A Rosácea é uma doença inflamatória crônica da pele e pode estar ligado à doença de Parkinson através de mecanismos patogênicos comuns, de acordo com uma nova pesquisa publicada online pela JAMA Neurology.

A rosácea é uma doença crônica de pele, que provoca vermelhidão e espinhas no rosto e às vezes os olhos. Com o tempo, isso pode também causar espessamento da pele. Adultos de meia-idade e mais velhos, e especialmente as mulheres durante a menopausa, são mais propensas a desenvolver esta condição. Pessoas com pele clara são mais suscetíveis. Esta doença é conhecida também como acne rosácea e uma das causas seria ação de um parasita conhecido como Demodex folluculorum, presente nos folículos sebáceos, em sua forma oportunista, há também relação com alterações gastrointestinais, no entanto as causas da rosácea não são claras, mas há evidências de que a atividade de uma enzima chamada metaloproteinase de matriz que são enzimas envolvidas na remodelação do tecido, no desenvolvimento de órgãos e na regulação de processos inflamatórios.

Acreditava-se anteriormente que a Rosácea seria limitadamente uma doença de pele, esses novos resultados podem sugerir que a rosácea pode ter implicações sistémicas, incluindo o risco de doenças neurológicas como o Parkinson.

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que a doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum depois da doença de Alzheimer. A fundação da doença de Parkinson estima que até 1 milhão de americanos têm a doença, e que existem 60.000 novo diagnóstico cada ano.

Os primeiros sinais de mal de Parkinson incluem tremor, rigidez e dificuldade para caminhar; Eventualmente, o declínio cognitivo ocorre normalmente.

A doença de Parkinson afeta principalmente as pessoas mais velhas; o risco aumenta de 1% na idade de 60 anos a 4% em 80 anos. É mais comum entre os homens do que mulheres.

O aumento da atividade de metaloproteinase de matriz tem sido associada ao Parkinson e a outras desordens neurodegenerativas.

Dr. Alexander Egeberg, PhD, da Universidade de Copenhaguem, na Dinamarca, colaboradores vem estudando possíveis ligações entre novos casos de Parkinson e rosácea, usando dados de mais de 5,4 milhões de indivíduos.

Destes dados 22.387 indivíduos evoluíram para de Parkinson, enquanto que 68.053 tiveram rosácea ou seja acreditam que exista uma relação na ocorrência de rosácea como um sinal inicial na doença de Parkinson nos pacientes estudados. As taxas de Parkinson foram 3,54 por 10.000 pessoas-ano, em comparação com 7,62 por 10.000 pessoas-ano em pacientes com rosácea. Os pacientes que apresentaram rosácea desenvolveram Parkinson cerca de 2,4 anos antes.

Os pesquisadores acreditam que a uma das drogas utilizadas para o tratamento de rosácea, a tetraciclina poderia ter um efeito protetivo na evolução da doença de Parkinson.

Os autores concluem:

“Rosácea constitui um fator de risco independente para a doença de Parkinson. Esta associação pode ser devido a mecanismos patogénicos comuns que envolvem a atividade de metaloproteinases da matriz elevada.” Sendo assim mais estudos devem ser feitos no sentido de

Enquanto os resultados indicam uma ligação potencial entre rosácea e de Parkinson, os autores observam que é necessária mais investigação para estabelecer todas as causas subjacentes e outros possíveis fatores de risco e os estudos devem incluir as mais diversas populações.

Em um editorial ligado, Dr. Thomas S. Wingo, da Universidade Emory, em Atlanta, GA, diz que esta é a primeira pesquisa a sugerir uma associação significativa entre o risco de Parkinson e rosácea, e também pede mais investigação, especialmente sobre o potencial efeito de tetraciclina sobre este risco.

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/articles/308157.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *