A osteoporose é uma condição que torna os ossos frágeis e frágeis, aumentando o risco de fraturas. Indivíduos com menstruação têm maior risco de desenvolver osteoporose após a menopausa.

O que é isso?

A osteoporose é uma doença que causa o enfraquecimento dos ossos à medida que se tornam porosos e perdem densidade. Ossos enfraquecidos porosos e têm maior probabilidade de se quebrar. Esta doença é mais comum em mulheres na menopausa.

A perda óssea na pós-menopausa está associada níveis mais baixos do hormônio estrógeno. Esse hormônio desempenha um papel importante no metabolismo hormonal e influencia as células ósseas especializadas chamadas osteoclastos, osteoblastos e osteócitos.

Quando os níveis de estrogênio caem, as células ósseas não se reproduzem na mesma taxa. Como resultado, os ossos de uma pessoa perdem células mais rápido do que podem produzir novas, causando baixa densidade óssea.

Sintomas

A osteoporose é uma doença silenciosa, os sintomas geralmente aparecem após fraturas ósseas.

Geralmente as fraturas associadas à osteoporose afetam o quadril, as vértebras ou o punho. No entanto outros ossos, como os do braço ou da pelve podem sofrer fraturas. Algo tão leve como uma tosse ou espirro às vezes pode causar uma fratura.

Além de ossos quebrados, outros sintomas podem ocorrer na menopausa, como ondas de calor, secura vaginal, dor de cabeça, suor noturno, diminuição do desejo sexual, rigidez articular, mudanças de humor, ansiedade, entre outros.

Causas

Menopausa acelera significativamente a perda óssea, o que aumenta o risco de osteoporose.

Os ossos são formados por uma rede de proteínas e minerais que fornecem a flexibilidade e a força de que o corpo necessita para suportar os movimentos. Eles contêm várias células especializadas, como os osteócitos, que ajudam a manter essa rede.

Um fator que pode afetar a estrutura óssea é o hormônio estrógeno.

Embora os especialistas não saibam exatamente como o estrogênio mantém os ossos fortes, eles acreditam que os osteócitos criam uma uma proteína denominada SEMA3A que mantém a matriz óssea. De acordo com estudos, conforme envelhecemos os níveis de estrogênio e SEMA3A caem, os osteócitos começam a morrer, o que deixa o osso incapaz de manter sua estrutura.

Diagnóstico

Na suspeita de osteoporose o médico pode solicitar um exame de Densitometria Óssea, um exame padrão ouro para identificar essa doença.

Este exame é relativamente simples e indolor e leva cerca Um médico analisará os resultados do teste para determinar a densidade óssea. Neste exame é feito uma comparação com a densidade óssea de um adulto jovem, calculando a diferença como um desvio padrão (DP).

Este cálculo fornece uma pontuação T.  A pontuação AT acima de -1 DP é normal, enquanto uma pontuação entre -1 e -2,5 mostra alguma perda óssea (osteopenia), e uma pontuação de -2,5 ou abaixo mostra perda óssea que constitui osteoporose.

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

Tratamentos

Ao tratar a osteoporose, objetiva-se prevenir fraturas e rupturas ósseas e auxiliar no fortalecimento dos ossos.

As decisões de tratamento médico dependem dos resultados da avaliação e dos exames de densidade óssea.

As opções de tratamento incluem:

  • Moduladores seletivos do receptor de estrogênio (SERMS): esses medicamentos atuam no osso de forma semelhante ao estrógeno, para que possam ajudar a reduzir o risco de fraturas.
  • Bisfosfonatos: objetivam diminuir a perda óssea. Dessa forma, mantêm a massa e densidade óssea, reduzindo o risco de fratura óssea. Diferentes tipos de bisfosfonatos incluem ácido risedrônico, ácido alendrônico, ácido zoledrônico e ácido ibandrónico.
  • Suplementos de cálcio e vitamina D: o cálcio é o principal mineral dos ossos e a vitamina D ajuda o corpo a absorver o cálcio. De acordo com especialistas adultos precisam consumir pelo menos 700 miligramas de cálcio e 10 microgramas de vitamina D por dia.
  • Terapia de reposição hormonal (TRH): pode ser recomendado TRH para mulheres na menopausa. Embora a TRH possa ajudar a melhorar a resistência óssea, no entanto não é um tratamento de primeira escolha para tratar a osteoporose devido aos seus riscos. Caso seja utilizado, deve ser monitorado e prescrito por um médico ginecologista.
  • Hormônio da paratireoide: esse hormônio regula os níveis de cálcio nos ossos. Os tratamentos da paratireóide, como a teripatida, estimulam as células que criam um novo osso.

Fatores de risco

Além da menopausa, fatores de risco para osteoporose:

  • Índice de Massa corporal baixo;
  • Histórico familiar da doença;
  • Uso de esteroides em altas doses por mais de 3 meses;
  • Uso de medicamentos que podem afetar os níveis hormonais;
  • Transtorno alimentar;
  • Alcoolismo;
  • Ser fumante;
  • Portadores de doenças hormonais ou doenças inflamatórias.

 

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *