Distúrbio neurocognitivo, anteriormente denominado demência, refere-se a uma ampla gama de distúrbios que afetam o cérebro.

Os distúrbios neurocognitivos são caracterizados por declínio cognitivo adquirido em um ou mais domínios cerebrais. Esses distúrbios tendem a envolver problemas de pensamento, raciocínio, memória e resolução de problemas. Podem ser classificados como leves ou graves, dependendo de quão severamente, os sintomas afetam a capacidade do indivíduo ser independentemente nas atividades diárias.

Alguns tipos de neurocognitivos como a doença de Parkinson, podem levar a deficiências físicas.

Os fatores subjacentes a diferentes tipos de distúrbios neurocognitivos incluem condições metabólicas e endócrinas, deficiências nutricionais, abuso de substâncias, traumas e infecções.

Comumente, esse tipo de condição afeta pessoas mais velhas, mas não faz parte do processo normal de envelhecimento.  Demência é um termo comum para condições como Alzheimer e outros distúrbios neurocognitivos.

O termo “demência” ainda é usado, mas geralmente se refere a demências degenerativas com maior probabilidade de ocorrer em idosos, sendo  menos provável esta terminologia, em condições resultantes de, trauma ou abuso de substâncias, que podem surgir em pacientes mais jovens.

Tipos de transtornos neurocognitivos

Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é forma mais comum de distúrbio neurocognitivo. Afeta entre 60% à 80% de todas as pessoas com demência.

Nos estágios iniciais, portadores de Alzheimer podem ter dificuldades em lembrar eventos recentes, conversas e nomes de pessoas, podem também apresentar depressão.

Com o tempo, fica mais difícil a comunicação, e o julgamento pode ficar prejudicado. O portador pode se sentir desorientado e confuso. O comportamento pode mudar, e atividades físicas como engolir e caminhar podem se tornar mais difíceis.

Doença de Creutzfeldt-Jakob

A Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ) é uma doença neurodegenerativa, caracterizada por provocar uma desordem cerebral com perda de memória e tremores. É de rápida evolução, e de forma inevitável, leva à morte do paciente. A doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ) é um tipo de Encefalopatia Espongiforme Transmissível (EET) que acomete os humanos. Estes distúrbios tem essa denominação devido ao seu poder de transmissibilidade e suas características neuropatológicas que provocam alterações espongiformes no cérebro das pessoas (aspectos esponjosos). Este distúrbio pode ser desencadeado por proteínas de príons. Os príons são agentes infecciosos de tamanho menor que os dos vírus, formados apenas por proteínas altamente estáveis e resistentes a diversos processos físico-químicos.

Alguns tipos de DCJ incluem encefalopatia espongiforme bovina ou “doença da vaca louca”. Os sintomas incluem mudanças rápidas de memória, de comportamento e movimento. É uma condição rara e fatal.

Demência de corpos de Lewy

Os sintomas podem se assemelhar aos da doença de Alzheimer, mas também pode causar distúrbios do sono, alucinações visuais e um padrão de marcha instável.

Os corpos de Lewy são coleções de proteínas que se desenvolvem dentro das células nervosas e as impedem de funcionar adequadamente denominadas corpos de Lewy.

Demência fronto temporal – Demência de Pick

Essa condição pode desencadear mudanças na maneira como as pessoas se comportam e como elas se relacionam com as outras. Também pode causar problemas de linguagem e movimento.

A demência fronto temporal geralmente surge por volta dos 60 anos, mas pode ocorrer em indivíduos mais jovens. Envolve uma perda de células nervosas.

Mal de Parkinson

Parkinson é um distúrbio do sistema motor. Os sinais incluem tremores, especialmente tremores nas mãos, bradicinesia e dificuldades de marcha. Também pode levar a depressão e mudanças comportamentais.

Nos estágios posteriores, o indivíduo pode ter dificuldade para falar e distúrbios do sono.

Doença de Huntington

Huntington é um distúrbio genético que resulta de um defeito no cromossomo 4. Pode levar a alterações de humor, movimentos anormais e depressão.

O portador pode experimentar um declínio contínuo nas habilidades de raciocínio e raciocínio, apresentar fala arrastada e problemas de coordenação. Ocorre comumente entre as idades de 30 e 50 anos.

Demência mista

Demência mista significa que a condição tem mais de uma causa. Exemplos incluem demência corporal de Lewy combinada com demência vascular ou doença de Alzheimer.

Hidrocefalia de pressão normal

Acontece quando ocorre um acúmulo de líquido cefalorraquidiano provocando aumento da pressão no cérebro.

Os sintomas podem incluir perda de memória, problemas de movimento e incapacidade de controlar a micção. Isso pode acontecer em qualquer idade, mas é mais comum entre os idosos.

Demência vascular

Também conhecida como demência pós-AVC, quando há sangramento ou bloqueio de vasos no cérebro. Afeta o pensamento e os movimentos físicos do portador.

Segundo a Associação de Alzheimer, os sintomas iniciais podem incluir a incapacidade de organizar, planejar ou tomar decisões.

Síndrome de Wernicke-Korsakoff

Isso pode resultar de uma deficiência crônica de vitamina B1 ou tiamina. É mais comum em indivíduos que abusam cronicamente do álcool.

O principal sintoma é a memória gravemente comprometida, incluindo falhas de memória de longo prazo, que o portador pode tentar preencher com versões incorretas do que elas acham que aconteceu. Essa mentira não intencional é conhecida como confabulação.

Fatores de risco

Embora a causa da doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência, permaneça desconhecida, várias opções de estilo de vida podem ajudar a prevenir outras formas de demência.

Os seguintes fatores podem reduzir o risco de danos cognitivos:

  • evitar consumo excessivo de álcool e tabagismo
  • manter um nível saudável de pressão arterial;
  • controlar diabetes.

Dicas de estilo de vida

As complicações podem incluir uma deterioração da saúde física, à medida que o indivíduo se torna menos capaz de cuidar de si ou de se alimentar adequadamente.

Embora seja comum que os sintomas de distúrbio neurocognitivo piorem gradualmente, o portador pode continuar a viver de forma independente por algum tempo após um diagnóstico.

Seguem algumas dicas para se manter ativo:

Contato social: É importante manter contato com outras pessoas e continuar a ver amigos e familiares. Participar de um grupo de suporte pode ajudar.

Sono: O sono pode representar um problema. As boas dicas de controle do sono incluem manter a hora de dormir regular, não cochilar durante o dia e evitar álcool ou cafeína à noite.

Mantendo-se ativo: após um diagnóstico, muitas pessoas podem continuar fazendo o que sempre gostaram, como caminhar ou jardinar.

Obtendo suporte: Com o tempo, a pessoa pode precisar de ajuda em casa. O cuidado residencial pode ser necessário quando a vida independente se torna muito difícil.

A família ou os amigos que cuidam de portadores de distúrbio neurocognitivo, podem querer discutir planos futuros com eles enquanto ainda são capazes de pensar com clareza e tomar decisões.

Créditos de imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People photo created by jcomp – www.freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *