Atualmente, mais de 200 milhões de pessoas são portadoras de osteoporose pós-menopausa, que é conhecida como tipo I esta doença afeta as mulheres em particular, há também a osteoporose tipo II que está relacionada com a idade e que pode afetar ambos os sexos.

Na osteoporose do tipo II existe uma redução na estrutura interna do osso. O osso torna-se mais fino e menos denso, e ele já não pode funcionar corretamente.

Em todo o mundo, a osteoporose tipo II leva a cerca de 8,9 milhão de fraturas anualmente, com fraturas de quadril entre as mais comuns, levando a deficiência e até mesmo a morte.

A osteoporose do tipo II é conhecida também como osteoporose senil, está relacionada ao processo de envelhecimento e pode ocorrer por deficiência crônica de cálcio, diminuição da função das glândulas adrenais, hipertireoidismo secundário e da diminuição da massa óssea. Neste caso, observamos perda igual de ossos corticais (parte externa do osso representa 80% do osso – responsável pela dureza do osso) e trabecular (parte interna do osso representa 20% da massa óssea).

Assim, observa-se perda proporcional de osso cortical e trabecular. Este tipo de osso se relaciona a fraturas de quadril, colo do fêmur, tíbia e bacia em idosos de ambos os sexos depois dos 65 anos.

O tratamento experimental investigou as células estaminais que são células “progenitoras”, o que significa que eles podem se dividir e mudar para se tornar qualquer tipo diferente de célula.

Foi na Universidade de Toronto, Canadá, que os cientistas descobriram pela primeira vez as células-tronco na década de 1960. Pesquisadores da Universidade de Toronto e do Hospital Ottawa – também no Canadá – queriam saber se a terapia com células-tronco poderiam tratar o problema de células-tronco mesenquimais insuficientes ou defeituosas (MSCs) em camundongos.

MSCs são uma população heterogênea de células progenitoras músculo-esqueléticas que inclui células-tronco esqueléticas (SSCS) as MSCs podem tornar-se células ósseas, e podem ser transplantadas entre indivíduos sem a necessidade de ser combinada e sem o risco de rejeição.

O responsável pelo estudo Prof. William Stanford, cientista sênior do Ottawa Hospital e professor da Universidade de Ottawa, encontrou uma associação entre defeitos de MSC e osteoporose relacionada à idade em ratos.

No presente estudo, os investigadores avaliaram se a hipótese de que a osteoporose devido a MSCs defeituosos, sendo assim injetaram células MSCs de ratos saudáveis s​em ratos com osteoporose.

Após 6 meses, o que é um quarto do tempo de vida de um rato, a equipe descobriu que o osso funcional saudável tinha substituído o osso osteoporótico nos ratos com osteoporose.

O co-autor da pesquisa Prof. John E. Davies afirma: “Esperávamos uma melhora na saúde dos ossos. Mas a grande surpresa foi descobrir que a arquitetura da estrutura óssea dos animais injetados, portadores de osteoporose que estava muito comprometida foi restaurada ao normal.”

Os pesquisadores esperam que os resultados possam levar a uma nova forma de tratamento da osteoporose, ou mesmo retardar o seu aparecimento indefinidamente.

Nos EUA, os pacientes idosos receberam injeções com CTMs como parte de um teste auxiliar e a equipe planeja examinar amostras de sangue para ver se marcadores biológicos indicam uma melhoria no crescimento do osso e reabsorção óssea.

Dependendo do resultado, ensaios maiores poderiam surgir nos próximos 5 anos.

Fonte: http://www.medicalnewstoday.com/articles/308108.php

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *