A hipertensão, ou pressão arterial alta, é definida como aumento da pressão sanguínea (tensão) nas artérias, vasos que transportam sangue do coração para o resto do corpo pelo bombeamento cardíaco.

Leituras de pressão arterial são padronizadas por dois valores extremos. A pressão arterial sistólica (valor superior) é igual à pressão nas artérias à medida que o coração se contrai. A pressão diastólica (valor inferior) que  é a pressão nas artérias quando o coração relaxa.

Na pressão arterial normal são os valores estão em torno de 120/80; A pressão arterial entre 120/80 e 139/89 é chamada de “pré- hipertensão“, e uma pressão sanguínea de 140/90 ou acima é considerada alta.

As complicações mais comuns relacionadas a hipertensão são acidente vascular encefálico, insuficiência renal, lesões oculares (glaucoma), arteriosclerose (endurecimento de vasos e artérias) entre outras.

A hipertensão é um grande problema de saúde pública. A American Heart Association estima que a pressão arterial elevada afeta aproximadamente um em cada três adultos nos Estados Unidos, ou cerca de 76,4 milhões de pessoas no mundo.

Por essa razão, o diagnóstico de hipertensão arterial é importante para que medidas de proteção à saúde e prevenção possam ser feitos para normalizar a pressão arterial e prevenir complicações.

Anteriormente, pensava-se que o aumento da pressão arterial diastólica era um fator de risco mais importante do que as elevações sistólicas, mas agora se sabe que, em pessoas com 50 anos de idade e mais, a hipertensão sistólica representa um risco maior.

De acordo com o Journal of American Medical Association relata a hipertensão é na maioria dos casos  subdiagnosticada e por conta disso é  claramente um grande problema de saúde pública.

No entanto algumas modificações na dieta e no estilo de vida podem contribuir para o controle de Hipertensão em adultos e idosos e iremos listar a seguir:

Mudanças na dieta

É benéfico para adicionar o potássio para a dieta.de pessoas hipertensas pois estudos demonstram que indivíduos  que consomem mais potássio têm níveis pressóricos mais baixos. Alimentos com potássio incluem:

– Bananas,

– Melões,

– Laranjas,

– Espinafre,

– Abobrinha.

Aliados a redução de sal na dieta, um plano de alimentação equilibrada que incluem a baixa ingestão alimentos gordurosos e o controle de colesterol são recomendados.

A dieta de TLC (mudanças de estilo de vida terapêuticas) é frequentemente recomendada para baixar o colesterol no sangue.

O plano de alimentação inclui grãos integrais, aves, peixe e nozes e tem quantidades reduzidas de gorduras, carnes vermelhas, doces e bebidas açucaradas.

Alguns suplementos, como alho e linhaça têm sido mostrados em estudos para baixar a pressão arterial. Alguns estudos em pequena escala mostraram que a coenzima Q10 (CoQ10) pode baixar a pressão arterial, mas são necessários mais estudos.

O alho pode reagir com alguns medicamentos de prescrição, como diluentes de sangue, por isso um médico deve ser consultado antes tomar qualquer suplementos.

Outros remédios caseiros, como cálcio, magnésio e óleo de peixe têm sido mostrados em estudos para baixar a pressão arterial, mas sempre com orientação médica.

Estudos demostraram que a redução do sódio dietético reduziu a pressão arterial em pessoas que consumiam nível de sódio mais baixo (1.500 miligramas por dia).

Mudanças no Estilo de Vida

Modificações de estilo de vida referem-se a determinadas recomendações específicas para mudanças nos hábitos, dieta e exercício. Estas modificações podem diminuir a pressão arterial,

– Parar de beber ou diminuir o consumo de álcool: As pessoas que bebem excessivamente de álcool (mais de duas bebidas por dia *) têm um aumento de uma e meia a duas vezes na prevalência de hipertensão. A associação entre álcool e pressão arterial elevada é particularmente perceptível quando a ingestão de álcool excede cinco bebidas por dia. A conexão é um fenômeno relacionado à dose. Em outras palavras, quanto mais álcool consumido, mais forte é a ligação com a hipertensão.

– Parar de fumar: Embora fumar aumente o risco de complicações vasculares (por exemplo, doença cardíaca e acidente vascular cerebral) em pessoas que já têm hipertensão, não está associada a um aumento no desenvolvimento da hipertensão. Mas fumar cigarros pode produzir repetidamente um aumento imediato e temporário da pressão arterial de 5 a 10 mm Hg.

– Diminuir o consumo de café e cafeína: pessoas que consomem mais de 5 xícaras de café por dia, apresentaram níveis elevados de pressão arterial em relação aos que consumiam uma quantidade menor ou não consumiam, de acordo com estudos. Além disso a combinação com o cigarro é um fator potencializador para o aumento da PA. Limitar a ingestão de cafeína e fumar cigarros em indivíduos hipertensos pode ser de algum benefício no controle da pressão arterial elevada.

Bebidas energéticas frequentemente contêm altos níveis de cafeína. A Associação Americana do Coração aponta para pesquisas que sugerem que pessoas com pressão arterial alta ou doença cardíaca devem evitar bebidas energéticas porque elas podem afetar a pressão arterial.

– Controle e diminuição da ingestão de sal: A American Heart Association recomenda que o consumo de sal dietético seja inferior a 6 gramas de sal por dia na população em geral e menos de 4 gramas para as pessoas com hipertensão. Para alcançar uma dieta contendo menos de 4 gramas de sal, o sal não deve ser adicionado aos alimentos ao cozinhar. A quantidade de sal natural na dieta pode ser razoavelmente estimada a partir das informações de rotulagem fornecidas com a maioria dos alimentos comprados. Nota: Alguns substitutos de sal contêm sódio, elemento presente no sal que aumenta a pressão arterial.

– Obesidade: O excesso de peso pode aumentar o risco de hipertensão. A obesidade é comum entre os hipertensos, e sua prevalência, especialmente em pacientes idosos, pode contribuir para a hipertensão de várias maneiras. Em pessoas obesas, o coração tem que bombear mais sangue para suprir o excesso de tecido. O aumento do débito cardíaco pode, então, aumentar a pressão arterial. Além disso, indivíduos obesos hipertensos têm uma maior rigidez (resistência) em suas artérias periféricas do corpo. A resistência à insulina  e a síndrome metabólica, que estão associadas à hipertensão, também ocorrem mais frequentemente nos obesos. Finalmente, a obesidade pode estar associada a retenção de líquidos pelos rins. A perda de peso pode ajudar a reverter os problemas relacionados com a obesidade e pode baixar a pressão arterial. Perder  cerca de 10 a 20 quilos pode ajudar a baixar a pressão arterial e o risco de doença cardíaca em indivíduos obesos.

O American Journal of Clinical Nutrition relatou em 2005 que o tamanho da cintura, é um  melhor preditor da pressão arterial de uma pessoa do que o índice de massa corporal (IMC), uma medida da obesidade global. Circunferência abdominal acima de 80 cm para mulheres e 94cm para homens. Acima de 88 cm para mulheres e 102 cm para homens caracteriza risco muito aumentado para infarto e doenças cérebro vasculares.

– Exercício e redução do estresse: Um programa de exercícios regulares pode ajudar a baixar a pressão arterial a longo prazo. Atividades como jogging, andar de bicicleta, caminhar, nadar por 30 a 45 minutos diários podem baixar a pressão arterial de 5 a 15 mm Hg. Também parece haver uma relação entre a quantidade de exercício e o grau em que a pressão arterial é reduzida. Assim, quanto mais exercícios recomendados menor a pressão sanguínea. Esta resposta benéfica ocorre apenas com programas de exercício aeróbicos (vigoroso e constante). Qualquer programa de exercícios deve ser recomendado e orientado por um médico e um educador físico.

Redução de estresse também auxilia e diminuir a pressão arterial.

O estresse pode ser limitado pela determinação de prioridades, usando habilidades de gerenciamento de tempo, dizendo “não”, vivendo através de valores, estabelecendo metas realistas e melhorando a autoestima.

Os métodos de relaxamento para reduzir o estresse incluem respiração profunda, relaxamento muscular progressivo, relaxamento por imagens mentais, relaxamento para música, yoga, meditação e biofeedback.

É importante que se façam registros da  pressão arterial durante o dia com registros pontuais à fim de ver se fatores estressantes durante o dia fazem com que a pressão arterial aumente.

É de suma importância manter  o sono adequado, a fim de relaxar a mente e o corpo.

A pressão arterial elevada geralmente demora anos até as complicações se desenvolverem.

O ideal seria,  que  a hipertensão fosse  tratada precocemente antes de danificar órgãos críticos no corpo. O aumento da sensibilização da população  e os programas de rastreio,  para detectar hipertensão precocemente antes das complicações é a chave para o sucesso do tratamento.

O sucesso do tratamento precoce da pressão arterial elevada pode diminuir significativamente o risco de acidente vascular cerebral, ataque cardíaco e insuficiência renal.

A meta para pacientes com hipertensão sistólica e diastólica combinada é atingir uma pressão sanguínea de 140/85 mm Hg.

Embora as mudanças de estilo de vida em pacientes pré-hipertensos sejam apropriadas, não está bem claro que o tratamento com medicação de pacientes com pré-hipertensão seja benéfico.

Algumas mudanças no estilo de vida que foram citadas neste post, podem lhe ajudar a controlar sua pressão, e melhorar a qualidade de vida de seus portadores.

Espero que tenham gostado deste post e até a próxima.


Leia também:

– Medicina complementar e alternativa – Saiba mais

– Terapias alternativas – Indicações

– Nutrição e hipertensão arterial sistêmica (HAS)

– Medicamentos para tratamento da hipertensão


Fonte:

ARAUJO, Jairo Carneiro de; GUIMARÃES, Armênio Costa. Controle da hipertensão arterial em uma unidade de saúde da família. Revista de saúde pública, v. 41, n. 3, p. 368-374, 2007.

LA FARMACOTERAPIA, EN EL ANCIANO; LA ACTUACIÓN, UNA REVISIÓN SOBRE. A farmacoterapia no idoso: revisão sobre a abordagem multiprofissional no controle da hipertensão arterial sistêmica. Rev Latino-am Enfermagem, v. 14, n. 3, p. 435-441, 2006.

DO AMARAL ZAITUNE, Maria Paula et al. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no Município de Campinas, São Paulo, Brasil Arterial hypertension in the elderly. Cad. Saúde Pública, v. 22, n. 2, p. 285-294, 2006.

Crédito da imagem:

<a href=’http://www.freepik.com/free-photo/male-doctor-checking-blood-pressure-of-patient_1008348.htm’>Designed by Freepik</a>

 

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *