – algo que está faltando atualmente

O estudo da equipe está online na revista Cellular and Molecular Gastroenterology and Hepatology .

O segundo modelo de IBD que os pesquisadores usaram em seus experimentos envolveu a infecção de ratos com uma bactéria chamada Citrobacter rodentium , que também imita a inflamação que caracteriza a doença.

Alimentar esses ratos com muita frutose,  promoveu o crescimento da bactéria e piorou a inflamação.

Finalmente, os cientistas confirmaram a ligação entre a frutose e a DII em um modelo genético da doença. Este modelo recriou o tipo de resposta imunológica,  que pode aumentar a probabilidade de algumas pessoas desenvolverem inflamação do cólon.

Mais uma vez, comer grandes quantidades de frutose exacerbou a inflamação do cólon nesses animais.

Os pesquisadores reconhecem que os modelos da doença que usaram, podem não refletir com precisão a complexa interação de dieta, microbiota e doença em humanos.

Esta forma quimicamente induzida de colite, é uma forma cientificamente válida de estudar DII em humanos, mas neste estudo, os experimentadores usaram doses muito altas de frutose com poucos nutrientes.

Portanto, as descobertas podem não se traduzir em humanos, exceto em circunstâncias altamente específicas.

Olhando para o futuro, os pesquisadores planejam investigar maneiras de prevenir os efeitos inflamatórios da frutose na dieta.

Pessoas com DII apresentam risco aumentado de câncer de cólon como resultado de uma vida inteira de inflamação crônica no intestino. A equipe também planeja avaliar se comer uma dieta rica em frutose aumenta ainda mais esse risco.

Créditos de imagem:

<a href=’https://www.freepik.com/photos/woman’>Woman photo created by wirestock – www.freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *