Viajar, ahhh… Nada melhor do que nos permitir uns dias de férias de nossa rotina diária, da monotonia ou estresse do nosso dia a dia.
E, por que não viajando?
Isso mesmo, conhecer novos lugares, novas culturas, pessoas legais e nos divertir.
A partir de agora o nosso site irá apresentar lugares legais, que você pode conhecer e aproveitar ao máximo os passeios, dicas que iremos recomendar a você, que está entrando ou já está na maturidade.
Sejam bem-vindos a nossa viagem e a primeira parada será em Sergipe, principalmente na capital Aracajú. Então vamos lá…

Conhecendo um pouco da histório do Sergipe

Siri-i-pe: Em tupi, siri é “caranguejo”, i é “água”, pé significa “caminho ”ou “curso = curso do rio dos siris, ou simplesmente rio dos siris. Na linguagem do colonizador, Siri-i-pe transformou-se em Sergipe.

Siri-i-pe, palavra de origem tupi, significa “curso do rio dos siris”, ou simplesmente “rio dos siris”. Mais tarde foi adotado Cirizipe ou Cerigipe, que significa “ferrão de siri”, nome de um dos cinco caciques que se opuseram ao domínio português. Na linguagem do colonizador, Siri-i-pe transformou se em Sergipe. Com a divisão do Brasil em 15 (quinze) Capitanias Hereditárias, o atual território sergipano fazia parte da capitania que se estendia da foz do rio São Francisco à Ponta do Padrão na Bahia (Baía de Todos os Santos), concedida a Francisco Pereira Coutinho, em 1534, por Carta de Doação. A presença de Coutinho não alcançou as terras sergipanas, favorecendo a ação dos piratas franceses que contrabandeavam o pau-brasil, contando com a colaboração dos Tupinambás, tribo indígena que habitava o litoral sergipano.

A colonização só foi possível depois da tomada, em 1590, das aldeias indígenas hostis à ocupação.

– A fundação do Arraial de São Cristóvão, sede da capitania de Sergipe del-Rey, torna a região importante polo de criação de gado e plantação de cana-de-açúcar.

– As invasões holandesas prejudicam a economia, recuperada com a volta dos portugueses, que retomam as antigas atividades.

– Em 1763, é anexado à Bahia e torna-se responsável por um terço da produção açucareira baiana.

– Volta a ser autônoma em 1820, por decreto de Dom João VI.

– Com o fim do ciclo do açúcar, ocorre um aumento considerável na produção de algodão em consequência da Guerra da Secessão, nos EUA.

– No início da República, sedia diversos movimentos rebeldes que disputam a hegemonia política local

Conhecendo o Estado

Capital: Aracajú

População: 2.219.574 Habitantes aproximadamente.

Área Total: 22.020,0 Km2 . O menor Estado da Federação.

Municípios: 75

Localização: Fica na porção leste da região Nordeste do Brasil

Limites: Ao Norte se localiza o estado de Alagoas. Ao leste está o Oceano Atlântico e ao Sul o Estado da Bahia

Clima/Temperatura:
O clima no Estado é tropical, com chuvas mais frequentes na costa e longas estiagens no interior, especialmente na região semiárida. As temperaturas médias anuais ficam em torno de 23 e 24º C. Costuma chover com mais frequências nos meses de Abril, Maio, Junho e Julho, na maioria das vezes no final da tarde e chuvas rápidas, principalmente na Capital Aracajú, sendo o clima quente predominante nos 12 meses do ano.

Relevo:
Seu relevo caracteriza-se pela predominância de terrenos baixos e várzeas nas proximidades do litoral, onde há uma faixa úmida voltada para o oceano; planícies na parte norte do Estado; e planalto semiárido em sua região noroeste.

Hidrografia:
O principal rio que banha o Estado de Sergipe é o São Francisco, um dos mais importantes do Brasil. Sua bacia hidrográfica inclui também os rios Vaza Barris, Sergipe, Japaratuba, Piauí e Real.

Vegetação:
A vegetação predominante distingue a paisagem típica litorânea, de coqueiros e vegetação rasteira, da caatinga encontrada no interior. As extensas florestas anteriormente existentes desapareceram substituídas pelo cultivo agrícola ou pela exportação das madeiras nobres, ainda nos tempos da colônia.

Culinária sergipana

​A formação cultural de Sergipe gerou uma diversificada culinária, marcada, no entanto, por singulares diferenças. Como aconteceu em todo o Nordeste, a comida típica recebeu influência de negros, brancos e índios. Todas essas influências contribuem para que a cozinha sergipana seja saborosa, rústica, perfumada, simples, e que traga a marca do passado em seus ingredientes.

E a variedade é grande. Enquanto os doces e gostosuras, foram trazidos pelos portugueses, os índios contribuíram com o hábito de comer raízes, como a macaxeira e o inhame. Os negros, por sua vez, comiam a carne seca e aquelas partes menos nobres que deram origem a pratos bastante apreciados por aqui: o sarapatel (nas versões de porco, boi e frango), a rabada e a feijoada, que em Sergipe é preparada com bastante verdura. Estes enriqueceram as receitas que conheciam com ingredientes que a natureza local oferecia.

Às margens de rios e nas praias é comum saborear pratos à base de frutos do mar, servidos de diversas formas: ensopados, escaldados, cozidos, ou fritos, utilizando ingredientes como camarão, lagosta, uma grande variedade de peixes e os famosos caranguejos. Na região do sertão dá-se mais ênfase à carne de bode e a de carneiro, com a buchada e a carne-de-sol com pirão de leite.

A cozinha regional é caracterizada pelo tradicional café nordestino com delícias como a torta de macaxeira com charque, o cuscuz, o beiju de tapioca, arroz-doce, batata-doce, inhame, pé-de-moleque, que costumam ser servidos nos cafés-da-manhã e na hora do jantar.

Mas, sem dúvida, a maior variedade de cores e sabores está entre as receitas que utilizam as frutas típicas como mangaba, graviola, pitanga, seriguela, cajá, carambola, manga, araçá, caju, entre outras, que podem ser saboreadas tanto in natura, como serem base para a preparação de sucos, sorvetes e outras delícias.

“Dicas de onde comer”

​Os estados nordestinos têm uma culinária muito parecida, os pratos em sua maioria são a base de frutos do mar e um tempero muito utilizado nessas regiões é o coentro, que tem um sabor muito peculiar e forte, desta forma caso não aprecie o tempero solicite a exclusão do mesmo no preparo do seu prato.

Outro cuidado, é em relação ao leite de coco e ao azeite de dendê, muito utilizados no preparo de moquecas e dos pescados, se você nunca provou, ou não está acostumado, coma com parcimônia, pois o consumo exagerado pode causar desarranjos intestinais.

Evite consumir produtos na praia de origem duvidosa, pois o consumo de frutos do mar estragados, podem estragar literalmente sua viagem.

Beba bastante água, o clima é muito quente, o que pode levar a uma maior perda de líquidos pelo suor (denomina-se perda insensível), hidratação é fundamental.

Em Aracajú, a Orla de Atalaia tem a passarela do caranguejo, lá você pode saborear este crustáceo em locais acolhedores e com preparo adequado. Em alguns locais existem viveiros, onde o cliente escolhe o crustáceo que deseja consumir dentro do viveiro, cujo preparo é imediato. Geralmente o crustáceo é servido juntamente com o pirão do mesmo.

Os restaurantes da orla de Atalaia são uma delícia a parte, então lugares que você não pode deixar de ir:

– Churrascaria Sal e Brasa – ambiente acolhedor, preço acessível e o serviço de rodízio com uma grande variedades de carnes – em especial o churrasco de carne do sol, não deixe de provar – além de buffet de comida japonesa que vale a pena conferir.

– Restaurante República dos Camarões – fica próximo da churrascaria Sal e Brasa, serve pratos de frutos do mar deliciosos, mas caso você não goste, a carne do sol é maravilhosa o couvert vale a pena, tem um patê de Atum e Salmão divinos.
Endereço: Av. Santos Dumont, s/n – Quiosque 10 Praia de Atalaia Tel.: (79) 33042-6788.

– Pitú com Pirão da Eliane – O forte são os frutos do mar em especial o que dá o nome Pitu, não deixe de provar o Filé de Pitú, que vem acompanhado de Pirão e arroz uma delícia.
Endereço: Av. Santos Dumont, 957 Praia de Atalaia Tel.: (79) 3243-4747.

– Restaurante Encantos do Mar – oferece um ambiente agradável e um cardápio variado de frutos do mar e comida típica como carne do sol, as preços são bem acessíveis e parece muito com um quiosque a beira mar. Vale a pena conferir.
Endereço: Av. Santos Dumont, Quiosque 5 Orla de Atalaia Tel.: (79) 3243-5422.

– Na orla de Aracajú em frente aos Hotéis Radisson e Aquarius você pode desfrutar de um dos pratos preferidos do Sergipano: a Tapioca.

Vários quiosques estão espalhados pelo local, com fácil estacionamento, você pode escolher entre as dezenas de sabores dessa iguaria, desde tapioca de carne seca que vem bem recheada até tapioca de coco que é uma delícia.
Endereço: Av. Santos Dumont.

“Dicas de diversão”

Bem uma ótima opção noturna, é conhecer o Restaurante e Casa de Show Cariri, onde você pode para pelo jantar acompanhado de um bom forró pé de serra e ao final ir ao baile, onde o forró come solto até a madrugada, bom para quem gosta de dançar e se você não sabe, dançarinos da casa lhe ensinarão os passos básicos desta dança.

Não deixe de provar os pratos típicos que a casa oferece, o caldinho de Sururú é uma delícia e o peixe ao molho de camarão divino.
Endereço: Avenida Santos Dumont, s/nº, Atalaia – Aracaju – SE, 49035-730. Tel.:(79) 3243-1379

– Durante o dia as praias de Aracajú são uma beleza a parte, a praia de Atalaia com o mar calmo e próprio para banho em sua maioria, indico a Barraca do Jota, que fica próximo ao farol na ponta da própria, lugar aconchegante, cardápio variado e a simpatia dos garçons dá vontade de voltar de novo.

– A Praia do Robalo é também um local interessante, em especial a barraca do Baixinho, um point onde encontramos turistas de toda parte.

– O passeio pela orla no final da tarde é uma opção obrigatória, o ar marinho e o fluxo de pessoas nos remetem a um clima de cidade do interior, tem um lago ao lado do projeto TAMAR, onde você pode andar de pedalinho, ou alugar uma bicicleta.

– Projeto TAMAR, vale a pena conhecer o trabalho dos biólogos na preservação das tartarugas marinhas. Pela manhã e no final da tarde os animais são alimentados e caso tenha coragem pode pegar uma fila e fazer carinho nos tubarões lixa. Pessoal da terceira idade, professores e crianças pagam meia, vale a pena o passeio.
Endereço: SE-100, 1010 – Atalaia, Aracaju – SE, 49037-475 Telefone: (79) 3243-3214.

“Dicas de passeio”

– Mercado Municipal – comidas típicas, artesanato vale a pena conferir.

– Feira do Artesanato – Na praia de Atalaia, vale a pena conferir, belíssimas peças artesanais em cerâmica, pulseiras, colares, pathwork, bordados e muito mais.

– Cânions do Xingô – Passeio longo mas que vale a pena, são mais de 3 horas de ida e mais 3 de volta, o passeio é fascinante.

Foz do São Francisco – Lugar lindo onde podemos observar a grandeza deste rio que banha vários estados do nordeste além de Minas Gerais no Sudeste, inspiração da novela Velho Chico, algumas cenas da novela foram gravadas lá.

– Croa do Goré com a Praia dos Namorados – Este você não pode deixar de fazer, um passeio de catamarã cuja primeira parada é um banco de areia no Rio Goré onde se pode desfrutar de um banho no meio do rio com aguas quentes e calmas e após a embarcação segue a ilha dos namorados no mar, onde dá para almoçar e desfrutar de uma boa rede dentro da água.

– Mangue Seco – Fica na Bahia, mas é um passeio que também sai de Aracajú. As dunas se movimentam o tempo todo, neste local foi gravada a novela Tieta do Agreste.

– Cidades Históricas – São Cristóvão – a 4º cidade mais antiga do Brasil vale a pena contratar um guia local, ele irá te apresentar a cidade e você decide o valor que irá pagar no final do passeio, indico o guia Galego, ele conhece muito a cidade, é super simpático e atencioso. Outra cidade é Laranjeiras com seus museus e artesanatos típicos.

“Dicas de hospedagem”

Há vários hotéis na orla de Atalaia, ficamos hospedados no Hotel Aquarius, que possui excelente infraestrutura, acomodações acolhedoras, café da manhã sensacional, servem tapioca feita na hora e um cuscuz de milho delicioso, todos os dias tem bolos, tortas e doces diferentes. A piscina é propícia para crianças e para quem não sabe nadar, pois sua parte mais profunda tem 135 cm, tem também uma Jacuzzi com hidromassagem. Uma boa opção de hospedagem e fica de frente para a praia de Atalaia.
Endereço: Av. Santos Dumont, 1378 – Praia de Atalaia, Aracaju – SE Telefone: (79) 2107-5200.

“Dicas de locomoção”

​Uma boa opção é o taxi, não é muito caro e você pode utilizar os aplicativos, que aceitam cartão em sua maioria, mas tem também a bicicleta e de quinta a domingo o trenzinho da orla na praia de Atalaia.

Bem pessoal espero que tenham gostado das dicas e que aproveitem bem o passeio a esta cidade acolhedora, muito limpa e organizada com pessoas incrivelmente simpáticas e alegres.

Por Cristina Braga

Fotos: Cristina Braga

Fontes:

http://www.conhecasergipe.com.br
http://www.se.gov.br/loginapp
http://www.guiademidia.com.br/cidades/sergipe.htm
http://www.feriasbrasil.com.br/se/aracaju/dicas.cfm?IDgrupo=20

AGORA VEJAM O VIDEO DESTA MARAVILHOSA ODISSÉIA!!!

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *