A busca para encontrar a fonte da juventude eterna é provavelmente tão antiga quanto o próprio envelhecimento. Uma nova pesquisa, publicada na revista Current Biology, leva humanidade mais um pequeno passo mais perto do prêmio. Um gene foi identificado e ele pode desempenhar um papel importante ao fazer as pessoas se enxergarem mais jovens por mais tempo.

Os seres humanos têm uma capacidade embutida, subconsciente para fazer um julgamento precipitado da idade com base no rosto de alguém.

Isso tem nos servido bem ao longo da história evolutiva; ler expressões faciais pode significar a diferença entre um encontro amigável, uma batalha até a morte.

Além das expressões faciais de raiva e medo, também estamos predispostos a julgar as pessoas pela sua idade, baseados na sua aparência.

Alguém mais jovem pode ser percebido como um rival ou ser escolhido como um parceiro em potencial relacionado à alguém mais velho, talvez isso ocorra como uma forma de tentar manter nosso DNA, através da fertilidade.

Uma equipe de pesquisadores da Holanda, pela primeira vez, identificaram um gene que é parcialmente responsável pela percepção de uma aparência mais jovem.

Embora um único gene por si só não pode explicar as complexidades do envelhecimento, a sua descoberta pode abrir as portas para novos caminhos de pesquisa.

A equipe, de Manfred Kayser do Erasmus Medical Center University Medical Center, de Roterdan investigou mais de 8.000.000 de variantes de DNA como parte de sua pesquisa.

O trabalho da equipe é um achado no marco no campo do envelhecimento e genética.

O que faz alguém parecer mais velho?

Estudos anteriores, têm demonstrado que a idade de alguém aparece de uma combinação de genes e o seu ambiente. A pesquisa mostrou também que a idade aparente do rosto de um indivíduo prevê saúde geral de uma pessoa e sua mortalidade.

Parece haver uma ligação, entre a idade percebida de um indivíduo e a saúde independentemente da sua idade cronológica.

Para o estudo, Kayser em parceria com David Gunn, apoiado pela empresa Unilever utilizaram dados do genoma de 2.600 adultos idoso e descobriram que um gene estava correlacionado com a idade facial percebida; e este gene é conhecido como MC1R.

“Pela primeira vez, um gene foi encontrado e explica, em parte, por que algumas pessoas olham de forma diferente para outros como mais velhos ou mais jovens independente de sua idade.”

Os indivíduos que carregavam uma variante particular de MC1R eram percebidos aparentando dois anos mais jovem do que sua idade real. Estes efeitos foram independentes da idade cronológica, o sexo e a quantidade de rugas.

Esta conclusão também foi apoiada pelos resultados de dois outros estudos de grande escala que investigam resultados semelhantes.

O papel de MC1R

MC1R possui instruções para a produção de um receptor de chamada de melanocortina. Este receptor tem um papel na coloração da pele, cabelo, e olhos. Este gene é responsável pelos cabelos ruivos e da pele clara com sardas. De acordo com os pesquisadores os portadores deste gene aparentam ter uma idade dois anos mais jovem.

O gene MC1R também é conhecido por desempenhar uma série de funções, incluindo respostas de inflamação e reparação de DNA danificado. Esta pode ser a chave para a compreensão de como a variante genética pode contribuir para as pessoas perceberem-se mais jovens.

Os pesquisadores observam que as ações de MC1R, pode eventualmente gerar mais de uma compreensão de como os genes influenciam o processo de envelhecimento em geral.

“Acreditamos que a percepção de idade é uma das melhores e mais emocionantes formas de medir o quão” bem “as pessoas estão envelhecendo, o que esperamos que este estudo possa levar a novos avanços com foco no envelhecimento e mais pesquisas em saúde em um futuro próximo.” De acordo com o pesquisador David Gunn que acredita que este gene possa auxiliar na criação de um produto estético que faça as pessoas aparentarem ser mais jovens.

O estudo atual possuiu uma amostra relativamente pequena, e os autores esperam aumentar em futuras investigações, segundo eles: “amostras maiores podem revelar os efeitos dos genes variantes adicionais sobre a idade percebida, bem como os seus efeitos em populações mais jovens.

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/articles/309568.php – Written by Tim Newman

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *