A esclerose múltipla (EM) é uma doença de longo prazo que afeta o sistema nervoso central. Os avanços médicos significaram que, em muitos casos, uma pessoa com EM pode viver tanto quanto alguém sem EM. Os sintomas podem variar em gravidade de leve a debilitante, mas tratamentos e estratégias relacionadas a estilos de vida podem ajudar.

O que é esclerose múltipla?

A Esclerose múltipla é uma doença progressiva, onde os sintomas pioram gradualmente. A condição é uma reação imunológica que danifica gradualmente a bainha de mielina que recobre o cérebro e os nervos da medula espinhal.

Dependendo do tipo, a esclerose múltipla também pode envolver remissões e crises, de modo que as pessoas com certos tipos de esclerose múltipla geralmente se sentem melhor por um tempo antes que os sintomas apareçam novamente. Em casos mais raros, o portador pode perder a capacidade de andar e falar.

Os primeiros sintomas da EM geralmente surgem entre os 20 e 40 anos.

De acordo com estudos recentes portadores de esclerose múltipla podem viver tanto quanto uma pessoa sem a doença. No entanto, esta conclusão é bastante recente.

Devido à forma como a EM afeta o sistema nervoso central os anteriormente era considerada uma doença intratável.

Cronograma geral de progressão da EM:

Como a EM progride O que significa
Inflamação Os glóbulos brancos começam a danificar as células do cérebro e da medula espinhal.
Desmielinização O dano atinge a mielina que recobre os nervos.
Degeneração axonal Ocorrem degeneração e morte de neurônios cerebrais.
Remielinização O corpo tenta reparar a mielina, mas na maioria das vezes sem sucesso.
Formação de cicatriz glial As cicatrizes se desenvolvem no cérebro e na medula espinhal.

Embora não seja comum um portador atingir os estágios finais da Esclerose Mútipla, os sinais de progressão da EM incluem:

  • Perda de fala
  • Perda gradual de mobilidade
  • Outros sintomas incapacitantes que podem se tornar mais incapacitantes ao longo do tempo

No entanto, nas últimas 2 a 3 décadas, surgiram novas terapias que podem retardar a progressão da EM e controlar os sintomas de forma mais eficaz em alguns portadores..

Atualmente a EM raramente é fatal, estudos estimem que a EM possa encurtar a vida do portador em 7 anos.

Existem pequenas diferenças na expectativa de vida, dependendo do tipo de EM, a maioria dos portadores tem EM recorrente remitente.

Depois que os sintomas aparecem pela primeira vez, em média, o portador pode ter uma recaída pelo menos uma vez por ano,  mas pode tê-los com mais frequência. Entre as recaídas, a condição geralmente permanece estável.

No entanto, portadores de esclerose múltipla primária tem uma expectativa de vida é ligeiramente menor que 70 anos, e isso ocorre,  porque esta forma de esclerose, envolve sintomas progressivos que nunca entram em remissão e podem ser mais difíceis de tratar.

É possível viver uma vida normal com EM?

Além dos tipos de EM, outros fatores podem afetar a qualidade de vida do portador e sua expectativa de vida. Esses fatores incluem:

  • A gravidade de seus sintomas ou crises
  • A rapidez com que os sintomas progridem
  • O intervalo de tempo entre as chamas
  • Tipo de tratamento
  • Presença de comorbidade

Mulheres com EM parecem viver cerca de 5 anos a mais que os homens com a doença. Além disso, a progressão da doença parece ser mais lenta nas mulheres do que nos homens. No entanto, os pesquisadores acreditam que isso pode refletir apenas a diferença na expectativa de vida entre homens e mulheres em geral.

Fonte:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/310832

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *