Olá pessoal. Como pesquisadora preocupada com a repercussão do processo de envelhecimento na atualidade, em minhas buscas por informações me deparei com este artigo publicado em um jornal inglês que relata o impacto do envelhecimento na China, achei super interessante e que sirva para que possamos refletir sobre o futuro de nossos idosos.

Segue o artigo na integra traduzido.

A China vem apresentado o envelhecimento populacional mais rápido da história da humanidade, mas parece que este país não tem se preocupado muito com a situação das pessoas idosas, tradicionalmente os idosos eram cuidados por seus filhos, mas na China de hoje, esta tradição não vem sendo mantida.

Na China existem muitos abrigos para crianças. Mas o templo Ji Xiang tem uma finalidade totalmente diferente – é um abrigo para idosos.

No alto das montanhas da província de Fujian, sul da China, existe um templo que tem todas as coisas que se pode esperar ver, em um santuário budista. Uma estátua gigante de Buda enfeita o edifício principal, iluminando-o com um brilho dourado. Lá fora, existe um jardim bem esculpido e adornado com pequenas estátuas de pedra.

Mas ao olhar de perto outras coisas revela-se a função principal do templo: corrimões ao longo das escadas e fileiras de frascos de medicação em um armário no corredor. Neste local idílico dezenas de pessoas idosas estão vivendo seus últimos anos. Alguns são pobres demais para ir para outro lugar. Outros não têm filhos para cuidar deles. Mas a maioria simplesmente foi abandonada por suas famílias. Em um pais onde existem comunidades extremamente pobres, idosos debilitados que já não podem trabalhar, são considerados um fardo para as numerosas famílias.

“Nessa área, não há muito a lealdade da família”, explica uma freira do templo, Neng Qing. “As pessoas mais velhas estão realmente sofrendo. Em uma aldeia vizinha, havia uma pessoa de idade, que tinha oito filhos. Todas as manhãs, ele ia para casa de um dos filhos, mas nenhum deles o convidou nem para o café da manhã. A aldeia contatou-nos, mas era tarde demais. Ele já tinha cometido suicídio. ”

Aos 81 anos, Neng Qing faz seu trabalho, viajando em aldeias para resgatar as pessoas idosas que estão morrendo por falta de cuidados.
“É devastador quando vamos resgatar essas pessoas de suas casas, porque alguns deles, já tem estado doente há muito tempo. Às vezes, as noras forçam seus maridos abandonar suas mães por elas terem perdido a capacidade de trabalhar.Muitas vezes estão em tão mal estado de saúde que precisam ser de levados para fora em uma maca, e geralmente depois de alimentados voltam a ter saúde. ”

O templo funciona com um cronograma rigoroso, que se inicia as 04:00h da manhã. Todos os residentes devem subir, a fim de estudar os textos budistas. Uma cerimônia de oração de uma hora antecede o almoço. O mesmo padrão continua ao longo do dia: ler, cantar, comer, descansar, até que todo mundo dorme logo após anoitecer.

“Todos se ajudam”, diz Neng Qing. “Eu costumava acordar duas vezes por noite para arrumar as cobertas nas camas dos residentes, mas agora eles ajudam uns aos outros. Os idosos de 80 anos ajudam os de 100 anos.”
O lugar é tão limpo e arrumado que esquecemos que muitos dos moradores escaparam de um pesadelo.”

Duas irmãs idosas que compartilham um quarto no piso térreo são um exemplo perfeito. Shi Yuping é de 92 e Shi Guazi é 86 cuidam uma da outra, penteando e prendendo seus cabelos mantendo-os arrumados.
“Ninguém cuidou de mim em casa. Meus quatro filhos queriam cuidar de mim lá”, diz ela. “Minha casa não era tão boa como este lugar. Se fosse bom, eu teria ficado.”

Quando Shi Guazi chegou ao templo, ela estava magra porque seus filhos se recusavam a alimentá-la mais do que uma única tigela de arroz por dia.

Um ano depois, sua irmã mais velha a seguiu, e na última década, eles vivem juntas no templo.

É muito preocupante a situação dos idosos na china atualmente o país que conta hoje conta com 220 milhões de pessoas com mais de 65 anos ( mais que a população do Brasil). A China tem a população que envelhece mais rápido do planeta, de acordo com o Banco Mundial. Em 2050, mais de 40% da população chinesa terá mais de 60 anos de idade.

Tradicionalmente, cada geração de uma família chinesa vivia sob o mesmo teto. Mas esse sistema está enfrentando sérios desafios na atualidade moderna. Agora, apenas 38% das pessoas com mais de 60 anos vivem com seus filhos adultos, de acordo com um grande estudo feito por pesquisadores chineses e americanos lançado em 2013. Pouco mais da metade das pessoas que vivem sós recebem apoio financeiro de seus filhos.

Os filhos adultos muitas vezes vivem perto de seus pais, mas os apartamentos modernos não tem espaço para muitas gerações de uma família viver juntos. Nas famílias mais pobres, os filhos costumam migrar para outras partes do país procurar trabalho, deixando os pais idosos para trás.

Há pouco apoio para idosos, quando eles chegam ao final de suas vidas. Em um recente “qualidade de morte” pesquisa realizada pela Economist Intelligence Unit à fim de avaliar cuidados de fim de vida oferecida por 80 países ao redor do mundo, a China ocupou uma posição muito baixa, devido à falta locais que prestem de cuidados paliativos, cuidados hospitalares e falta de apoio da comunidade. Na mesma pesquisa, o Reino Unido foi classificado como o local que mais oferece apoio neste quesito ocupando o primeiro lugar na qualidade de finitude.

Em algumas cidades da China, o governo está correndo para lidar com o problema. Em Fujian Sanming uma próxima do templo, o governo está buscando formas de para atender às necessidades de sua população idosa em expansão. Um novo centro de idosos acaba de abrir suas portas, colocando cuidados comunitários e serviços médicos básicos gratuitos sob o mesmo teto. Outros 13 estão programados para abrir nas proximidades.

Mas mesmo o secretário local do Partido Comunista admite os centros são ainda experimentais.

“Só depender do governo para o cuidado de idosos não é ainda suficiente”, Su Yitai admite. “É por isso que estamos buscando um novo modelo que possa combinar o apoio do governo, da comunidade e da família para tentar construir um novo sistema que se adapta à sociedade chinesa.”

E ainda maiores desafios estão no campo, diz Su.

A pobreza é um problema grave no campo chinês – 65% dos idosos que vivem em áreas rurais vivem abaixo da linha da pobreza, em comparação com apenas 11% nas cidades.

Se uma cidade relativamente rica está lutando para prestar serviços a um bairro populoso, será muito mais difícil estender o cuidado de pessoas idosas espalhadas em pequenas aldeias em toda a China?

O templo Ji Xiang é um dos poucos lugares na China que oferecem atendimento gratuito aos idosos. Os moradores parecem ser profundamente gratos pelas doações que recebem – como casacos de algodão grossos para mantê-los quentes e cobertores pesados ​​para suas camas.

Às quatro horas todas as tardes, os moradores se apresentam em vestes marrons pesadas ​​para a última cerimônia de recitação do dia.

Enquanto esperam para o ritual começar dentro do templo principal, algumas das mulheres se abraçam, admirando vestes umas das outras

Aqui, há algum conforto e humanidade. Nesta pequena parte da China, existe um pouco de dignidade para estes idosos no final de suas vidas.

Fonte: http://www.bbc.com/news/magazine-35155548

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *