A menopausa pode causar sintomas físicos e emocionais que interferem com a prática sexual saudável.

A perimenopausa tem início anos antes da cessação completa da menstruarão e é caracterizada por calores (fogachos)  e outros sintomas. A menopausa tem início quando o ciclo menstrual cessou por pelo menos há 12 meses.

Entretanto uma das maiores queixas de mulheres na menopausa, é dor na relação sexual (dispaurenia), estima-se que 17 a 45% das mulheres menopáusicas referem que o sexo pode ser doloroso nesta fase.

Felizmente, existem tratamentos que podem ajudar a tratar as complicações mais comuns neste período.

Efeitos físicos da menopausa

Durante a perimenopausa, há uma diminuição na produção de hormônios sexuais femininos, o estrógeno e a progesterona, que pode causar alterações nos tecidos que formam a vagina e a vulva, tornando este órgãos mais vulneráveis.

A maioria das complicações sexuais da menopausa resultam de atrofia vulvovaginal, uma condição marcada por uma perda de elasticidade, umidade e espessura da vulva e dos tecidos vaginais.

Durante a perimenopausa, os tecidos da vagina e da vulva recebem menos estrogênio. Em consequência, o tecido desta região fica mais fino e menos elástico, o que pode tornar a região mais sensível e a pele pode romper-se mais facilmente.

Os tecidos também recebem menos lubrificação, o que intensifica o atrito que a que são expostos durante a relação sexual, aumentando assim o risco de danos.

Outros sintomas físicos da menopausa incluem:

– Diminuição da elasticidade da parede vaginal

– Dor, sangramento ou queimação durante o sexo

– Uma sensação de tensão durante a relação sexual

– Diminuição da libido ou desejo sexual

– Dificuldade em ficar excitado

– Infecções urinárias frequentes.

Algumas mulheres também podem apresentar vaginite atrófica, que provoca inflamação nos tecidos vaginais, decorrente de  níveis reduzidos de estrogênio e pode causar dor, inchaço, prurido e queimação na vagina..

No entanto, nem todas as mulheres podem apresentar as mesmas mudanças físicas durante a menopausa, e a gravidade dos sintomas pode variar. Um médico deverá ser consultado, caso estes sintomas interfiram em sua vida sexual.

Sintomas emocionais

Alterações dos níveis hormonais podem interferir com o sono e humor, causando cansaço, ansiedade, irritabilidade e até depressão.

Diminuição do desejo sexual ou incapacidade de desfrutar do sexo também pode levar à perda de autoestima e intimidade.

Durante períodos de estresse ou tristeza, as pessoas podem perder o interesse em atividades que anteriormente lhes trazia prazer, com isso a dor e desconforto podem dificultar o orgasmo durante o sexo.

Se excitação sexual ou sensibilidade for afetada, algumas mulheres vão se afastar completamente da atividade sexual, o que pode piorar os sintomas.

Os efeitos colaterais emocionais mais comuns que interferem com o sexo incluem:

– Ansiedade, nervosismo ou incerteza

– Irritabilidade

– Falta de concentração e motivação

– Fadiga

– Depressão ou tristeza

– Sentido de perda ou arrependimento

– Perda de desejo ou interesse sexual

– Perda de autoconfiança

– Perda de intimidade

– Sentimentos de falta de valor ou desamparo

Uma pesquisa descobriu que 70%  das mulheres na menopausa que relataram dor durante o sexo citaram que o problema também causou tensões em seu parceiro.

Nem todas as mulheres experimentam sintomas emocionais negativos ligados à menopausa. Algumas mulheres ganham sabedoria adicional, confiança e capacidade de falar por si mesmas.

Dicas para reduzir os sintomas que afetam a vida sexual na menopausa

– Praticando atividade sexual regular

– Aplicar lubrificantes vaginais antes da relação sexual

– Hidratantes vaginais aplicados regularmente e antes da relação sexual

– Evitar sabonetes, óleos ou lavagens antes da prática sexual que possam causar secura vaginal.

– Abusar das preliminares ou atividades que promovem a excitação sexual

– Envolvimento em atividades que fortaleçam a união do casal

– Regular ou reduzir o estresse através do exercício e terapias

– Encontrar maneiras de reavivar a paixão ou reparar as relações parceiras

– Inovar nas práticas sexuais.

– Tratamento adequado da irritação vaginal, infecções e inflamação

– Mantenha-se hidratada.

– Evite materiais que irritem a pele.

Tratamentos para complicações sexuais da menopausa

Cerca de 55% das mulheres não procuram tratamento médico para os sintomas da menopausa, apesar da maioria dos sintomas associados diminuírem ao longo do tempo e com o tempo desapareceram.

Para algumas mulheres, entretanto, os sintomas da menopausa são intensos e persistentes, neste caso o tratamento médico é recomendado. O ginecologista  podem prescrever medicamentos ou cremes que são compostos por estrógeno e progesterona. No entanto a utilização destas substâncias irá depender de uma série de fatores. O tratamento medicamentoso indicado para os sintomas incluem:

– Medicamentos tópicos com estrogênio ou progesterona: prescritos sob a forma de  comprimidos, cremes ou supositórios colocados diretamente nos tecidos vaginais para ajudar a reduzir a secura.

– Baixa dose de contraceptivos orais: Principalmente prescritos para reduzir a secura vaginal, mau humor e ondas de calor. Pode também vir em remendos transdérmicos.

– Substituição hormonal da menopausa: Prescrito para ajudar a reduzir a secura vaginal, desconforto e dor associada durante o sexo, pode ajudar a reduzir os fogachos, alterações de humor e sintomas depressivos leves.

Algumas doenças podem descartar o uso de opções de tratamento hormonal, tais como:

– Hipertensão arterial.

– Histórico familiar de doença cardíaca, AVC e câncer.

– Diabetes, Hipercolesterolemia.

– Doença hepática ou renal

– História de sangramento crônico

– Problemas com coagulação do sangue.

O período menopáusico pode trazer vários transtornos para algumas mulheres, no entanto qualquer que seja a opção de tratamento escolhido, deve sempre ser acompanhado pelo médico.

Os sintomas da menopausa na maioria das vezes respondem bem a terapêutica, sendo assim não deixe esta fase prejudicar sua sexualidade, busque um profissional capacitado e desfrute de uma vida sexual plena.

Fonte:

PEREIRA, Kleber Fernando et al. Consequências do climatério e menopausa na sexualidade: um estudo no centro de atendimento integrado à saúde de Rio Verde-Goiás. SaBios-Revista de Saúde e Biologia, v. 7, n. 3, 2012.

DE LORENZI, Dino Roberto Soares et al. Fatores associados à qualidade de vida após menopausa. Rev assoc med bras, v. 52, n. 5, p. 312-7, 2006.

FAVARATO, Maria Elenita Corrêa de Sampaio et al. Sexualidade e climatério: influência de fatores biológicos, psicológicos e sócio-culturais. Reprod. clim, v. 15, n. 4, p. 199-202, 2000.

Créditos da Imagem

<a href=”http://www.freepik.com/free-photos-vectors/people”>People image created by Freepik</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *