Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Marcador inflamatório encontrado no sangue pode ser um alerta precoce para demência

Um novo estudo descobriu uma substância no plasma sanguíneo ligado à inflamação que pode ser um sinal de alerta para alguns tipos de demências. Cerca de 5,8 milhões de pessoas nos EUA são portadores de demência, o que pode afetar a capacidade de uma pessoa de pensar, falar, lembrar, relacionar-se com outras pessoas e executar tarefas diárias.

Um novo estudo descobriu uma substância no plasma sanguíneo ligado à inflamação que pode ser um sinal de alerta para alguns tipos de demências. Cerca de 5,8 milhões de pessoas nos EUA são portadores de demência, o que pode afetar a capacidade de uma pessoa de pensar, falar, lembrar, relacionar-se com outras pessoas e executar tarefas diárias.

A Demência, é uma das causas de morte que mais cresce no mundo, superando câncer de mama e o de próstata, como a sexta principal causa de morte nos EUA.

Demência é um termo genérico que se refere a várias condições que resultam de alterações cerebrais anormais que afetam a capacidade de pensar com várias causas possíveis.

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, seguida pela demência vascular, decorrente de sangramento microscópico e bloqueio de vasos sanguíneos no cérebro. Outras causas incluem deficiência vitamina B12 e distúrbios de tireoide.

O estudo, publicado na revista Neurology, tentou testar a ligação entre um marcador inflamatório no sangue (sCD14) e a demência. A esperança é que esses biomarcadores auxiliem no diagnóstico de demência.

Além dos biomarcadores da doença de Alzheimer (proteínas amiloide e tau), os biomarcadores de inflamação e lesão neuronal podem ajudar a melhorar a previsão de demência clínica, de acordo com os pesquisadores.

O que levou os pesquisadores a avaliar o risco de demência antecipadamente, foi o benefício potencial que isso pode trazer ao tratamento. O uso de biomarcadores sanguíneos são uma forma econômico e prática para encontrar o caminho para a intervenção antes do desenvolvimento da doença, possivelmente mudando o curso da vida do portador.

O desenvolvimento de biomarcadores sanguíneos são uma forma econômica para o diagnóstico de demência podendo melhorar a pesquisa e a prática clínica, permitindo a triagem generalizada de baixo custo e [auxiliando] na identificação de participantes de risco para estudos de prevenção de demência, de acordo com os pesquisadores.

Biomarcadores de inflamação neural, como o sCD14, são candidatos promissores para o estudo, uma vez que a inflamação parece ser um caminho comum desencadeado por uma variedade de mecanismos que levam à demência.

Inflamação – preditor chave da demência

A inflamação é um sinal comumente encontrado em diversas doenças neurológicas. Lesões no cérebro que predispõem a demência, seja devido a lesão cerebral vascular, proteopatia de Alzheimer ou trauma na cabeça, são acompanhadas por uma resposta neuro inflamatória.

No entanto, os cientistas não entendem completamente o papel da inflamação nos diferentes tipos de demência.

Com base em pesquisas anteriores em animais que sugeriram que o sCD14 ajuda a regular a resposta inflamatória do cérebro, os pesquisadores começaram a investigar seu uso como um biomarcador para o risco de declínio cognitivo e demência.

A nova pesquisa, baseada em dois estudos comunitários, analisou mais de 4.700 participantes. Em um dos estudos, a idade média era de 69 anos e, no outro, de 72 anos. Nos dois estudos, os pesquisadores mediram o sCD14 plasmático no sangue dos participantes.

No primeiro estudo, foi realizado ressonância magnética cerebral e testes cognitivos no primeiro ano e uma segunda rodada de testes após 7 anos. Eles também pesquisaram os participantes buscando sinais de demência por um período médio de 9 anos.

No segundo estudo, a equipe realizou a primeira ressonância magnética cerebral após 3 ou 4 anos do início da pesquisa e uma segunda ressonância magnética cerca de 5 anos depois.

O que os pesquisadores descobriram foi que níveis mais altos de sCD14 estavam associados a lesão cerebral e envelhecimento, além de declínio cognitivo.

Embora não tenha havido um estudo clínico para avaliar a eficácia da redução dos níveis de sCD14 e da capacidade cognitiva, existem tratamentos que usam medicamentos anti-inflamatórios, como estatinas, para diminuir o sCD14.

De acordo com os pesquisadores, como a demência é multifacetada, é muito  importante determinar quais combinações de biomarcadores melhor predizem o risco de demência.

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/327368.php#1

Créditos de imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background vector created by starline – www.freepik.com</a>

Facebook
Twitter
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Parceiros