Nova vacina promete tratamento mais barato e mais eficaz para portadores de colesterol elevado.

Cerca de 73,5 milhões de adultos americanos têm níveis elevados de colesterol “ruim”, mas apenas 1 em cada 3 mantem estes níveis sob controle.

Em um novo estudo, pesquisadores revelam o desenvolvimento de uma vacina que pode oferecer uma alternativa mais barata e mais eficaz aos tratamentos que reduzem o colesterol circulante.

Na revista Vaccine, estudo do pesquisador autor Dr. Bryce Chackerian – do Departamento de Genética Molecular e Microbiologia da Universidade do Novo México – revela como a nova vacina reduziu significativamente colesterol de lipoproteína (LDL) de baixa densidade em ratos e em macacos Rhesus.

O colesterol LDL é vulgarmente conhecido como “mau” colesterol, onde níveis elevados de colesterol LDL podem causar uma acumulação de placas de gordura nas artérias, aumentando o risco de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e outras doenças do coração – a principal causa de morte nos EUA.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), as pessoas com níveis elevados de colesterol LDL são duas vezes mais propensas a desenvolver doenças cardíacas do que aquelas com níveis normais.

Embora as mudanças de estilo de vida, tais como a adoção de uma dieta saudável e prática de atividade física, são a chave para a manutenção de níveis normais de colesterol.

Muitas pessoas fazem uso de estatinas para reduzir o colesterol LDL. Estatinas funcionam bloqueando uma enzima necessária para o fígado na produção de colesterol.
E, embora as estatinas possam ser eficazes, Dr. Chackerian e seus colegas observaram que elas não funcionam para todos e podem causar efeitos colaterais graves, incluindo dor muscular, lesão hepática, problemas digestivos e aumento do risco de diabetes.

A equipe de pesquisadores relata que a vacina funciona ao inibir uma proteína de regulação de colesterol no sangue chamada PCSK9 (pró-proteína convertase subtilisina / Kexin tipo 9) – e pode fornecer uma alternativa mais eficaz do que as estatinas.

A vacina contra o colesterol, poderia ter um grande impacto sobre a saúde em todo o mundo.

Para seu estudo, os pesquisadores criaram uma vacina bacteriófaga, que é uma partícula semelhante à um vírus, que produz respostas de anticorpos contra a PCSK9.

A PCSK9 funciona através da ligação ao receptor do colesterol LDL no sangue. No fígado, os receptores de LDL removem eficazmente o colesterol LDL a partir do sangue, mas quando PCSK9 se liga a ele, perde essa capacidade. Ao bloquear PCSK9 – o que faz a nova vacina – o receptor de LDL pode fazer o seu trabalho.

No teste de uma única dose da vacina em ratinhos de 4-6 semanas de idade, a equipe verificou uma redução significativa dos níveis de colesterol LDL. Quando combinado com estatinas, a equipe descobriu que a vacina produziu uma ainda maior redução no colesterol LDL entre os macacos Rhesus. As descobertas sugerem que a vacina pode também diminuir o colesterol em seres humanos, de acordo com os pesquisadores.

“Uma das coisas mais interessantes sobre esta nova vacina é parece ser muito mais eficaz do que as estatinas isoladamente”, observa Dr. Chackerian.

A nova vacina não é o primeiro tratamento para baixar o colesterol a ser desenvolvido, que tem como alvo PCSK9. Em agosto, os EUA Food and Drug Administration (FDA) aprovou uma droga chamada evolocumab (marca Repatha®) que utiliza anticorpos monoclonais para bloquear PCSK9 e diminuir o colesterol LDL.

O FDA aprovou a droga para ser usado juntamente com uma dieta saudável e terapia com estatina em valores máximos tolerados para adultos com uma predisposição genética para o colesterol elevado, bem como pacientes com ataque cardíaco e doença cardíaca que requerem maior redução do colesterol LDL.

No entanto, o Dr. Chackerian e colegas acreditam que sua vacina pode ser mais eficaz que os tratamentos convencionais como também pode ser uma alternativa muito mais barata, notando que as terapias à base de anticorpos monoclonais tem um custo muito elevado.

“Enquanto o mundo desenvolvido pode ser capaz de sustentar esses custos, a despesa é provável que seja um grande impedimento para o uso dessas drogas no mundo em desenvolvimento”, dizem os autores. “Em contraste, a vacinação é utilizada para uma ampla variedade de doenças transmissíveis na sua maioria infecciosas e sua eficiência tem sido comprovada por ser compatível com a infraestrutura de cuidados de saúde no mundo desenvolvido e em desenvolvimento.”

Os pesquisadores planejam realizar mais testes da vacina em macacos, e eles esperam com isso avançar com o desenvolvimento de vacinas juntando-se com parceiros comerciais.

Espero que tenham gostado.

Abraços medicinais.

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/articles/302458.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *