A demência vascular é um dano no cérebro que ocorre devido à redução do fluxo sanguíneo. Geralmente a demência vascular, no entanto existem várias outras causas potenciais e fatores de risco para sua ocorrência.

A demência vascular é a segunda forma mais comum de demência após a doença de Alzheimer. Geralmente afeta a memória, o raciocínio e outros processos de pensamento.

O tratamento pode ajudar a retardar ou impedir a progressão da condição.

A demência vascular ocorre quando o fluxo sanguíneo restrito ao cérebro danifica as células cerebrais. Sem sangue fresco suficiente fluindo para o cérebro, as células podem ser danificadas e morrer. O processo de reparo nessas células é lento, e o corpo nem sempre pode substituí-las.

Os sintomas surgir repentinamente, como após um acidente vascular cerebral ou evento isquêmico. Em outros casos, o dano celular pode se acumular ao longo do tempo. Nesse caso, os sintomas pioram gradualmente.

Os efeitos da demência vascular podem variar de leve a grave. Os sintomas, podem afetar a qualidade de vida do portador e  sua capacidade de viver de forma independente.

Causas e fatores de risco

A causa da demência vascular é a falta de fluxo sanguíneo no cérebro. Existem várias condições diferentes que podem causar essa restrição, gradual ou imediatamente:

Acidente vascular encefálico

Um acidente vascular cerebral ocorre quando um vaso sanguíneo que leva ao cérebro se rompe ou fica bloqueado por um coágulo. O acidente vascular cerebral pode causar inúmeros efeitos no corpo, um dos quais é o desenvolvimento de demência vascular.

Vasos sanguíneos danificados ou estreitados

Os vasos sanguíneos danificados ou estreitados, que levam suprimento ao cérebro também podem causar demência vascular. Por esse motivo, condições que danificam os vasos sanguíneos ao longo do tempo ou os fazem estreitar também podem aumentar o risco de demência vascular.

Outros fatores de risco

O risco de demência vascular, tende a aumentar à medida que a pessoa envelhece. Acredita-se que esta condição afeta quase um terço das pessoas com mais de 70 anos.

Além disso, vários outros fatores e condições podem aumentar o risco de vasos sanguíneos danificados e demência vascular, incluindo:

  • Fumar
  • Obesidade
  • Ritmos cardíacos anormais
  • Colesterol alto
  • Hipertensão
  • Aterosclerose
  • Diabetes

Sintomas

Os efeitos da demência vascular variam de pessoa para pessoa, dependendo do local onde o fluxo sanguíneo no cérebro é mais limitado. Alguns possíveis sintomas de demência vascular incluem:

  • dificuldade em se concentrar
  • confusão geral
  • dor de cabeça súbita, dormência ou paralisia de um lado da face ou do corpo, que característicos de sintomas do derrame
  • dificuldade em prestar atenção
  • dificuldade em analisar problemas ou situações
  • dificuldade em tomar decisões
  • irritação
  • alterações de humor
  • mudanças de personalidade

Em alguns casos, como quando os sintomas aparecem após um acidente vascular cerebral, a causa pode ser fácil de identificar.

Em outros casos, no entanto, os sintomas aparecem lentamente ao longo do tempo e podem dificultar o diagnóstico.

 

Diagnóstico

Não existe um teste único para determinar se alguém tem ou não demência vascular. Um médico fará um exame físico e perguntará sobre o histórico e os sintomas.

Pode ser necessário a realização de exames para descartar outras causas potenciais dos sintomas, incluindo:

Testes neuro cognitivos

Utilizados para avaliar as habilidades mentais, incluindo:

  • raciocínio
  • memória
  • solução de problemas
  • julgamento
  • planejamento

Esses testes ajudam a diferenciar os tipos de demência. Um exemplo é a perda de memória que é mais comum na doença de Alzheimer, enquanto problemas de organização, resolução de problemas e atenção podem estar ligados à demência vascular.

Exames de sangue

Os médicos podem precisar solicitar exames laboratoriais para verificar indicadores de saúde que não são aparentes no histórico do paciente. Isso pode incluir testes para verificar os níveis de colesterol ou açúcar no sangue.

Podem ser indicados testes adicionais para ajudar a descartar outros problemas que podem causar sintomas semelhantes, como deficiências de  Vitaminas (B), anemia e tireoide.

Testes de imagem

Os exames de imagem a localizar danos visíveis ou alterações no cérebro, como o impacto do trauma ou de um derrame.

Os exames mais comumente indicados são:

Exames de ressonância magnética

A ressonância magnética usa ondas de rádio e um campo magnético para produzir imagens altamente detalhadas do cérebro. Isso pode ajudar a documentar com precisão as alterações no cérebro devido a derrames, ataques isquêmicos transitórios ou outros problemas nos vasos sanguíneos.

Tomografias computadorizadas

Pode ser indicada a tomografia computadorizada para mostrar alterações visíveis no cérebro ou vasos sanguíneos. Uma tomografia computadorizada captura imagens de raios-X de vários ângulos e as compila para criar uma imagem 3D.

Varreduras de ultra-som

A ecografia pode ser indicada, para verificar as artérias carótidas, que são as principais artérias que conduzem ao cérebro. Os exames de ultrassom usam altas frequências para capturar imagens de tecidos moles no corpo, como as artérias.

Tratamento

Atualmente, não há cura para a demência vascular, pois não há como reverter os danos ao cérebro. No entanto, pode ser possível retardar ou às vezes interromper a progressão da condição controlando certos fatores de risco.

Um plano de tratamento típico para demência vascular, envolve medidas para gerenciar a condição e controlar quaisquer outros fatores de risco, objetivando um plano de tratamento individualizado.

O tratamento geralmente inclui medicamentos ou terapias para tratar doença cardiovascular subjacente, o que ajuda a reduzir o risco de derrame ou outros eventos isquêmicos. Os medicamentos podem ajudar a gerenciar alguns dos sintomas, incluindo déficits de memória.

Prevenção

Algumas dicas para gerenciar a demência vascular incluem:

  • pratique exercícios regularmente
  • mantenha um peso saudável
  • ingestão de dieta saudável
  • manter uma pressão sanguínea saudável
  • reduzir o colesterol
  • parar de fumar
  • limitar o consumo de álcool
  • controlar ou prevenir diabetes
  • reduzir os níveis de estresse
Fonte:

CARAMELLI, Paulo; BARBOSA, Maira Tonidandel. Como diagnosticar as quatro causas mais freqüentes de demência?. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 24, p. 7-10, 2002.

ENGELHARDT, Eliasz et al. Demência vascular. Criterios diagnosticos e exames complementares. Dementia & Neuropsychologia, v. 5, n. 1, p. 49-77, 2011.

ANDRÉ, Charles. Demência vascular: dificuldades diagnósticas e tratamento. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 56, n. 3A, p. 498-510, 1998.

SMID, Jerusa et al. Caracterização clínica da demência vascular: avaliação retrospectiva de uma amostra de pacientes ambulatoriais. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 59, n. 2B, p. 390-393, 2001.

Créditos de imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background photo created by kjpargeter – www.freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *