Pesquisadores analisaram os registros de 85 indivíduos que morreram com o COVID-19 nos estágios iniciais do surto em Wuhan, China. A análise revelou que a maioria desses pacientes tinha algumas características  em comum.

Uma equipe de investigadores de oito instituições na China e Estados Unidos – incluindo o Hospital Geral do Exército de Libertação do Povo Chinês em Pequim e a Universidade da Califórnia – Davis – analisou recentemente os dados de 85 pacientes que morreram de falência de múltiplos órgãos recebeu atendimento para COVID-19 grave.

Todos os indivíduos cujos dados foram utilizados no estudo receberam atendimento no Hanan Hospital ou no Wuhan Union Hospital entre 9 de janeiro e 15 de fevereiro de 2020.

Os pesquisadores que conduziram o estudo descobriram uma série de características que a maioria desses pacientes compartilhava.

Eles relatam suas descobertas em um estudo publicado no American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine .

A equipe de pesquisa conseguiu acessar e analisar o histórico de saúde dos pacientes falecidos, inclusive se eles apresentavam alguma doença crônica subjacente.

Os pesquisadores também foram capazes de descobrir quais sintomas os pacientes experimentaram após contrair o vírus e acessar informações de exames laboratoriais e de imagem, além de informações sobre o tratamento que receberam nos hospitais.

Eles descobriram que 72,9% dos que morreram com COVID-19 eram do sexo masculino, com idade média de 65,8 anos e condições crônicas subjacentes, como problemas cardíacos e diabetes.

O maior número de mortes nos pacientes em estudo ocorreu em homens acima de 50 anos com doenças crônicas não transmissíveis, de acordo com os pesquisadores.

A equipe também observou que, entre os 85 pacientes cujos registros analisaram, os sintomas mais comuns do COVID-19 foram febre,  falta de ar e fadiga.

A equipe de pesquisadores também descobriu que 81,2% dos indivíduos do estudo  tinham eosinófilos muito baixos (um tipo de glóbulos brancos, que são células imunes especializadas que ajudam a combater infecções).

Entre as complicações que os pacientes sofreram durante a internação com COVID-19, algumas das mais comuns foram insuficiência respiratória, choque, síndrome do desconforto respiratório agudo e arritmia cardíaca.

Como parte do tratamento, a maioria foi medicada com antibióticos, antivirais e glicocorticoides, e alguns receberam imunoglobulinas intravenosas (também conhecidas como anticorpos) ou interferon alfa-2b (estimulante para a resposta imune).

No entanto, os pesquisadores observam que a eficácia de medicamentos, como antivirais ou imunossupressores, contra o COVID-19 não obteve eficácia.

Com base em suas observações, os autores indicam que os tratamentos, incluindo combinações de medicamentos antimicrobianos, na apresentaram efeito positivo.

Talvez a observação mais significativa seja que, embora os sintomas respiratórios possam não se desenvolver até uma semana após a apresentação, uma vez que ocorram, pode haver um rápido declínio, conforme indicado pela curta duração entre o momento da internação e a morte (6,35 dias em média) nos pacientes que fizeram parte do estudo.

Eles também sugerem que ter níveis anormalmente baixos de eosinófilos – uma condição conhecida como eosinofilopenia – pode se correlacionar com um risco maior de resultados graves em pessoas que contraíram COVID-19.

De acordo com os pesquisadores, a genética também pode desempenhar um papel importante na resposta à infecção, e o curso da pandemia pode mudar à medida que o vírus sofre mutação. Como esta é uma nova pandemia que está em constante mudança, acredita-se que a comunidade médica precisa manter a mente aberta à medida que mais e mais estudos são realizados.

Fonte:

https://www.atsjournals.org/doi/10.1164/rccm.202003-0543OC

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *