O ronco é caracterizado por uma respiração ruidosa durante o sono, que acontece quando o tecido das vias aéreas superiores vibra. É um problema comum, que afeta a maioria das pessoas em algum momento de suas vidas.

O ronco na maioria das vezes é inofensivo e pode ser aliviado, através com ações simples que podem ser feitas no seu dia a dia.  Mas se o ronco estiver ligado a um problema de saúde mais sério, for perturbador ou se houver outros sintomas, um médico deverá ser consultado.

As pausas respiratórias que acontecem durante o sono,  são situações que podem levar a complicações caracterizam-se por paradas (apneias) ou reduções (hipopneias) da passagem de ar pelas vias aéreas superiores. Esses episódios podem ocorrer inúmeras vezes durante o sono.

O ruído do ronco é produzido pela respiração,  durante o sono, de intensidade variável, superior a 50 decibéis, sendo que ruídos de menor intensidade se constituem no ressonar. Pode atingir a intensidade de 80 decibéis, comparável ao som de um motor de ônibus.

Curiosidades sobre o ronco
  • O ronco acontece quando o ar flui através da via aérea, fazendo vibrar a úvula e o palato mole, é causado por estreitamento ou obstrução nas vias respiratórias durante o sono.
  • O ronco pode estar relacionado à apneia do sono, que é um sintoma comum para quem tem pressão alta e outras condições como a obesidade.
  • Os homens roncam com mais frequência que as mulheres.

O ronco surge durante a inspiração, em função do estreitamento das vias respiratórias superiores. O indivíduo começa a dormir, a faringe vai se fechando progressivamente com o relaxamento e inicia-se o ronco devido à vibração de suas estruturas moles. Caso a faringe se estreite acentuadamente, o indivíduo ronca forte  e no caso de  obstrução  total o ar  não  passa, gerando uma parada respiratória com duração  variável, que é a apneia.

Causas mais comuns de roco incluem:

Alguns fatores podem contribuir para ocorrência de roncos entre eles, obesidade, fumar, beber, congestão nasal, este distúrbio afeta 44% do homens e 28% das mulheres nas idades entre 30 e 60 anos.

O ronco pode ser um sinal de algumas doenças como:

  • Doença cardiovascular
  • Apneia obstrutiva do sono
  • Diabetes tipo II
  • Obesidade mórbida
  • Sinusite
Apneia do sono

A apneia do sono pode causar um tipo de ronco em que o portador,  parece parar de respirar por algum tempo entre os roncos, e pode produzir sons sufocantes ou ofegantes.

Além do ronco alto, a apneia do sono pode causar os seguintes sintomas:

  • Sonolência diurna
  • Insônia
  • Dor de cabeça matinal
  • Dificuldade em se concentrar ou lembrar de coisas
  • Irritabilidade
  • Diminuição libido ou desejo sexual

A apneia do sono pode levar à fadiga  e dificuldade de concentração. Também pode aumentar o risco de problemas psíquicos.

Dicas para gerenciar o ronco
1. Evitar bebidas alcoólicas e sedativas

O álcool tem efeito depressivo. Deve ser evitado por pelo menos 4 horas antes de dormir. Qualquer medicamento prescrito ou vendido sem receita médica, deve ser tomado sob a orientação de um profissional de saúde.

2. Alívio da obstrução nasal
  • Patchs nasais
  • Sprays nasais corticosteroides e hidratantes
  • Anti-histamínicos
  • Umidificador de ambiente
3. Alterar as posições do sono

A posição de dormir pode afetar a probabilidade de roncar. Dormir de costas pode fazer com que a língua relaxada bloqueie as vias aéreas.

  • Dormir de lado
  • Levantar a cabeceira da cama alguns centímetros
  • Utilizar “travesseiro anti-ronco” para melhorar a posição do pescoço
4. Perder peso

Pessoas com  excesso de peso, o tecido adiposo pode cercar e estreitar as vias aéreas, e o ronco pode resultar do fluxo de ar obstruído.

Perder peso pode reduzir o risco de roncar.

5. Aparelhos orais

Um aparelho para uso oral, similar a um retentor ou protetor bucal, pode ajudar a manter as vias aéreas abertas, movendo a língua e a mandíbula levemente para frente.

Os aparelhos são feitos por um dentista especializado em medicina do sono.

6. Exercícios para garganta

Exercícios para garganta ou região orofaríngea podem ajudar a fortalecer os músculos fracos e flácidos da garganta e impedi-los de entrar em colapso durante o sono.

7. Deixar de fumar

O cigarro é um irritante e pode causar inflamação de tecido orofaríngeo. A via aérea superior é uma passagem estreita, por isso mesmo pequena quantidades de inflamação podem restringir o fluxo de ar.

Parar de fumar ajuda a reduzir a inflamação, bem como o risco de outras doenças e condições.

  1. Seguir boas práticas de higiene do sono

Desenvolver um programa de gerenciamento do sono, promover  um sono consistente em uma cama confortável, em um quarto escuro e fresco. O sono inadequado tem sido associado ao ganho de peso e pode levar ao ronco.

Algumas outras dicas para ter uma boa noite de sono incluem:

  • Seguir aa mesma rotina de ao dormir e acordar, mesmo no fim de semana
  • Colocar persianas ou cortinas no quarto  para afastar a luz
  • Evitar usar uma celular ou computdor perto da hora de dormir e manter todos os dispositivos fora da sala
Tratamentos médicos

Se o ronco for um problema grave um médico deverá ser procurado.

Pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP)

Para pessoas com apneia obstrutiva do sono moderada a grave, o tratamento inclui a administração de ar pressurizado através de uma máscara nasal ou facial.

Cirurgia

Amigdalectomia e adenoidectomia : para remover amígdalas e adenoides aumentadas.

Procedimento de pilar : Um cirurgião insere pequenos implantes de plástico no palato mole para endurecer o tecido solto.

Septoplastia: Reparo do  desvio do septo nasal.

Uvulopalatofaringoplastia (UPPP) : Remove o excesso de tecido do palato mole e da úvula.

Somnoplastia :É realizada através do uso de ondas de radiofreqüência aliada ao laser, diminui o volume de músculos da boca e da garganta que atrapalham a passagem do ar e provocam o ronco.

Uvulopalatoplastia assistida por laser (LAUP) : Um laser é usado para encurtar a úvula, que é o tecido mole pendurado na parte de trás da garganta. O laser também faz pequenos cortes no palato mole. À medida que os cortes se curam, os tecidos circundantes endurecem para evitar as vibrações que provocam o ronco.

A cirurgia tem uma baixa taxa de sucesso, e existem riscos potenciais para a saúde, por isso só deve ser considerado como um último recurso.

O ronco pode ser um sinal de uma condição médica séria, mas também pode ser embaraçoso e perturbador para o indivíduo, o parceiro do sono e outros membros da família.

Buscar tratamento é  um passo na direção certa para uma boa saúde geral.

Fonte:

BURGER, Ruth Cristina Petraconi; CAIXETA, Eliazor Campos; DI NINNO, C. Q. M. S. A relação entre apnéia do sono, ronco e respiração oral. Rev. CEFAC, v. 6, n. 3, p. 266-71, 2004.

BARROS SOARES, Elisângela et al. Fonoaudiologia X ronco/apneia do sono. Revista CEFAC, v. 12, n. 2, 2010.

BALBANI, A. P. S.; FORMIGONI, G. G. S. Ronco e síndrome da apnéia obstrutiva do sono. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 45, n. 3, p. 273-278, 1999.

Créditos imagem:

<a href=”https://www.freepik.com/free-photos-vectors/animal”>Animal vector created by Freepik</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *