Algumas pessoas podem ser mais propensas ao comprometimento da memória do que outras devido a uma série de fatores de risco.

Existem fatores de risco sobre os quais uma pessoa não tem controle, como a genética, em outros casos doenças como as demências, em particular a doença de Alzheimer.

A perda de memória pode ser um sintoma de incapacidade cognitiva. É um dos motivos mais comuns para que indivíduos, especialmente os mais idosos, busquem ajuda.

A memória pode ser na forma de memória de curto prazo ou de longo prazo, dependendo quão importantes são essas lembranças para cada um de nós.

  • memória de curto prazo, reserva informações temporárias, como uma lista de compras do mercado, o pagamento de uma conta, ou o nome de um vizinho que acabou de mudar.
  • memória de longo prazo, como o nome sugere, armazena lembranças (como o dia do casamento o lugar onde nasceu, entre outros) por mais tempo.

A memória de curto prazo e a memória de longo prazo são armazenadas em partes diferentes do cérebro. A memória de longo prazo é armazenada em diferentes partes do cérebro. Uma parte específica do cérebro (hipocampo) ajuda a classificar informações novas e associá-las a informações semelhantes já armazenadas no cérebro, é neste local onde ficam as memórias de curto prazo. Entretanto quanto mais as memórias de curto prazo são lembradas ou repetidas, mais provável que se tornem memórias de longo prazo.

As causas mais comuns de perda de memória são:

O processo de envelhecimento – (chamada perda de memória associada à idade) referem-se ao declínio normal e leve do funcionamento do cérebro que ocorre conforme envelhecemos. A maioria das pessoas idosas apresenta alguns problemas de memória. Lembrar-se de coisas novas, como o nome de um vizinho novo ou como usar um novo programa de computador, demora mais. Pessoas idosas também precisam repetir novas lembranças com mais frequência para que elas sejam guardadas. Pessoas com esse tipo de perda de memória ocasionalmente esquecem-se de coisas, como onde deixaram as chaves do carro. Mas para eles, ao contrário de pessoas com demência, a capacidade de executar as atividades diárias ou de pensar não está comprometida. Dado tempo suficiente, essas pessoas geralmente se lembram, embora, às vezes, mais tarde do que seria conveniente. Esse tipo de perda de memória não é um sinal de demência nem o início da doença de Alzheimer.

Comprometimento cognitivo leve – é um termo impreciso usado para descrever comprometimentos do funcionamento mental que são mais graves do que as alterações relacionadas à idade, mas menos grave do que alterações causadas por demência. A perda de memória é muitas vezes o sintoma mais óbvio. Pessoas com deficiência cognitiva leve têm dificuldade em lembrar de conversas recentes e podem esquecer compromissos ou eventos sociais importantes, mas eles normalmente se lembram de eventos passados. A atenção e a capacidade de executar tarefas diárias não são afetadas. Contudo, metade das pessoas com deficiência cognitiva leve desenvolvem demência em 3 anos.

Demência – declínio grave do funcionamento mental. A perda de memória, especialmente de informações adquiridas recentemente, geralmente o primeiro sintoma e piora com o passar do tempo. Apresentam dificuldade em lembrar como fazer coisas que já fizeram diversas vezes antes, e como chegar a lugares que já visitaram frequentemente

  • Não conseguem fazer coisas que exigem sequenciamento, como seguir uma receita
  • Esquecem de pagar contas ou manter compromissos agendados
  • Esquecer de apagar o fogão, trancar a casa onde moram ou cuidar de uma criança que esteja sob sua responsabilidade

Ao contrário das pessoas com alterações na memória relacionadas à idade, as pessoas com demência não têm consciência da perda de memória e, muitas vezes, negam que tenham essa perda.

Encontrar a palavra certa, nomear objetos, compreender a linguagem e executar, planejar e organizar atividades diárias são tarefas cada vez mais difíceis. Pessoas com demência acabam ficando desorientadas, sem saber a data (mesmo o ano) em que estão, ou onde estão. A personalidade pode sofrer alterações, costumam mais irritadas, ansiosas, paranoicas, inflexíveis ou perturbadas.

Depressão – pode causar um tipo de perda de memória (chamada pseudo demência) que se assemelha à perda de memória causada por demência. Além disso, a demência comumente causa depressão. Assim, é difícil definir se a causa da perda de memória é demência ou depressão. No entanto, pessoas com perda de memória causada por depressão, tem características diferentes daqueles com demência, ou seja, estão cientes da perda de sua memória e reclamam disso. Elas também raramente se esquecem de eventos atuais ou questões pessoais importantes e geralmente apresentam outros sintomas, como tristeza intensa, problemas de sono (dormem demais ou pouco), lentidão e alteração de apetite.

Quando devemos nos preocupar em relação com a memória:

Sinais de alerta

A perda de memória, com esses sintomas específicos são causa de preocupação:

  • Dificuldade em executar atividades diárias habituais
  • Dificuldade em prestar atenção e flutuações no nível de consciência – sintomas que sugerem delirium
  • Depressão

Créditos  de imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/vintage”>Vintage photo created by freepic.diller – www.freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *