A síndrome metabólica é um conjunto de distúrbios metabólicos que geram determinadas condições clínicas no paciente.

Quando um paciente apresenta essas condições juntas, as chances de futuras doenças cardiovasculares são maiores do que qualquer fator que se apresente sozinho.

Por exemplo, a hipertensão sozinha é uma condição grave. Mas, quando um paciente tem hipertensão associada com altos níveis de glicose em jejum e obesidade abdominal, esse paciente pode ser diagnosticado com síndrome metabólica.

Existe uma chance maior de que este paciente tenha problemas cardiovasculares devido à combinação destes fatores de risco.

A síndrome metabólica é uma condição de saúde grave que afeta cerca de 23% dos adultos, e coloca-os em maior risco de doenças cardiovasculares, diabetes, acidentes vasculares cerebrais e doenças relacionadas ao acúmulo de gordura nas paredes das artérias.

As causas subjacentes da síndrome metabólica incluem sobrepeso e obesidade, inatividade física, fatores genéticos e envelhecem.

Embora a síndrome metabólica seja uma condição grave, você pode reduzir seus riscos significativamente, reduzindo seu peso, aumentando sua atividade física, consumindo uma dieta saudável para o coração, rica em grãos integrais, frutas, vegetais e peixes; e trabalhar com o seu médico para monitorar e gerenciar a glicemia e colesterol no sangue, bem como a pressão arterial.

Outros nomes para síndrome metabólica

– Síndrome dismetabólica

– Cintura hipertriglicerêmica

– Síndrome da resistência à insulina

– Síndrome da obesidade

– Síndrome X

O que causa a síndrome metabólica?

A síndrome metabólica tem várias causas que agem em conjunto. Algumas delas podem ser controladas, tais como sobrepeso e obesidade, estilo de vida inativo e resistência à insulina.

Entretanto, outros fatores que podem desempenhar um papel na síndrome metabólica, não podem ser modificados, como o envelhecer. Assim, o risco de síndrome metabólica aumenta com a idade.

Outro fato que não pode ser controlado é a genética (etnia e história familiar), o que pode desempenhar um papel na condição. Por exemplo, a genética pode aumentar seu risco de resistência à insulina, o que pode levar à síndrome metabólica.

As pessoas que têm síndrome metabólica, geralmente, têm duas outras condições: coagulação sanguínea excessiva e inflamação constante e de baixo grau em todo o corpo.

Os pesquisadores não sabem se essas condições causam síndrome metabólica ou pioram.

Os pesquisadores continuam a estudar condições que podem desempenhar um papel na síndrome metabólica, tais como:

– Esteatose hepática (excesso de triglicerídeos e outras gorduras no fígado)

– Síndrome do ovário policístico (tendência a desenvolver cistos nos ovários)

– Cálculos biliares

– Problemas de respiração durante o sono (como apnéia do sono)

Fatores de risco metabólicos

– Obesidade abdominal

Ter uma cintura grande significa que você carrega excesso de peso em torno de sua cintura (obesidade abdominal).

Isso também é chamado de “figura em forma de maçã”. O médico medirá a cintura da pessoa para descobrir se tem uma cintura grande.

Uma medida da cintura de 89 cm ou mais para mulheres, ou 102cm ou mais para homens, é um fator de risco metabólico.

Uma cintura grande significa que você está em maior risco de doença cardíaca e outros problemas de saúde.

– Nível alto de triglicerídeos

Os triglicerídeos são um tipo de gordura encontrada no sangue.

Um nível de triglicerídeos de 150 mg/dL ou superior (ou estar utilizando medicamentos para tratar triglicerídeos altos) é um fator de risco metabólico.

(O mg/dL é miligramas por decilitro – unidades utilizadas para medir triglicerídeos, colesterol e açúcar no sangue).

 – Nível de colesterol HDL baixo

O colesterol HDL às vezes é chamado de “bom” colesterol. Isso ocorre, porque ajuda a remover o colesterol das artérias.

Um nível de colesterol HDL inferior a 50 mg dL para mulheres, e menos de 40 mg/dL para homens (ou estar utilizando medicamentos para tratar o baixo colesterol HDL) é um fator de risco metabólico.

– Hipertensão

Uma pressão arterial de 130/85 mmHg ou superior (ou estar administrando medicamentos para tratar a pressão alta) é um fator de risco metabólico.

(O mmHg é milimetros de mercúrio – as unidades usadas para medir a pressão arterial).

Se apenas um dos seus dois números de pressão arterial for alto, você ainda está em risco de síndrome metabólica.

– Alto teor de açúcar no sangue em jejum

Um nível normal de açúcar no sangue em jejum é inferior a 100 mg/dL.

Um nível de açúcar no sangue em jejum entre 100-125 mg/dL é considerado prediabetes.

Um nível de açúcar no sangue em jejum de 126 mg/dL ou superior é considerado diabetes.

Um nível de açúcar no sangue em jejum de 100 mg/dL ou superior (ou estar utilizando medicamentos para tratar alto nível de açúcar no sangue) é um fator de risco metabólico.

Cerca de 85% das pessoas que têm diabetes tipo 2 – o tipo mais comum dos tipos de diabetes – associada a síndrome metabólica.

Essas pessoas têm um risco muito maior de doença cardíaca do que as 15% das pessoas com diabetes tipo 2 sem síndrome metabólica.

Quais são os sinais e sintomas da síndrome metabólica?

A síndrome metabólica é um grupo de fatores de risco que aumenta o risco de doenças cardíacas e outros problemas de saúde, tais como diabetes e acidente vascular cerebral.

Esses fatores de risco podem aumentar o risco de problemas de saúde, mesmo que eles sejam apenas moderadamente criados (fatores de risco limítrofes).

A maioria dos fatores de risco metabólicos não tem sinais ou sintomas, embora uma cintura grande seja um sinal visível.

Algumas pessoas podem ter sintomas de alto nível de açúcar no sangue se  elas apresentarem diabetes, especialmente a diabetes tipo 2. Os sintomas de alto nível de açúcar no sangue geralmente incluem aumento da sede; aumento da micção, especialmente à noite; fadiga (cansaço) e visão turva.

A hipertensão, geralmente, não possui sinais ou sintomas. No entanto, algumas pessoas nos estágios iniciais da hipertensão podem ter dores de cabeça maçantes, tonturas ou hemorragias nasais.

Como a síndrome metabólica é diagnosticada?

A síndrome metabólica ocorre quando uma pessoa possui três ou mais dos seguintes fatores de risco metabólico:

– Obesidade abdominal (circunferência da cintura superior a 102cm nos homens e maior que 89cm nas mulheres)

– Nível de triglicerídeos de 150 miligramas por decilitro de sangue (mg/dL) ou maior

– Colesterol HDL inferior a 40 mg/dL em homens ou inferior a 50 mg/dL em mulheres

– Pressão sanguínea sistólica (número máximo) de 130 milímetros de mercúrio (mmHg) ou maior, ou pressão arterial diastólica (número inferior) de 85 mmHg ou superior

– Glicose em jejum de 100 mg/dL ou maior

O médico irá diagnosticar síndrome metabólica com base nos resultados de um exame físico e exames de sangue.

A pessoas deve ter, pelo menos, três dos cinco fatores de risco metabólicos a serem diagnosticados com síndrome metabólica.

Como é tratada a síndrome metabólica?

Mudanças de estilo de vida saudável são a primeira linha de tratamento para a síndrome metabólica.

Se as mudanças de estilo de vida saudável do coração não forem suficientes, o médico pode prescrever medicamentos.

Os medicamentos são usados ​​para tratar e controlar fatores de risco, como hipertensão, triglicerídeos altos, colesterol HDL baixo (“bom”) e alto teor de açúcar no sangue.

Objetivos de Tratamento

O principal objetivo do tratamento da síndrome metabólica é reduzir o risco de doença cardíaca coronariana.

O tratamento é dirigido primeiramente a reduzir o colesterol LDL e a pressão arterial elevada, e o controle da diabetes (se estas condições estiverem presentes).

O segundo objetivo do tratamento é prevenir o aparecimento da diabetes tipo 2, se ainda não se desenvolveu.

As complicações a longo prazo da diabetes, geralmente, incluem doença cardíaca e renal, perda de visão e amputação do pé ou da perna.

Se a diabetes estiver presente, o objetivo do tratamento é reduzir seu risco de doença cardíaca controlando todos os seus fatores de risco.

1- Mudança para estilo de vida saudável 

As mudanças para estilo de vida saudável ​​incluem uma alimentação saudável para o coração, manutenção de um peso saudável,  gerir estresse,  pratica de atividade  física e  diminuição do ato de fumar.

2- Medicamentos

Às vezes, as mudanças no estilo de vida não são suficientes para controlar seus fatores de risco para a síndrome metabólica.

Por exemplo, a pessoa pode precisar de medicamentos da classe das estatinas para controlar ou diminuir o colesterol.

Ao diminuir o nível de colesterol no sangue, as chances de ter um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral podem diminuir.

Os médicos, geralmente, prescrevem estatinas para as pessoas que têm:

– Diabetes

– Doença cardíaca ou tiveram um acidente vascular encefálico (AVE)

– Altos níveis de colesterol LDL

Os médicos podem discutir o início do tratamento com estatinas com aqueles que têm um risco elevado de desenvolver doenças cardíacas ou ter um acidente vascular cerebral.

Seu médico também pode prescrever outros medicamentos para:

– Diminuir as chances de ter um ataque cardíaco ou apresentar morte súbita.

– Diminuir a pressão arterial.

– Impedir formação de coágulos sanguíneos, que podem levar ao ataque cardíaco ou acidente vascular encefálico.

– Reduzir a carga de trabalho do coração e aliviar os sintomas de doença cardíaca coronária.

Como a síndrome metabólica pode ser prevenida?

A melhor maneira de evitar a síndrome metabólica é adotar mudanças de estilo de vida saudáveis para o coração.

Certifique-se de agendar visitas médicas de rotina para acompanhar o seu colesterol, pressão sanguínea e níveis de açúcar no sangue.

Fale com seu médico sobre um exame de sangue chamado painel de lipoproteínas, que mostra seus níveis de colesterol total, colesterol LDL, colesterol HDL e triglicerídeos.

Conclusão

A síndrome metabólica está se tornando mais comum devido ao aumento das taxas de obesidade entre os adultos.

No futuro, a síndrome metabólica pode ultrapassar o tabagismo como principal fator de risco para doença cardíaca.

É possível prevenir ou diminuir as chances de desenvolver a síndrome metabólica, principalmente com mudanças de estilo de vida.

Um estilo de vida saudável é um compromisso vitalício.

Controlar com sucesso a síndrome metabólica requer esforço a longo prazo e trabalho em equipe com seus prestadores de cuidados de saúde.


Leia mais sobre: Orientações para a alimentação na síndrome metabólica


Fonte:

https://www.nhlbi.nih.gov/health/health-topics/topics/ms

https://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/More/MetabolicSyndrome/About-Metabolic-Syndrome_UCM_301920_Article.jsp

Crédito da Imagem:

http://br.freepik.com/fotos-gratis/excesso-de-peso-e-dieta_651195.htm#term=obeso&page=1&position=14

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *