As alterações cerebrais relacionadas a doença de Alzheimer, podem ocorrer até 20 anos antes de início dos sintomas de acordo com uma nova pesquisa – uma descoberta, que pode abrir o caminho para intervenções precoces que podem retardar e ou impedir o desenvolvimento da doença.

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, representando cerca de 60-80% de todos os casos. Cerca de 5,3 milhões de pessoas em os EUA têm a doença de Alzheimer, dos quais 5,1 milhões estão com 65 anos ou mais.

Pesquisadores já sabem que desenvolvimento do Alzheimer está relacionado com a morte das células cerebrais, especificamente os neurônios, o que leva a perda de memória e alterações de comportamento associados à doença.

Além disso, acredita-se que a morte das células do cérebro na doença de Alzheimer está relacionada com uma combinação de alterações inflamatórias cerebrais, emaranhados que se desenvolvem nos neurónios no interior (novelos neurofibrilares), causado por um acúmulo da proteína tau, e o desenvolvimento de placas entre as células cerebrais (placas senis) causada por um acúmulo de fragmentos de proteína beta-amilóide.

Os investigadores acreditam que estas placas e emaranhados prejudicam a comunicação entre células nervosas, o que interfere com os processos que ajudam na sobrevivência de células do cérebro (prejudicando a comunicação dos neurotransmissores).

No entanto, ainda não se sabe quando as placas, emaranhados e alterações inflamatórias cerebrais começam isso ainda é um mistério – Mas a Pesquisadora Profa. Dra. Agneta Nordberg, do Instituto Karolinska, na Suécia, e colaboradores acreditam ter desvendado este “MISTÉRIO” com o seu mais recente estudo.

E de que forma?…

Usando moléculas com marcadores radioativos para monitorar as mudanças cerebrais. (Estes marcadores funcionam como um marcador da função celular, demonstrando o funcionamento da mesma).

E as conclusões deste estudo, foram publicados na revista BRAIN, onde se relata que equipe escaneou (como se fosse uma fotografia interna) os cérebros de mais de 50 participantes usando tomografia de emissão de positrons (PET).

Alguns dos participantes do estudo possuíam um risco maior de doença de Alzheimer devido a ter parentes com mutações genéticas relacionadas com a doença, enquanto alguns pacientes eram portadores da doença de Alzheimer de forma esporádica (relacionada com a idade).

Todos os indivíduos receberam injeções com três moléculas marcadoras radioativas antes do PET – PIB, Deprenyl e FDG – o que permitiu aos pesquisadores controlar níveis de placas senis e inflamação pela proteína TAU, relacionada com a ativação de astrócitos, que é uma célula de apoio mais comum no cérebro.

Além disso, os pesquisadores mediram o metabolismo da glicose no cérebro dos participantes, fornecendo informações sobre a função das células do cérebro.

Os PET SCANS foram repetidos para metade dos participantes três anos mais tarde, permitindo, assim, que se avaliasse as mudanças no cérebro ao longo do tempo, e todos os sujeitos foram solicitados realizar testes de memória.

Entre os participantes com mutações genéticas relacionadas ao Alzheimer (aquela que passa de pais para filhos), os pesquisadores identificaram placas senis e alterações inflamatórias (novelos neurofibrilares) quase 20 anos antes do início estimado dos problemas de memória, o sinal mais comum da doença de Alzheimer.

Os pesquisadores descobriram, que quando as placas começam a se acumular no cérebro, a ativação de astrócitos atingia o seu pico o que se iniciou cerca de 20 anos antes dos sintomas e em seguida, entrou em declínio, contrastando com o acúmulo de placas senis, que aumenta constantemente ao longo do tempo até que os sintomas clínicos aparecessem”, explica o Profa. Nordberg. “O acúmulo de placas senis e o aumento no número de astrócitos (células na neuroglia que tem como função sustentação, nutrição dos neurônios e regulação dos neurotransmissores), exibiram no estudo padrões opostos ao longo da linha do tempo.”

E este tempo foi de aproximadamente 7 anos antes do aparecimento dos sintomas da doença de Alzheimer onde se observou que a função das células do cérebro começou a diminuir, de acordo com os investigadores.

De acordo com os autores, estes resultados sugerem que alterações inflamatórias cerebrais relacionadas com a doença de Alzheimer podem ocorrer muito antes do início da doença. E eles relatam que os astrócitos podem ser um alvo possível para o desenvolvimento da droga para o tratamento da doença; pois reduzindo a ativação de astrócitos no início da mesma poderia parar a evolução da doença, impedindo-a de se desenvolver e até mesmo mudar a progressão do seu curso.

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/categories/seniors

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *