Um novo estudo publicado na revista Neurology – Revista científica americana – fornece evidências de que o exercício na velhice pode diminuir a taxa de declínio cognitivo.

Dr. Clinton B. Wright, da Universidade de Miami, na Flórida, e colaboradores descobriram que adultos com mais de 50 anos de idade sedentários experimentaram um declínio cognitivo significativamente mais rápido relacionado à memória e habilidades de pensamento, em comparação com aqueles que se envolveram em atividade física moderada à intensa.

Este não é o primeiro estudo a associar o exercício nas fases mais tardias da vida e sua relação com melhores habilidades cognitivas. Uma pesquisa recente apresentada pelo Medical News Today, por exemplo, sugere que qualquer quantidade de exercício pode reduzir o risco de doença de Alzheimer de 50%.

E um outro estudo descobriram que exercícios aeróbicos regulares durante a meia idade e em indivíduos mais velhos podem ajudar a manter o cérebro saudável, protegendo contra os déficits comportamentais e inflamação relacionada com a idade em áreas do cérebro ligadas à memória e pensamento.

Estudos como estes são frequentes , mas os pesquisadores, mas os pesquisadores procuram compreender como os fatores de estilo de vida pode ajudar declínio cognitivo lento, especialmente com o envelhecimento da população.

“O número de pessoas com mais de 65 anos nos Estados Unidos está em ascensão, ou seja, a carga de saúde pública de problemas de memória e pensamento provavelmente vai crescer”, observa Dr. Wright.

O estudo mostrou que, para as pessoas mais velhas, fazer exercícios regulares pode ser protetivo, ajudando o indivíduo a manter a sua capacidade cognitiva por mais tempo.”

Para chegar a suas conclusões, a equipe avaliou dados de 876 adultos com 50 anos ou mais – média de idade de 71 anos – se problemas de memória ou outro tipo de distúrbio cognitivo e foi feito na cidade de Manhattan.

Como parte do estudo, foram convidados participantes que foram questionados quanto à prática e frequência de exercícios.

Cerca de 90% dos participantes relataram participar pouco ou nenhum exercício – yoga ou andar a pé – enquanto os outros 10% disseram que havia se envolvido em exercício moderado ou de alta intensidade, como corrida ou aeróbica.

Cerca de sete anos mais tarde, cada participante foi submetido exames de imagem cerebral por ressonância magnética (MRI) e participaram de testes de memória e pensamento. Estes testes cognitivos foram concluídos novamente cinco anos mais tarde.

O estudo concluiu que os que não praticavam exercício ou praticavam pouco apresentaram sinais de envelhecimento cognitivo 10 anos maior do que aqueles que praticavam.

A equipe diz que esta associação permaneceu após a contabilização de uma série de potenciais cognitivos associados como fatores de confusão, incluindo o consumo de álcool, tabagismo, índice de massa corporal (IMC) e pressão arterial.

A atividade física é uma opção atraente para reduzir a carga de déficit cognitivo em saúde pública, pois é de baixo custo e não interfere com o uso de medicamentos.

Os resultados sugerem que exercício moderado a intenso pode ajudar os idosos a retardar o envelhecimento do cérebro, mas mais pesquisa de ensaios clínicos randomizados que comparam programas de exercícios para indivíduos sedentários são necessários para confirmar estes resultados .

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/articles/308289.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *